ES Oeste: Os novos filhos da fruta do Oeste

ES Oeste: Os novos filhos da fruta do Oeste

Começaram com panfletos no correio, passaram para grupos de amigos no Whatsapp e, dentro de semanas, chegarão ao país inteiro. Os cabazes de fruta e legumes da ES Oeste nasceram no confinamento e tornaram-se na principal atividade da empresa.

Vítor Almeida é engenheiro civil e sempre tentou “escapar” à agricultura e ao negócio da família. Mas, em 2017, as origens falaram mais alto. Hoje, Vítor e Cátia Branco, que é enfermeira, são os responsáveis pela nova vida da ES Oeste. O negócio tradicional de exportação de pera-rocha e maçã de Alcobaça mantém-se, mas é aos cabazes de fruta e legumes que criaram no confinamento que dedicam toda a atenção.

Não estava nos planos de Vítor vir a ser agricultor. Os pomares de maçã de Alcobaça e pera-rocha estão na família há três gerações, mas o Almeida mais jovem tinha outras aspirações. Estudou Engenharia Civil e rumou a Lisboa. O plano até deu frutos, mas Vítor acabou por ceder ao chamamento da terra. Em 2017, juntamente com Cátia Branco, enfermeira, começou a semear a nova vida da ES Oeste.

Cabe hoje a Vítor Almeida e Cátia Branco dar a cara e o corpo ao manifesto pelos mais de dez hectares de pomares da empresa da família, dos quais brotam entre 450 e 500 toneladas de fruta por ano. A exportação tem sido desde sempre a vocação da ES Oeste, e França o destino onde o fruto é mais apetecido. “Abastecemos o mercado da saudade”, revelam. Apenas uma pequena parte da produção permanece na terra de origem, em “dois ou três supermercados locais”.

No início de março de 2020, ainda respondiam às encomendas gaulesas, com algumas toneladas de fruta guardadas nas câmaras frigoríficas. Mas a pandemia veio complicar a logística. “Os camiões não tinham retorno, voltavam vazios, e começaram a parar”, recorda Vítor. “Nas primeiras semanas de março, ficámos em suspenso, a pensar no que poderíamos fazer para dar a volta à situação.”

Até que Vítor percebeu que não estava sozinho. “Em conversa com outros agricultores da região, dei conta de que eles estavam a deitar fora as colheitas”, lembra. Com as praças fechadas, os produtores invadiram os campos com tratores para destruir couves, alfaces, brócolos e alho-francês, algo que a ES Oeste não chegou a fazer. Perante a calamidade e o desperdício, Vítor viu surgir a oportunidade para uma joint venture. Os caixotes de fruta que tinham deixado de ir para França rapidamente ganharam uma nova utilidade: viraram cabazes de

Continue a ler este artigo no Jornal de Negócios.

Comente este artigo
Anterior Cotações - Azeite - 17 a 23 de maio 2021
Próximo Terra Nostra. "Vamos trabalhar para democratizar o biológico em Portugal"

Artigos relacionados

Notícias florestas

Plano de fiscalização do ordenamento do território concluído no final do ano – ministro

O ministro do Ambiente e Ação Climática, João Pedro Matos Fernandes, revelou hoje que no final deste ano estará concluído, à semelhança do Plano Nacional de Fiscalização e […]

Nacional

PSD quer ouvir na AR gestora afastada do Programa de Desenvolvimento Rural

O partido defende que a decisão do Governo acontece “numa altura crucial de encerramento” do PDR 2020, “face complexos desafios que a crise […]

Internacional

Ginger and paprika from China, pepper from Vietnam

Ginger accounted for the largest share of these imports (111 000 tonnes), closely followed by paprika and allspice (94 000 tonnes) and pepper (69 000 tonnes). The main country of origin of ginger, paprika and allspice imports was China (76 […]