Estudo diz que imigrantes asiáticos pagam 10 mil euros em média para chegar ao Alentejo

Estudo diz que imigrantes asiáticos pagam 10 mil euros em média para chegar ao Alentejo

Estudo indica que redes dos países de origem recebem altas quantias para facilitar regularização dos imigrantes, para quem Portugal é uma porta de entrada. E sugere soluções de habitação.

Dez mil euros: será este, em média, o valor que os imigrantes vindos de países asiáticos como a Índia ou o Nepal pagam pelo processo de imigração que os traz até ao Alentejo, para que regularizem a sua situação. A conta é feita num estudo noticiado esta quarta-feira pelo Público.

Segundo o jornal, no estudo “O impacto da imigração no setor agrícola: o caso do Alentejo”, assinado por João Carvalho e Sandro Teixeira e financiado pelo Alto Comissariado para as Migrações, indica-se que o valor é pago pelos imigrantes a redes criadas nos seus países de origem, com o intuito de regularizarem a sua situação e entrarem na Europa, com Portugal a funcionar como uma espécie de porta giratória.

Continue a ler este artigo no Observador.

Comente este artigo
Anterior Já conhece as propostas dos ecoregimes?
Próximo Regime excecional e transitório de reorganização do trabalho e de minimização de riscos de transmissão da infeção da doença COVID-19

Artigos relacionados

Newsletters

Newsletter da CAP sobre setor do azeite – setembro 2021

A CAP – Confederação de Agricultores de Portugal publicou a Newsletter Azeite de julho de 2021, referente ao setor do Azeite. Esta edição do […]

Nacional

1º Congresso Ibérico do Milho reúne 600 agricultores e técnicos agrícolas em Lisboa

O milho é uma das principais culturas arvenses semeadas na Península Ibérica, ocupando uma área que ronda os 600 mil hectares. […]

Últimas

BRIGAID: projecto europeu apoia inovações que aumentam a resiliência às alterações climáticas (2016 – 2020)

O projecto BRIGAID – “Bridges the Gap for Innovations in Disaster resilience” do programa Horizonte 2020 (http:// brigaid.eu), reúne 24 parceiros […]