Estratégica de Valorização para a Carne dos Açores quer duplicar volume de negócios até 2030

A Estratégica de Valorização para a Carne dos Açores foi já apresentada aos produtores. Isto apesar do “desempenho do sector da carne nos Açores ser muito positivo”. Esta fileira gera actualmente um volume de negócios anual de 50 milhões de euros, sem contar com os apoios do POSEI. O objectivo é até 2030 conseguir duplicar o volume de negócios que a carne gera nos Açores.

O secretário Regional da Agricultura e Florestas afirmou hoje que, apesar do desempenho do sector da carne nos Açores ser muito positivo, a Região está já a trabalhar, de forma articulada com todos os agentes desta fileira, para delinear uma estratégia de acção direccionada para o crescimento do valor económico e do rendimento dos produtores.

“Se compararmos a legislatura anterior com a actual verificamos que a produção de carne de bovino cresceu 15% e que 65% da carne produzida nos Açores é expedida para fora da Região”, salientou João Ponte, considerando que “estes são indicadores muito positivos e importantes do ponto de vista da produção, por aquilo que representam para o rendimento dos agricultores e para a economia local”.

Assembleia Geral do CERCA

O governante falava à margem da reunião da Assembleia Geral do CERCA – Centro de Estratégia Regional para a Carne dos Açores, que decorreu no Parque de Exposições de São Miguel, no concelho da Ribeira Grande.

João Ponte anunciou que toda a rede regional de abate está já devidamente certificada pela norma ISO 22.000, relativa à qualidade e segurança alimentar, cumprindo, assim, um compromisso do Governo dos Açores para esta legislatura e que vai proporcionar novas oportunidades de mercado para a carne dos Açores, dando resposta às exigências de consumidores cada vez mais exigentes em termos de segurança alimentar.

“Ainda ontem (quinta-feira) conseguimos obter a certificação do matadouro da Ilha Graciosa, a última infra-estrutura da rede regional de abate que faltava auditar”, revelou o secretário Regional.

Estratégica de Valorização para a Carne dos Açores

Relativamente à reunião do CERCA, João Ponte destacou que foi apresentada aos seus membros a Estratégica de Valorização para a Carne dos Açores, que, entre outros aspectos, aponta para uma maior aposta na qualidade das produções, no reforço da organização e da notoriedade, com vista a uma melhor valorização de forma a garantir a sua sustentabilidade.

“O documento agora dado a conhecer vai merecer a reflexão dos membros do CERCA, com vista a definir um plano de acção para o sector da carne, dado que o objectivo regional é até 2030 conseguir duplicar o volume de negócios que a carne gera nos Açores”, afirmou João Ponte, acrescentando que esta fileira gera actualmente um volume de negócios anual de 50 milhões de euros, sem contar com os apoios do POSEI.

O titular da pasta da Agricultura destacou que o Governo Regional, a produção e a comercialização estão a trabalhar de forma articulada e unida para definir uma estratégia de futuro e com futuro para o sector da carne, por forma a seja possível “vender melhor” a carne dos Açores no mercado externo.

Agricultura e Mar Actual

Comente este artigo

O artigo foi publicado originalmente em Agricultura e Mar.

Anterior Nuno Russo: Plantas representam 80% dos alimentos e produzem 90% do oxigénio
Próximo “Podemos andar ou correr. Eu sugiro que a gente corra”

Artigos relacionados

Nacional

GNR detém casal por suspeita de provocar fogo em Grândola

Contactada pela agência Lusa, fonte da GNR indicou que os detidos estariam a utilizar uma máquina agrícola equipada com um roça-mato e que o veículo terá […]

Notícias florestas

Sessões de informação para produtores florestais – 7 de Março 2018 – Alvaiázere

Alvaiázere, no distrito de Leiria, vai receber amanhã, dia 7 de Março a partir das 9h30, uma sessão de informação do Projecto Melhor Eucalipto. […]

Nacional

Pedrógão Grande. Plano de prevenção de fogos foi chumbado quatro vezes

Entre 2015 e 2019, o Plano Municipal de Defesa da Floresta contra Incêndios de Pedrógão Grande foi chumbado quatro vezes pelo Instituto da Conservação da Natureza e Floresta (ICNF). […]