Equipamentos de pulverização: o que mudou desde a inspeção periódica obrigatória?

Equipamentos de pulverização: o que mudou desde a inspeção periódica obrigatória?

Há 5 anos a inspeção periódica de pulverizadores tornou-se obrigatória em Portugal e os agricultores estão hoje mais alerta para a necessidade da manutenção e calibração adequadas dos equipamentos. Ainda assim é preciso continuar a informar, sensibilizar e formar e insistir na fiscalização.

Por: João Turras, coordenador do Centro de Inspeções Periódicas de Pulverizadores do COTHN-CC

O trabalho de alterar comportamentos e processos de trabalho na aplicação de Produtos Fitofarmacêuticos (PF) exige uma permanente comunicação com a produção. Muito tem sido feito para que os objetivos de reduzir os efeitos negativos para o ambiente, para os operadores e, ao mesmo tempo, melhorar os resultados agronómicos e de eficiência acumulados das diversas aplicações ao longo de cada campanha.

Foi produzida legislação comunitária que foi orientadora para os diversos países do espaço da União Europeia, desde a Diretiva Máquinas e a Diretiva para o Uso Sustentável dos Pesticidas, como ao nível nacional, a produção de legislação tendo em vista a regulação da atividade venda, distribuição e de aplicação de PF e também a inspeção periódica de pulverizadores, assim como um Plano de Ação Nacional para o Uso Sustentável de Produtos Fitofarmacêuticos.

O COTHN-CC foi o primeiro Centro de Inspeção Periódica de Pulverizadores reconhecido em Portugal em 2014

Neste período o COTHN agiu ativamente na criação e desenvolvimento de um serviço de inspeção de pulverizadores, ainda quando não havia sequer legislação nesse sentido, assim como através de protocolos diversos com Organizações de Produtores, fabricantes de PF, distribuidores e outros, foi participando em palestras, workshops, seções de sensibilização, dando a conhecer aos produtores não só os aspetos mais importantes para conseguirem uma boa calibração dos pulverizadores, assim como o que garantir ao nível da manutenção dos equipamentos para se poder fazer uma boa calibração e, consequentemente, uma boa aplicação dos pulverizados, com segurança ambiental e com segurança para o operador.

Desgaste acentuado da proteção do cardan e falta de dispositivos de imobilização da mesma (correntes).

Embora algumas entidades tenham desde muito cedo ficado sensibilizadas para esta temática, e em alguns casos por decorrência direta das exigências a que estavam obrigados pelos requisitos de qualidade (GLOBALGAP e outros), foi a aproximação do prazo limite de Novembro de 2016 para a inspeção de pulverizadores anteriores a 2010, previsto na legislação introduzida em 2010 (DL 86/2010), que gerou um forte movimento de todas as entidades envolvidas, não só ao nível da produção como também na criação das condições para o surgimento de diversos centros de inspeção periódica de pulverizadores (CIPP´s), esta ultima da responsabilidade dos organismos competentes do Estado.

Filtro de aspiração obstruído.

As primeiras inspeções foram fundamentalmente um primeiro momento para verificar o que não estava em conformidade nos equipamentos e sensibilizar os produtores para a nova realidade e para a necessidade de não só fazerem a correção do que estava menos bem, mas também garantir uma manutenção permanente dos equipamentos.

Manómetro avariado.

O que se constata ao fim destes anos é que a existência de uma grande diversidade na tipologia dos produtores e das organizações, a que os mesmos podem ou não estar associados, condiciona a forma como é entendida a necessidade da calibração e da inspeção dos pulverizadores.

Se para muitos, com estruturas de apoio técnico agrícola e de manutenção dos equipamentos bem desenvolvidas, verifica-se uma ação permanente na manutenção dos equipamentos e o entendimento de como a mesma é fundamental para otimizar os resultados das aplicações, noutros casos a falta de conhecimento, menor profissionalismo, menor sensibilização, refletem depois máquinas com problemas diversos que colocam em causa os objetivos de eficiência agrícola, de proteção ambiental e de proteção do operador.

No quadro da legislação atual as inspeções realizadas antes de 01/01/2020 tinham uma validade de 5 anos, pelo que este período tira alguma pressão sobre os produtores para a manutenção dos equipamentos, verificando-se em muitos casos na renovação das inspeções problemas que acharíamos que já não se verificariam.

As inspeções dos equipamentos de pulverização realizadas a partir de 01/01/020 passam a ter validade apenas por 3 anos

A alteração da validade das inspeções a partir de 01/01/2020 para os 3 anos vai manter mais presente aos produtores a necessidade da manutenção dos equipamentos de forma a poderem garantir uma boa calibração dos mesmos.

Verifica-se em geral uma melhoria do estado geral dos equipamentos de pulverização, mas é necessário continuar a garantir aos produtores informação e apoio técnico.

Informar, sensibilizar, formar e fiscalizar

Temos as máquinas, temos os bicos de pulverização, temos os cálculos para fazer, temos a legislação, mas:

  • necessitamos de continuar a sensibilização para os aspetos gerais da aplicação dos PF.
  • necessitamos de continuar a partilhar conhecimento com os técnicos, os produtores, os operadores de forma a que melhor conheçam os inimigos das culturas, e qual melhor técnica de aplicação que deve ser implementada para cada caso e em cada momento, de forma a poderem adaptar os seus equipamentos a uma realidade especifica.
  • necessitamos de aumentar a fiscalização, por parte das entidades competentes aos pulverizadores que circulam nas nossas estradas ou que se encontrem em uso no campo, de forma a que aumente a perceção de todos para a necessidade de terem os seus equipamentos inspecionados, em bom estado de conservação e de funcionamento.
Filtro de bico totalmente obstruído
Deficiente encerramento de bicos.
Filtro de linha totalmente obstruído.

#Equipamentos de pulverização

O artigo foi publicado originalmente em Alimentar com inovação.

Comente este artigo
Anterior Agroop oferece diagnóstico NDVI
Próximo Produção de cereja em Alfândega da Fé regista quebras superiores a 50%

Artigos relacionados

Últimas

Infoagri disponibiliza Guia de Apoio ao Enquadramento Legal e Fiscal da pequena produção Agrícola

A Associação In Loco divulgou o ” Guia de Apoio – Enquadramento Legal e Fiscal da pequena produção Agrícola 2019″. Esta publicação, realizada no […]

Comunicados

Organizações sectoriais têm medo da nossa participação no CAR Alqueva

Os 22 Blocos de Rega do Perímetro do EFMA, no seguimento da carta aberta enviada ao Sr. Ministro da Agricultura e em resposta às organizações sectoriais que sobre ela se prenunciaram, […]

Últimas

Incêndios. Proteção Civil alerta para agravamento de risco até sexta-feira

Num “aviso à população” hoje emitido pela Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC) é referido que, de acordo com informações do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), […]