Federação dos Agricultores alentejanos escreve ao Ministro a reclamar medidas excepcionais contra a seca

Federação dos Agricultores alentejanos escreve ao Ministro a reclamar medidas excepcionais contra a seca

Face à situação de seca extrema vivida no Alentejo que, independentemente da precipitação e das previsões meteorológicas, já causou danos irreparáveis na agricultura da região, a Federação das Associações de Agricultores do Baixo Alentejo – FAABA – reclama do governo medidas de carácter excepcional. Em reunião da FAABA com as suas associadas foi decido enviar, com carácter de urgência, uma missiva ao Ministério da Agricultura a solicitar medidas imediatas de apoio que acautelem o aumento insustentável de prejuízos acumulados.

No sector pecuário, além da escassez de água para abeberamento dos animais, as reservas de palha e feno para o gado ou já se esgotaram ou estão quase a esgotar-se, e as pastagens naturais não existem. Esta conjugação de factores conduziu ao aumento exponencial das despesas por parte dos produtores pecuários, muitos dos quais, em desespero de causa, já tiveram de se desfazer de parte do seu efectivo.

Os agricultores alentejanos entendem que deverá ser concedida uma ajuda de carácter excepcional, designadamente, aos produtores pecuários. Reclamam a atribuição de um montante financeiro, a fundo perdido, em função da espécie pecuária, calculado com base nas necessidades alimentares de cada espécie.

A Direcção da FAABA sublinha ainda que a actual linha de crédito não se adequa à realidade da região. Os montantes disponibilizados são muito reduzidos, os prazos de amortização do crédito são curtos, a que se junta a falta de informação ou de sensibilidade por parte da banca, a qual, tanto quanto se sabe, ainda não efectuou qualquer operação ao abrigo desta medida.

Na área do regadio, o prolongado período de seca extrema fez disparar as despesas relacionadas com o consumo de água e de energia. Esta situação, além de comprometer a qualidade e a quantidade da produção, já reduziu drasticamente as margens brutas das várias culturas.

Nesta matéria, a FAABA considera que se mantêm actuais as propostas já anteriormente apresentadas e reclama do Ministério da Agricultura a adopção de medidas de carácter excepcional, designadamente, a isenção da taxa de recursos hídricos por parte do sector agrícola e a viabilização do preço da água de Alqueva para os perímetros confinantes. Propõe, para a actual campanha, a manutenção do preço da água nos valores do ano passado. Como medida de carácter geral, os agricultores alentejanos pedem que seja concedida a dispensa e deferimento do pagamento de contribuições à Segurança Social.

A FAABA reconhece o esforço do Ministério da Agricultura na tomada de algumas medidas para minimização dos efeitos da falta de chuva, mas considera premente a tomada de medidas excepcionais, articuladas e com sustentabilidade, com agilização prática no terreno.

Comente este artigo
Anterior Alertas AGROTEJO - Candidaturas Pedido Único 2018 (PU)
Próximo Produção Animal - Segurança & Qualidade dos Produtos Cárneos Transformados

Artigos relacionados

Nacional

Conselho de Agricultura da UE estabelece reforma da PAC e bioeconomia como “prioridades”

[Fonte: Vida Rural]
O Conselho de Agricultura da União Europeia reuniu esta segunda-feira (28 de janeiro) para apresentar as suas prioridades e objetivos para o próximo quadro comunitário (2021-2027). As prioridades da Presidência do Conselho Europeu para a Agricultura, que está agora nas mãos do ministro da Agricultura romeno, […]

Últimas

Homem detido por crime de incêndio florestal em Vila Nova de Foz Côa

[Fonte: Correio da Manhã]

A GNR anunciou esta terça-feira a detenção de um homem de 79 anos, pelo crime de incêndio florestal, em Vila Nova de Foz Côa, no distrito da Guarda.
O Comando Territorial da GNR da Guarda refere em comunicado hoje divulgado que o homem foi detido na segunda-feira, […]

Nacional

Fogo em Ourique destruiu mais de 600 hectares

[Fonte: Expresso]

Uma área estimada em mais de 600 hectares ardeu no incêndio florestal que lavrou entre a tarde de segunda-feira e a madrugada desta terça-feira no concelho de Ourique (Beja), disse à agência Lusa o presidente do município.
O incêndio destruiu “uma área mista acima de 600 hectares” […]