Encontro Regadio 2019 – 6 a 7 de novembro – Odemira

Encontro Regadio 2019 – 6 a 7 de novembro – Odemira

A FENAREG e a Associação de Beneficiários do Mira organizam a 6 e 7 de novembro, em Odemira, o Encontro Regadio 2019-XII Jornadas FENAREG, que terão como tema central o trinómio Agricultura-Ambiente-Território e os desafios dos Aproveitamentos Hidroagrícolas para além da gestão da água.

Este evento assinala o 50º aniversário do Aproveitamento Hidroagrícola do Mira, um perímetro de rega com 12.000 hectares de área beneficiada, cuja origem da água é a albufeira criada pela Barragem de Santa Clara, no rio Mira, onde se pratica uma agricultura de regadio com vocação exportadora e um forte contributo para o desenvolvimento sócio-económico do território do sudoeste alentejano e da costa vicentina, uma vez que o perímetro se estende pela faixa costeira entre Vila Nova de Milfontes, no concelho de Odemira, até à povoação do Rogil, no concelho de Aljezur.
A Barragem de Santa Clara e as infraestruturas do Aproveitamento Hidroagrícola do Mira constituem ainda hoje o único investimento público verdadeiramente estruturante existente no concelho de Odemira, garantindo a disponibilidade de água para abastecimento público e suporte das atividades económicas.
A situação particular deste perímetro de rega, que atualmente tem 94% da sua área classificada como Rede Natura, coloca uma série de desafios do ponto de vista da articulação das entidades gestoras do território e da conciliação das atividades económicas, nomeadamente a agricultura, com a proteção do ambiente e da orla costeira.
O Encontro Regadio 2019 será, por isso, um local privilegiado para debater o trinómio Agricultura-Ambiente-Território e os múltiplos desafios com que os Aproveitamentos Hidroagrícolas a nível nacional se confrontam, para além da sua missão principal como gestores de recursos hídricos para a Agricultura.

“A gestão dos Aproveitamentos Hidroagrícolas não se cinge apenas a uma eficiente gestão da água. É necessário existir uma estratégia clara para o território”, afirma Manuel Amaro Figueira, diretor executivo da Associação de Beneficiários do Mira.

O Professor Francisco Gomes da Silva apresentará o “Contributo para uma Estratégia para o Regadio 2050”, um estudo realizado pela Agroges para a FENAREG que aponta caminhos orientadores das políticas públicas de regadio até 2050, propondo um plano de ação até 2027 e os instrumentos financeiros para modernizar o regadio em Portugal.
Para compatibilizar instrumentos de ordenamento do território e de conservação da natureza com as áreas regadas e prevendo a sua expansão, a Federação aponta o reforço da sustentabilidade ambiental do regadio e a criação de “acordos de responsabilidade” entre as entidades gestoras das áreas protegidas/classificadas e os utilizadores da água para rega, visando prevenir conflitos e prevendo mecanismos de resolução claros quando eles ocorrem.

Os regantes propõem a criação de uma norma para reconhecimento, e posterior certificação, de “Explorações de Regadio Sustentável”

Para ler na íntegra na Voz do Campo n.º 230 (outubro 2019)

O artigo foi publicado originalmente em Voz do Campo.

Comente este artigo
Anterior Fernando Martins, Diretor Regional de Agricultura e Pescas da Beira Interior
Próximo Intermarché premeia mel e aguardente.Compra 250 mil euros a produtores nacionais

Artigos relacionados

Eventos

O Mercado Nacional do Vinho: dados e perspetivas – 25 de setembro – Lisboa

Realiza-se no próximo dia 25 de setembro, às 11:00 horas, nas instalações deste Instituto, sitas na Rua Mouzinho da Silveira, 5, 1250-165 Lisboa, a Sessão Informativa dedicada ao tema “Mercado Nacional do Vinho: dados e perspetivas”. […]

Nacional

FENAREG propõe medidas de mitigação dos efeitos seca na agricultura

A FENAREG propôs na Audição da Comissão Parlamentar de Agricultura e Mar, a 29 de Maio, medidas imediatas que compensem os agricultores regantes pelos efeitos da seca prolongada.Considerando que o problema da seca se prolonga pelo quinto ano consecutivo, […]

Nacional

Conheça a única vinícola brasileira que pode usar a denominação “Champagne”

Prestes a completar 105 anos de atividade, a Peterlongo é a única vinícola brasileira (e do mundo, fora da França) que possui o direito de […]