Estudo | Comunicar consenso científico sobre OGM é mais eficaz para derrubar mitos

Estudo | Comunicar consenso científico sobre OGM é mais eficaz para derrubar mitos

Um estudo da Universidade de Radboud, na Holanda, mostra que as falsas crenças sobre os alimentos geneticamente modificados podem ser destruídas com informações de consenso científico e que esta abordagem é mais eficaz para derrubar mitos e medos infundados do que simplesmente comunicar conteúdo científico complexo.

“Algumas pessoas têm crenças que se opõem a evidências científicas avassaladoras. Essas percepções equivocadas, definidas como crenças factuais que são falsas ou que contradizem as melhores evidências disponíveis no domínio público podem ser prejudiciais à saúde e até mesmo prejudicar a capacidade da sociedade de enfrentar os principais desafios. Um dos maiores desafios do nosso tempo são as mudanças climáticas, para as quais as políticas e ações públicas dependem da crença de que as mudanças climáticas são causadas pela ação humana. Da mesma forma, as crenças sobre a vacinação influenciam a decisão de ser vacinado, que é a abordagem mais promissora para erradicar doenças como a poliomielite, a difteria e o sarampo. No domínio da tecnologia de alimentos, a oposição à engenharia genética de alimentos significa que podemos perder o apoio a uma das tecnologias mais promissoras para reduzir a desnutrição que afeta cerca de 690 milhões de pessoas no mundo”, afirmam os investigadores da Universidade de Radboud.

Envolvendo 1.500 participantes dos Estados Unidos com uma percepção inicial de que os alimentos geneticamente modificados são piores para a saúde do que os alimentos não geneticamente modificados, os investigadores pretendiam testar uma estratégia de comunicação que fosse capaz de corrigir percepções equivocadas sobre questões sociais importantes. Ou seja, queriam saber se ajudar as pessoas a identificar o consenso científico poderia levá-las a uma melhor compreensão científica e, deste modo, alterar as suas crenças.

Os cientistas encontraram fortes evidências de que a aproximação da ciência ao consumidor corrige interpretações erradas e crenças falsas. Concluiram que a comunicação do consenso científico, aliada a campanhas de comunicação científica direcionadas para a promoção da compreensão e identificação do consenso científico, é um ponto de partida eficaz para combater a desinformação.

Leia o estudo aqui.  

O artigo foi publicado originalmente em CiB - Centro de Informação de Biotecnologia.

Comente este artigo
Anterior “Investigação científica é parceira essencial” do Governo dos Açores na Agricultura, defende António Ventura
Próximo Bombeiros vão ter mais 21 Equipas de Intervenção Permanente num total de 551

Artigos relacionados

Opinião

O Armando Sevinate Pinto: Textos que não podemos nem devemos esquecer – Francisco Avillez

Sou periodicamente assaltado por uma enorme saudade do meu colega e grande amigo Armando Sevinate Pinto e de tudo aquilo que ele dizia e escrevia. […]

Últimas

Live: Lançamento do Cartão Jovem Empresário Rural

A AJAP com o apoio do Grupo Crédito Agrícola promove o Lançamento do Cartão JER | EU SOU MAIS Jovem Empresário Rural… com o CARTÃO JER, no dia 27 de maio, às 17h00. […]

Nacional

Coligação ambientalista apresenta queixa em Bruxelas contra o Governo português por “falhar” proteção de aves

As seis maiores organizações não-governamentais de ambiente em Portugal, juntas na Coligação C6, enviaram esta semana à Comissão Europeia uma queixa formal contra o Governo português. […]