“Estaremos num caminho de transferência crescente de mais-valias para toda a fileira”

“Estaremos num caminho de transferência crescente de mais-valias para toda a fileira”

A Associação Interprofissional da Fileira Olivícola – AIFO – nasceu em 2006 com o objetivo fundamental de dinamizar e aglutinar os interesses da fileira com vista a divulgar, promover e defender o olival, o azeite e todos os intervenientes na cadeia de valor.

O seu presidente, José Maria Falcão, explica-nos um pouco melhor os objetivos desta entidade e de que forma analisa o setor olivícola em Portugal.

Como se define a AIFO e quais são os seus grandes objetivos?

Nestes últimos 15 anos (desde a fundação da AIFO) o setor olivícola e oleícola nacional sofreram uma profunda revolução como evidencia o atual ponto que o conhecemos. Muitos dos impactos vieram do exterior, dos mercados, das políticas de preços e do mecanismo de formação de preço mundial, mas igualmente por ser um produto mediterrânico, cada vez mais vincado face às aleatoriedades climáticas, fundamentalmente inserido em zonas de sequeiro, com variações interanuais de produção enorme, com cíclicas épocas de excesso de produção seguidas de períodos em que os stocks de final de campanha quase não chegam para unir campanhas.

Assistimos nestes últimos anos a uma profissionalização e a uma adaptação muito importante no setor transformador, com uma redução de mais de 65% das unidades em laboração.

O setor produtivo criou igualmente níveis de profissionalismo enormes, com ciclos de investimento consecutivos que permitiram atingir de forma sustentada a autossuficiência e os records produtivos têm sido batidos ano após ano.

Aquando da apresentação em sessão pública no final de 2018, foi apontado como um dos desafios para 2019 o recurso ao PDR 2020 para apoio ao financiamento de um Plano de Ação para o Azeite de Portugal. Em que ponto se encontra?

O projeto PDR2020-521-056067 de 29/5/2019, depois de várias trocas de informações e esclarecimentos com a autoridade do PDR encontra-se em fase final de avaliação e aguarda decisão final que esperamos que seja de aprovação e que deverá ocorrer muito em breve. Esperamos que em 2020 possamos iniciar o trabalho definido no plano de ação a 3 anos e que seja o início da atividade sustentada da AIFO, com um elemento técnico a assegurar o trabalho do dia a dia.

Aumentar produções nacionais em contexto internacional em que o consumo e a produção estão num equilíbrio instável exige um trabalho de toda a fileira

Qual é a mais-valia que uma Interprofissional pode agregar ao setor?

Basta olhar para o trabalho desenvolvido pela interprofissional espanhola, com os resultados impressionantes da sua atividade de aglutinação da fileira, da promoção criteriosa do azeite nos mercados quer dos países produtores quer dos países que não conhecem o azeite por esse mundo fora, do apoio à investigação aplicada (…).

O artigo foi publicado originalmente em Voz do Campo.

Comente este artigo
Anterior Mitigação dos efeitos do aquecimento global: Água recurso estratégico - 29 de fevereiro - Sever do Vouga
Próximo EU organic area up 34% since 2012

Artigos relacionados

Ofertas

Ofertas de emprego – Engenheiros Agrónomo e Zootécnico – Cuba, Beja

Somos uma Empresa do Ramo Agro Industrial, situada na zona de Cuba (Beja), e procuramos candidatos para o seguinte Estágio Profissional: […]

Últimas

Previsão de longo prazo – 17 fev a 15 mar. 2020

Precipitação total com valores abaixo do normal e temperatura média semanal com valores acima do normal […]

Nacional

João Ponte: produções agrícolas tradicionais estão a crescer nos Açores

O secretário Regional da Agricultura e Florestas, João Ponte, afirmou hoje, 26 de Julho, que as produções agrícolas tradicionais nos Açores estão em franco crescimento, […]