Évora apresenta alterações climáticas em 30 imagens

Évora apresenta alterações climáticas em 30 imagens

Enquanto em Madrid prossegue a Cimeira das Nações Unidas sobre o clima (COP25), em Évora, inaugura-se, esta quinta-feira, a exposição de fotografia sobre alterações climáticas, PHENOMENA.

Fotógrafos amadores e profissionais, responderam ao repto, lançado pela Universidade de Évora, através de um concurso de fotografia sobre alterações climáticas, com atenções voltadas para as mudanças ambientais em Portugal.

Secas, inundações ou incêndios, a par do aumento da temperatura ou a subida do nível dos oceanos, são fenómenos já hoje vivenciados e com consequências desastrosas para o Planeta.

Acresce “a dificuldade de os governos baixarem os índices de dióxido de carbono na atmosfera e travarem as mudanças ambientais”, explica a organização, na nota de apresentação da mostra que pretende, também, homenagear um o professor catedrático e um dos mais reputados climatólogos portugueses, já falecido, João Corte-Real.

Constituída por 30 imagens, a exposição PHENOMENA “toca alguma dessas dimensões, de modos diversos, uns mais diretos e outros metafóricos, tanto quanto são diversos os fenómenos e os olhares”.

Ao visitante vai ser pedido que observe cada imagem e a integre “na sua experiência, nas suas interrogações, nas buscas de significado e reação às mudanças ambientais”. A musica promete dar uma ajuda nesta reflexão. A organização escolheu a obra “There are no more four seasons”, da dupla George Kentros (violino) e Mattias Petersson (musica eletrónica), para promover dar ao espaço, um ambiente introspetivo.

A exposição apresenta os dois trabalhos que venceram o concurso. O primeiro prémio foi atribuído a Francisco Brito e à sua fotografia “Ninho do Degebe – Casa na Árvore” que retrata o fenómeno das inundações.

Miguel Pereira, por sua vez, ganhou o segundo prémio com a fotografia “A água que esconde”, numa imagem que evidencia a seca extrema, no caso concreto, na barragem do Pego do Altar, em Alcácer do Sal.

Com curadoria da Maria do Mar, Janine Silva, Mariana Valente e Maria Ilhéu, a mostra, que tem entrada livre, vai ficar patente na Igreja do Salvador, em Évora, até fevereiro de 2020, seguindo, depois, em itinerância pelo Alentejo e, posteriormente, por outras localidades portuguesas.

O concurso e a exposição foram organizados pela EcoVerney da Escola de Ciências e Tecnologia da Universidade de Évora, em colaboração com a Câmara Municipal de Évora e a Direção Regional de Cultura do Alentejo, contando com vários apoios.

O artigo foi publicado originalmente em Rádio Renascença.

Comente este artigo
Anterior Biotech Crops are the Fastest Adopted Crop Technology, ISAAA
Próximo Matadouro do Faial está certificado pela norma da segurança alimentar

Artigos relacionados

Dossiers

Cotações – Azeite – Informação Semanal – 6 a 12 Abril 2020

Em Portugal, dos 4 meses de laboração dos lagares de azeite, de Outubro 2019 a Janeiro 2020, o rendimento médio da azeitona laborada foi de cerca […]

Vídeos

Faça Chuva Faça Sol – T.3 Ep.18

Neste programa conhecemos a Campotec, uma organização de produtores (OP) que nasceu em 1994 para agrupar a produção dos agricultores do […]

Nacional

1ª Edição da Feira da Aguardente e Mel

A Associação dos Amigos de Cortelha em colaboração com a Câmara Municipal de Loulé e a Junta de Freguesia de Salir, […]