Famílias lesadas pelos incêndios sem condições para se proteger da Covid-19

Famílias lesadas pelos incêndios sem condições para se proteger da Covid-19

O movimento alerta que são mais de cem famílias sem condições para fazer frente ao vírus.

O Movimento Associativo de Apoio às Vítimas dos Incêndios de Midões (MAAVIM), em Tábua, alertou esta quarta-feira que cem famílias afetadas pelos incêndios de 15 de outubro de 2017 não têm condições para se protegerem da Covid-19.

“São mais de cem famílias, em vários concelhos, que vivem agora de ajudas alheias, vivem em rulotes, vivem em anexos, sem condições para estarem protegidos” do novo coronavírus, afirma em comunicado o MAAVIM, com sede naquele município do distrito de Coimbra.

Os agricultores de cerca de 30 concelhos do Centro de Portugal atingidos por aqueles incêndios “ficaram, nesta região, sem nada e a maioria das ajudas prometidas nunca chegaram”, lamenta.

“A floresta foi abandonada após outubro de 2017 e nunca mais recuperou. Não houve apoios e agora nem das limpezas se fala. Estamos a dois meses da época de incêndios e tudo está por fazer”, acrescenta o porta-voz do movimento, Nuno Tavares Pereira.

Na sua opinião, “nesta época difícil”, as entidades competentes do Estado “não podem desculpar-se agora” com a pandemia da Covid-19.

“A incapacidade de defender a população mostra que o país quer ajudas no terreno e não no papel”, defende, reconhecendo que na atual situação “é difícil falar em outros problemas”.

“Mas não podemos esquecer estes milhares de pessoas que perderam praticamente tudo e que injustamente não foram apoiados”, em áreas como a habitação, a agricultura, a floresta e a indústria, entre outras, de acordo com o comunicado.

Para o MAAVIM, “tudo pode voltar a acontecer se ignorarem o que as vozes que não se calam avisam”, relativamente ao risco de incêndio nas zonas devastadas há dois anos e meio.

“São várias as câmaras ainda com dinheiro nas contas solidárias (…). As segundas habitações, de que tanto se ouviu falar, onde estão?”, questiona.

O movimento de Midões, concelho de Tábua, recorda ainda que, desde 2017, “ajudou milhares de famílias” lesadas pelos fogos, nos distritos de Coimbra, Guarda e Viseu.

Portugal contabiliza 973 mortos associados à Covid-19 em 24.505 casos confirmados de infeção, segundo o boletim diário da Direção-Geral da Saúde (DGS) sobre a pandemia divulgado hoje.

Relativamente ao dia anterior, há mais 25 mortos (+2,6%) e mais 183 casos de infeção (+0,8%).

Das pessoas infetadas, 980 estão hospitalizadas, das quais 169 em unidades de cuidados intensivos, e o número de casos recuperados passou de 1.389 para 1.470.

O artigo foi publicado originalmente em TSF.

Comente este artigo
Anterior Exportação de Carne de Bovino para Hong Kong
Próximo China manteve pandemia de PSA em sigilo e regista sexto trimestre de queda na produção suína

Artigos relacionados

Nacional

Acaba esta sexta-feira prazo para municípios limparem terrenos de proprietários incumpridores

As câmaras municipais têm até esta sexta-feira para assegurar a limpeza de terrenos, substituindo-se aos proprietários e outros produtores florestais em incumprimento, […]

Nacional

O ferro: novos desafios para uma produção agrícola sustentável

Apesar do ferro (Fe) ser o quarto elemento mais abundante (5.1%) na litosfera, a deficiência de Fe é um dos problemas mais antigos e difíceis de controlar em plantas cultivadas em solos de origem calcária. […]

Últimas

Sogrape introduz casta portuguesa Touriga Nacional na viticultura do Chile

A Sogrape introduziu a casta portuguesa Touriga Nacional na viticultura do Chile, país onde está presente desde 2008, e dessa iniciativa pioneira resultaram para já cinco mil garrafas de […]