Eurodeputados exigem apoio a produtores de vinho, frutas e legumes da UE. Foto: © Rosa Pinto Eurodeputados exigem apoio para produtores de vinho, frutas e legumes da UE

Eurodeputados exigem apoio para produtores de vinho, frutas e legumes da UE

Comité de Agricultura do Parlamento Europeu deu luz verde a um conjunto de medidas excecionais de mercado para ajudar os produtores de vinho, frutas e legumes da União Europeia, e rejeitou outras medidas por não serem satisfatórias no apoio aos produtores.

Para garantir que os setores de vinho, frutas e legumes recebam apoio o mais rápido possível, o Comité de Agricultura do Parlamento Europeu decidiu proativamente dar luz verde às medidas apresentadas pela Comissão Europeia, em 4 de maio.

As medidas proporcionam maior flexibilidade aos agricultores e organizações de produtores para alterar os programas operacionais ou estender o apoio vinculado à colheita verde e aos fundos mútuos.

Os eurodeputados recomendam que o Parlamento Europeu vete um conjunto mais antigo de medidas de mercado para os produtores de vinho, frutas e legumes, por estas medidas não serem suficientes para apoio aos produtores.

Os eurodeputados querem que a Comissão Europeia melhore o pacote de ajuda original com medidas específicas adicionais. Isso deve incluir taxas crescentes de cofinanciamento, extensão da lista de medidas e despesas elegíveis nos programas operacionais de frutas e legumes, permitindo a transferência de fundos não utilizados desses programas para o próximo ano e fornecendo flexibilidades regulatórias adicionais dentro e fora dos programas nacionais de apoio ao vinho.

O Comité de Agricultura também estendeu o prazo para um potencial veto do Parlamento para dar à Comissão Europeia mais tempo para melhorar as medidas propostas. O novo prazo para rejeitar o ato delegado foi estabelecido para 31 de agosto.

O presidente do Comité de Agricultura, Norbert Lins referiu: “As medidas de apoio da Comissão aos produtores de vinho, frutas e legumes não são suficientes e por isso pedimos repetidamente ao Comissário Wojciechowski que as melhore”.

Mas não houve melhorias e, por isso, “endossamos hoje apenas algumas dessas medidas e demos a nossa luz verde para as outras em espera. Também estendemos o prazo para nosso potencial veto, a fim de dar mais tempo ao Comissário Wojciechowski. Exortamos a Comissão a não desperdiçá-lo ”, afirmou o presidente do Comité de Agricultura, Norbert Lins.

O artigo foi publicado originalmente em TVEuropa.

Comente este artigo
Anterior AgroSemana 2020 cancelada
Próximo ANPOC e parceiros organizam Dia da LVR virtual e apresentam a Agenda de Inovação CEREALTECH

Artigos relacionados

Últimas

Governo dos Açores reitera que não quer cortes para agricultores de 2021 a 2027

Para o titular da pasta da Agricultura, que falava aos jornalistas, em Ponta Delgada, na ilha de São Miguel, à margem de uma reunião da Comissão de Acompanhamento da Revisão da Política Agrícola Comum (PAC) para 2021-2027, […]

Últimas

“A natureza é mais esperta que nós”

Vamos lá falar de biodinâmica. Sem medo. Sim, há quem considere este modo de produção mais do domínio da filosofia do que da agronomia, […]

Nacional

“A Wisecrop disponibiliza um conjunto de ferramentas para os agricultores tomarem as melhores decisões”

Flávio Ferreira, representante da Wisecrop perante uma palestra dedicada à cultura do Mirtilo, organizada pela Revista Voz do Campo em parceria com a AGIM e o Município de Sever do Vouga. […]