Fenareg: Preparar o futuro do regadio

Fenareg: Preparar o futuro do regadio

Com a publicação do anúncio 12 da Operação 3.4.2 do PDR2020, o Ministério da Agricultura inovou, pois irá permitir atempadamente, realizar o levantamento pormenorizado das necessidades de investimento para a modernização do regadio existente, recorde-se, a maioria com mais de 50 anos.

Mas a FENAREG não quer que nenhum dos regadios antigos seja deixado para trás neste levantamento para o próximo quadro comunitário de apoio, num trabalho que identifica que infraestruturas modernizar e como as modernizar para responder aos critérios de eficiência e sustentabilidade atuais definidos pelas metas Green Deal e Diretiva-Quadro da Água.

Equipamentos mais eficientes, anular perdas de água nos canais e condutas de abastecimento, soluções de energia renováveis, sistemas de monitorização e dispositivos hidráulicos para medição e controlo da água, um trabalho exaustivo que permite preparar o próximo quadro comunitário de apoio e identificar as soluções técnicas e sustentáveis, antecipando o plano de investimentos a realizar até 2030.

É um trabalho fundamental que a FENAREG tem defendido há anos, que infraestruturas de regadio construídas há mais de meio século sejam atualizadas e modernizadas, para assim poderem vir a responder com eficiência e sustentabilidade a mais outras tantas décadas ao serviço da produção alimentar nacional. São estas infraestruturas que asseguram o abastecimento de água a mais de 36% das explorações agrícolas de regadio, sejam elas pequenas ou grandes, de agricultura biológica ou de exploração familiar.

A FENAREG não quer que nenhum destes investimentos, identificado como viável, seja deixado para trás. Para tal solicitou ao Ministério da Agricultura que sejam reforçados os 7 M€ disponíveis no concurso, utilizando a disponibilidade financeira que sabemos existir no final do atual quadro comunitário, de modo a assegurar a aprovação de todos os projetos com pontuação VGO acima de 10.

A aprovação dos projetos de execução nesta fase, para além de inventariar as necessidades de investimento, vão garantir a sustentabilidade e eficiência do regadio para as próximas décadas e introduzir maior eficácia na execução destes investimentos no próximo quadro comunitário, ao suprimir uma etapa que normalmente exigiria entre 1 a 2 anos, antes de avançar para fase de obra.

Comente este artigo
Anterior Preços globais de alimentos aumentam pelo 10º mês consecutivo
Próximo VISÃO VERDE - João Coimbra

Artigos relacionados

Nacional

Porto não tem plano de defesa da floresta porque “não precisa de ter”

A Câmara do Porto garantiu esta segunda-feira que o Ministério da Administração Interna (MAI) comunicou este ano à autarquia que não precisa de ter Plano Municipal de Defesa da Floresta Contra Incêndios (PMDFCI). […]

Vídeos

A cultura de milho e a suas emissões

A nova campanha vai começar e este ano temos novos projectos para acompanhar o desenvolvimento da cultura . Vamos tentar contabilizar este […]

Sugeridas

Contas Económicas da Silvicultura: Em 2017, o VAB da silvicultura diminuiu 2,3% em volume e 1,0% em valor. Em 2018, o saldo da balança comercial dos produtos de origem florestal registou um excedente de 2,6 mil milhões de euros – 2017

O ano de 2017 foi marcado por um conjunto de incêndios de grande dimensão. A superfície florestal ardida aumentou de cerca de 168 mil ha em 2016 para 502 mil ha em 2017, verificando-se um aumento das remoções e uma diminuição do preço da madeira […]