Estudo revela que poluição do ozono prejudica culturas de milho híbrido

Estudo revela que poluição do ozono prejudica culturas de milho híbrido

Um estudo do Carl R. Woese Institute for Genomic Biology, pertencente à Universidade de Illinois em Urbana-Champaign, revelou que o ozono nas camadas mais inferiores da atmosfera diminui o rendimento das culturas do milho híbrido e altera os tipos de produtos químicos que são encontrados dentro das folhas.

Em artigo do site, a universidade revela que os investigadores estudam há mais de 20 anos os efeitos da poluição do ozono nas culturas numa instalação onde as culturas podem ser cultivadas em condições reais de campo agrícola, mas com concentrações acrescidas de poluição por ozono.

“A poluição do ozono é maior no hemisfério norte, e atinge picos nos meses mais quentes e de verão. As elevadas concentrações de poluição do ozono sobrepõem-se temporalmente e espacialmente ao crescimento das culturas, pelo que é importante estudar como as elevadas concentrações de ozono afetam o rendimento das culturas”, disse a ex-estudante de doutoramento no laboratório de Ainsworth, Jessica Wedow.

Investigação

Os investigadores analisaram três tipos de milho: as variedades B73 e Mo17 e o milho híbrido cruzado B73 × Mo17. Os resultados mostraram que o stresse crónico do ozono provocou uma diminuição de 25% no rendimento das culturas híbridas. Já as colheitas de variedades autóctones não foram afetadas a nível de rendimento.  As plantações híbridas também envelheceram mais rápido que as autóctones.

Para perceber o porquê, os investigadores mediram a composição química das folhas. “As plantas autóctones não responderam ao ozono. Por outro lado, as plantas híbridas produziram mais α‐tocoferol e fitoesteróis, que ajudam a saciar moléculas reativas de oxigénio e estabilizar as membranas de cloroplasto”, explica Jessica Wedow.

Estes resultados sugerem que, uma vez que o milho híbrido é mais sensível à exposição ao ozono, pode estar a produzir mais químicos que lidam com as consequências do stresse crónico.

“Este estudo fornece pistas para melhorar a tolerância do milho à poluição do ozono”, disse a líder de investigação da USDA ARS Global Change and Photosynthesis Research Unit, Lisa Ainsworth.

O grupo está atualmente a estudar se estas respostas são consistentes em outras plantações importantes, incluindo as utilizadas para a bioenergia.

O estudo “Age‐dependent increase in α‐tocopherol and phytosterols in maize leaves exposed to elevated ozone pollution” foi publicado no Plant Direct e pode ser encontrado em  https://doi.org/10.1002/pld3.307.  A investigação foi financiada pelo NSF Plant Genome Research Program.

O artigo foi publicado originalmente em Vida Rural.

Comente este artigo
Anterior Governo dos Açores quer todas as explorações agrícolas com selo de bem-estar animal até 2022
Próximo A ACTUAR realiza inquérito no âmbito do projeto Agricultura Familiar

Artigos relacionados

Sugeridas

Bruxelas apresenta plano para aumentar agricultura biológica e atingir meta de 2030

A Comissão Europeia apresentou hoje um plano para aumentar a produção e o consumo de produtos biológicos, para atingir 25% das terras agrícolas em agricultura biológica até 2030 […]

Blogs

Cephalosporium este ano chegou mais tarde (boas noticias)

O Cephalosporium é uma doença da planta do milho provocada por um fungo de solo. Habitualmente os sintomas de morte prematura da planta são visíveis desde o fim da floração até […]

Ofertas

Ofertas de emprego – Técnicos para Fotointerpretação de Parcelas – Lisboa

A CNJ – Confederação Nacional dos Jovens Agricultores e do Desenvolvimento Rural pretende recrutar técnicos para a realização de […]