Escassez de carne de porco na China pode ter potenciado a disseminação do coronavírus

Escassez de carne de porco na China pode ter potenciado a disseminação do coronavírus

Peste suína africana matou milhares de porcos, o que levou a uma redução considerável da principal fonte de carne na China. O consumo de outros animais pode ter potenciado a transmissão de SARS-CoV-2.

A peste suína africana que levou ao abate de milhares de porcos na China, em 2018 e 2019, pode ter aberto portas à entrada do coronavírus SARS-CoV-2 na vida das pessoas, sugere um estudo em pré-publicação (que ainda não foi revisto por cientistas independentes) de uma equipa britânica e chinesa.

As flutuações graves no mercado de carne suína antes de dezembro de 2019 podem ter aumentado a transmissão de patógenos zoonóticos [com origem nos animais], incluindo coronavírus relacionados com a síndrome respiratória aguda grave [SARS], de animais selvagens para humanos, de animais selvagens para o gado e de animais não-locais

Continue a ler este artigo no Observador.

Comente este artigo
Anterior Portucel Moçambique prepara primeira exportação de madeira
Próximo Oferta de emprego - Engenheiro Agrónomo - Lagos ou Portimão

Artigos relacionados

Dossiers

Oferta de emprego – Enólogo – Beja

A Herdade da Malhadinha Nova, localizada em Albernoa, no concelho de Beja, encontra-se a recrutar dois Enólogos (M/F) para reforçar a equipa de enologia. […]

Últimas

Candidaturas às ajudas da Política Agrícola Comum ascendem a quase 184 mil este ano

As candidaturas às ajudas da Política Agrícola Comum (PAC) fixaram-se, de acordo com os últimos dados, em 183.649, mais 418 do que em 2018, […]

Últimas

Limpeza contra incêndios assegurada no Parque Nacional Peneda Gerês

A limpeza para prevenção de incêndios no Parque Nacional Peneda-Gerês “está a ser feita e assegurada” pelo Corpo Nacional de Agentes Florestais […]