Escola de Pastores do Alvão com 20 alunos e a missão de rejuvenescer o setor

Escola de Pastores do Alvão com 20 alunos e a missão de rejuvenescer o setor

A Escola de Pastores do Alvão arrancou com 20 alunos, uns ligados ao setor e outros de áreas distintas como a Medicina ou Engenharia Aeroespacial, e tem como missão o rejuvenescimento e a valorização da atividade.

Hoje o dia estava cinzento em Telões, Vila Pouca de Aguiar, onde decorreu a primeira aula prática da Escola de Pastores. A sala de aula é a serra do Alvão e as explorações das raças autóctones que se espalham por este território.

Beatriz Peixoto veio preparada com botas e casaco para enfrentar a chuva e o nevoeiro que se fazia sentir neste município do distrito de Vila Real. Tem 24 anos e frequenta o sexto ano do curso de Medicina, no Porto.

“Sempre tive interesse pela natureza, pela agricultura e pelos animais. Como sempre estive na cidade sinto que é um interesse que eu nunca consegui explorar e, portanto, vim para aqui explorar mais essa realidade”, afirma a também, agora, aluna da Escola de Pastores.

Esta é uma realidade da qual pouco conhece e, por isso, Beatriz Peixoto quer perceber se poderá ser algo que possa incluir no seu futuro.

Considera que esta é uma oportunidade que não “podia deixar escapar” e que quer compatibilizar com a licenciatura.

Henrique Granja, 24 anos e natural de Barcelos, acabou o mestrado integrado em Engenharia Aeroespacial em janeiro, está à procura de emprego, frequenta, agora, a Escola de Pastores, e ambiciona desenvolver um projeto que possa juntar as duas áreas.

“É sempre importante aprender mais e o meu gosto pela agricultura e pela pastorícia levou-me a inscrever neste curso”, afirma.

Com o futuro em aberto, Henrique não descarta a possibilidade de trabalhar como pastor e referiu que, nesta atividade, pode aplicar conhecimentos adquiridos no Instituto Superior Técnico.

Refere que a Engenharia pode ajudar a “resolver problemas da área da pastorícia” e “ajudar a desenvolver projetos inovadores com a utilização de drones” para, por exemplo, “calcular a quantidade de biomassa em determinados terrenos, ou perceber de que maneira é que o rebanho está a atuar numa determinada encosta”.

“Esta é uma área que gosto bastante, de elevado valor”, sustenta.

Tomás Rodrigues veio de Paredes, onde já tem um rebanho com 30 animais e quer “aprender novas coisas”. Aos 17 anos está a acabar o 12.º ano e já sabe que quer ser pastor.

“Fui criado na agricultura e gosto muito de animais. Na área que eu quero há pouca formação e então decidi inscrever-me porque vai ter alguma utilidade para o que eu quero seguir”, afirma.

Ana Catarina, 37 anos, e Davide Fraústo, 29 anos, vivem em Santarém e possuem uma exploração de ovinos e caprinos, bem como uma pequena queijaria artesanal.

Ana Catarina, que é também professora de Informática, explicou que decidiram integrar a Escola de Pastores porque sentiram “muita necessidade de informação”.

“Chegamos a um ponto em que não conseguimos evoluir mais e precisamos de respostas e surgiu esta oportunidade”, salienta.

A escola é promovida pela Federação Nacional das Raças Autóctones (FERA), em parceria com a Aguiarfloresta – Associação Florestal e Ambiental de Vila Pouca de Aguiar.

Nesta formação quer fazer-se a integração das atividades da pastorícia com a gestão do espaço rural, como a agricultura e a floresta. A primeira aula prática foi dedicada à botânica, centrando-se também nas plantas que os animais comem e nas diferenças entre elas.

O curso “Pastoreio Sustentável e Gestão da Paisagem” é o primeiro da Escola de Pastores, decorre entre maio e outubro e concilia as aulas teóricas, em formato ‘online’, com a prática, junto dos criadores de cabras ou vacas de raças autóctones.

Entre as cerca de 50 pessoas que se inscreveram, foram selecionados 20.

Duarte Marques, da Aguiarfloresta, revela-se surpreendido com a adesão ao projeto, com a juventude dos formandos e também com a diversidade de atividades profissionais.

Capacitar e atrair mais criadores de gado, promover o rejuvenescimento do setor e incentivar modos de produção inovadores são precisamente os objetivos desta escola.

Duarte Marques destaca ainda a “valorização da atividade” e aponta para o “risco do abandono” devido “à baixa rentabilidade” e ao envelhecimento dos pastores.

O responsável elenca o papel que o setor desempenha na “sustentabilidade do espaço rural”, na gestão e na prevenção dos incêndios.

Para além dos formadores, a escola tem também tutores que podem acompanhar os formandos, apoiar na implementação do plano de negócios e, depois, no início da atividade.

Escola de Pastores com nova edição em 2021

Comente este artigo
Anterior Ministério da Agricultura anuncia aviso para a instalação de painéis fotovoltaicos em explorações agrícolas com uma dotação de 10 M€
Próximo ENEAPAI 2030 - Estratégia Nacional para os Efluentes Agropecuários e Agroindustriais 2030 e a Bacia do Lis - 17 de maio

Artigos relacionados

Últimas

Direção de Agricultura do Algarve cede terrenos para hortas sociais em Faro

A Direção Regional de Agricultura e Pescas (DRAP) do Algarve cedeu terrenos ao município de Faro para o desenvolvimento e implementação de um projeto de hortas sociais direcionado a […]

Nacional

Centros de Abastecimento Agrícola da Madeira estão em pleno funcionamento

O Governo Regional da Madeira lançou uma campanha a apelar ao consumo dos produtos regionais. Nesse âmbito, a Secretaria Regional de […]

Notícias meteorologia

Previsão período alargado – 30 nov. a 27 dez. 2020

Na precipitação total semanal prevêem-se valores abaixo do normal (-10 a 0mm) para alguns locais do interior do território na semana de 30/11 a 06/12. Prevêem-se valores acima do normal (0 […]