Espanha reconhece problema com caudal do Tejo apesar de respeito por acordos

Espanha reconhece problema com caudal do Tejo apesar de respeito por acordos

A ministra da Transição Ecológica de Espanha, Teresa Ribera, reconheceu esta terça-feira haver “um problema de represas em cadeia” que afecta o caudal do rio Tejo, mas assegurou que Madrid “nunca falhou” os acordos com Portugal.

“O nosso problema é que temos de assegurar uma quota mínima [na albufeira de Cedillo], porque abaixo dessa quota não está assegurado o abastecimento [de água] a Cáceres [cidade espanhola a cerca de 90 quilómetros da fronteira portuguesa]”, disse Teresa Ribera à agência Lusa em Madrid. A ministra em exercício acrescentou que Espanha está a “enviar e a soltar água” de Cedillo de acordo com “picos” que vai recebendo a montante, mas assegurou estar “confiante” que “isso se vai estabilizar no curto prazo”.

A regularização do caudal que chega a Portugal, o principal problema apontado pelo Governo de Lisboa, “depende da água que vem de mais acima”, disse Teresa Ribera. “O principal problema de Cedillo é que está associado ao abastecimento de Cáceres. Esse é um ponto crítico que temos de ver como se resolve”, concluiu a ministra da Transição Ecológica espanhola, que afirmou manter “uma relação e conversação, não só cordiais como também frequentes, com o ministro português” da mesma pasta.

O ministro português do Ambiente e Acção Climática, João Pedro Matos Fernandes, reafirmou há uma semana em Ílhavo (Aveiro) a necessidade de “aprofundar a Convenção de Albufeira”, que regula as transferências de água de Espanha para Portugal, para haver uma maior regularidade nos caudais do Tejo, afastando, no entanto, a possibilidade de o país obter um maior caudal vindo de Espanha. “Temos de aprofundar a Convenção de Albufeira, sem qualquer objectivo de obter maior caudal vindo de Espanha. Não podemos ter o que não há e o caudal do Tejo está muito diminuído em relação ao que era ao tempo em que Convenção foi negociada e muito bem negociada”, disse o ministro.

Matos Fernandes avisou que a negociação dos caudais do Tejo é uma tarefa “extraordinariamente difícil”, adiantando que “Espanha defende que se há maior irregularidade na chuva também se deveria tornar ainda mais irregular o cumprimento dos caudais previstos na Convenção” de Albufeira. O ministro criticou na altura a forma como Espanha cumpriu esse acordo no último ano hidrológico, com “o esvaziamento da albufeira de Cedillo sem compensação a partir das albufeiras a montante, nomeadamente Alcántara e Valdecañas”, esperando que esta atitude não se repita.

Continue a ler este artigo no Público.

Comente este artigo
Anterior Abordagem territorial do Portugal 2020 trouxe “ganhos reduzidos”
Próximo Catarina Martins pede ao Governo que revogue resolução no perímetro de rega do Mira

Artigos relacionados

Últimas

Vasco Cordeiro destaca resposta positiva dos jovens ao objetivo de rejuvenescer a Agricultura dos Açores

O Presidente do Governo destacou a “expressiva resposta dos jovens” ao objetivo estratégico de rejuvenescimento do setor agrícola regional, ao adiantar que já […]

Nacional

Cantinho das Aromáticas conquista Great Taste Awards 2019

O Cantinho das Aromáticas conquistou, pelo sexto ano consecutivo, vários prémios nos prestigiados Great Taste Awards, em Londres.
“Em 2019 trazemos para Portugal cinco prémios, […]

Sugeridas

CAP quer reforço do investimento na agricultura

[Fonte: Notícias ao Minuto]
O presidente da Confederação dos Agricultores de Portugal (CAP), Eduardo Oliveira e Sousa, defende que a proposta de Orçamento do Estado para 2018 (OE2018) deve ter em atenção as infraestruturas hidráulicas e reforçar as verbas destinadas ao setor. […]