Exportação de animais vivos “nunca” vai acabar nos Açores – Governo Regional

Exportação de animais vivos “nunca” vai acabar nos Açores – Governo Regional

O secretário da Agricultura e Desenvolvimento Rural do Governo dos Açores, António Ventura, disse hoje que a exportação de animais vivos na região “nunca” vai acabar e criticou os “fundamentalismos” que humanizam os animais.

“Nos Açores, a atividade de exportação de animais em vivo não pode acabar nunca. Não pode acabar nunca porque nós temos um melhoramento genético, temos de nos afirmar como uma região exportadora de melhoramento genético”, declarou Ventura.

O secretário regional do executivo de coligação PSD/CDS-PP/PPM falava hoje em Ponta Delgada após uma reunião com a Federação Agrícola dos Açores, onde também participou o secretário dos Transportes, Mota Borges.

António Ventura destacou que a “exportação de animais de qualidade genética” será uma das “vertentes da nova pecuária” dos Açores, seja de animais para a produção de leite ou de carne.

Em 13 de maio, o líder e deputado regional do PAN/Açores, Pedro Neves, disse querer acabar com o transporte de animais da pecuária para fora da região devido às “evidentes perturbações” que uma viagem de longo curso implica.

Hoje, o secretário regional criticou o “fundamentalismo” e o “radicalismo” daqueles que defendem o fim da exportação de animais vivos.

“Há uns fundamentalismos aí que não têm conhecimento e sensibilidade para perceber que a exportação em vivo tem de continuar. Nós somos contra esse radicalismo, contra esse fundamentalismo, contra esse aproveitamento da sensibilidade dos cidadãos”, atirou.

E reforçou: “nós não podemos humanizar os animais, os animais de produção têm regras e os próprios animais de companhia têm outras regras. A exportação em vivo é algo que na região autónoma dos Açores, com este Governo Regional, é para continuar de forma afirmativa”.

António Ventura disse ainda ser “fundamental” para a fileira agrícola que exista um “sistema de transportes regular e de preços acessíveis”.

O presidente da Federação Agrícola dos Açores, Jorge Rita, considerou “fundamental” aumentar a “situação de previsibilidade” nos transportes marítimos, alertando que existem “dificuldades” nas ilhas de menor dimensão para a exportação de gado.

“Para nós, é fundamental melhorar o rendimento dos agricultores por via das suas exportações. Há ilhas que têm um impacto brutal na sua economia que tem a ver com a exportação dos seus animais vivos e abatidos”, afirmou.

Jorge Rita defendeu ainda a aplicação de indemnizações compensatórias no transporte marítimo, a cargo do Governo da República, para que “todos os produtos exportados” cheguem com o “mesmo preço a todas as ilhas” açorianas.

O secretário dos Transportes, Mário Mota Borges, reforçou que o novo “plano dos transportes marítimos de mercadorias para os Açores está a seguir o seu caminho”, referindo que “dentro deste ano” serão conhecidas as conclusões.

Questionado pela agência Lusa sobre a entrada em vigor da Tarifa Açores, Mota Borges referiu que “oportunamente” será dada uma conferência de imprensa sobre o assunto, mas não quis avançar se a conferência será realizada antes ou depois de 01 de junho.

No final de Março, o Governo Regional anunciou que a Tarifa dos Açores iria entrar em vigor em 01 de junho, permitindo que os residentes viajem via área entre as ilhas por 60 euros ida e volta, mas, para já, os preços ainda não foram atualizados na plataforma de reservas online da SATA.

Comente este artigo
Anterior Makro reforça compromisso em integrar e apoiar iniciativas que promovem os produtos nacionais e o seu desenvolvimento sustentável
Próximo António Ventura destaca exportação de animais vivos como forma de retorno económico para os Açores

Artigos relacionados

Sugeridas

Seguro Vitícola de Colheitas – Campanha 2020

Encontram-se abertas as candidaturas ao Seguro Vitícola de Colheitas (âmbito Nacional), campanha de 2020. […]

Nacional

Coopval investe forte e capacita-se para responder aos mercados mundiais mais exigentes

Os 50 anos da Coopval foram assinalados com um investimento de seis milhões de euros, demonstradores que a Cooperativa que já […]

Nacional

“É uma obrigação garantir a subida do preço de leite à produção”

Esta é a única forma de garantir a sustentabilidade do setor que atravessa uma crise, na sequência da descida do preço do leite pago pelas indústrias. […]