Em Messines foi plantado um dos maiores amendoais do Algarve

Em Messines foi plantado um dos maiores amendoais do Algarve

As amendoeiras já foram um símbolo do Algarve. A partir da década de 1930 tornaram-se frequentes os comboios especiais organizados pela CP que anualmente, durante o período de floração das amendoeiras, traziam muitos turistas à região.

Todavia, depois da construção de barragens, de que a do Arade, em 1956 foi pioneira, e da abertura de milhares de furos artesianos, um pouco por todo o território, o pomar tradicional de sequeiro algarvio – figueira, amendoeira, oliveira e alfarrobeira, começou a ser substituído pelos citrinos e mais recentemente pelos abacateiros. Espécies muito exigentes em água, principalmente estes últimos, ao contrário daquelas árvores, símbolos seculares da paisagem algarvia.

É certo que nas últimas décadas muito se alterou em termos económicos, mas também agrícolas, e os recursos hídricos superficiais e subterrâneos, agora disponíveis, mitigaram amiúde os efeitos das secas permitindo a aposta nestas culturas, mais rentáveis economicamente. Agora que o flagelo da seca se renova, de uma forma mais intensa, são muitas as vozes que se levantam contra aquilo que chamam de descaraterização paisagística da região, em busca do lucro fácil. Afinal os citrinos produzem 70 % da laranja nacional e os abacateiros (com cerca de 1 100 ha) 10 200 t nos próximos anos.

Na verdade, se excetuarmos as alfarrobeiras, onde se verificou um aumento de plantações este século, as figueiras e amendoeiras são cada vez mais residuais nos campos vermelhos do barrocal algarvio.

Há, todavia, uma exceção na freguesia de S. Bartolomeu de Messines. Símbolo maior na exportação de frutos secos do Algarve, nas décadas de 1960 e seguinte, através das empresas Teófilo Fontainhas Neto e Ramiro Cabrita & Irmão, aqui sedeadas, mas também pioneira na implementação do primeiro projeto de abacateiros na região (projeto Luso-Alemão), concretizado há várias décadas, a freguesia assistiu agora ao nascimento de um pomar de amendoeiras. Promovido por um casal de jovens engenheiros, mas não agrónomos, que apostou na plantação de um amendoal de 28 ha, junto à ermida de Nossa Senhora da Saúde, no Monte de São José. O qual constitui, muito provavelmente, o maior existente na região.

Regressar às origens

É uma «oportunidade de regressar às origens», confidenciou-nos Maria João Falcão Silva, nascida em Lisboa onde trabalha e reside. É certo que também o seu pai não nasceu na freguesia, mas eram de S. B. de Messines as suas origens maternas. Uma família abastada secular residente na então aldeia, pelo menos desde o século XVIII. A Maria João é sobrinha-tetraneta do Visconde de Messines (1792-1886), uma figura incontornável da história de S. B. de Messines no século XIX, e bisneta do Dr. Augusto Figueiredo Rocha, o primeiro médico municipal a residir na freguesia.

Foi assim com intuito de regressar à terra dos seus antepassados que em 2015 formou, juntamente com o marido, João Cancela, a sociedade «Casa Agrícola Noutel, Lda.». Segundo os promotores, a plantação de um pomar em regime intensivo e sistema de regadio de amendoeiras, em Produção Integrada, adveio da atratividade deste fruto «num mercado deficitário que tem capacidade para absorver mais produção». Afinal, lembram, «o aumento do consumo mundial e os problemas estruturais de solos e défice de água verificados nos grandes produtores mundiais tradicionais, nomeadamente nos EUA e o facto de existirem em Portugal algumas associações que garantem o escoamento comercial, tornam a produção de amêndoa uma atividade economicamente interessante».

Assim o casal converteu um velho amendoal num novo, intensivo e de regadio. Na plantação, efetuada no verão de 2018, foi considerado um compasso que permite a apanha mecanizada, o que possibilita uma poupança em mão-de-obra, aumentando a rentabilidade da operação. Em termos de variedades apostaram na Lauranne e na Soleta, pela sua «floração tardia, menos vulneráveis às geadas, e perfeitamente adaptadas às condições edafo-climáticas da região do Algarve». Variedades que consideram «bastante produtivas e com fruto de qualidade o que permitirá níveis de produção e rentabilidade interessantes».

O projeto, financiado pelo PDR2020 (Plano de Desenvolvimento Rural 2014-2020) no âmbito da Operação 3.1.1. Jovens Agricultores – Primeira Instalação e da Operação 3.2.1. Investimento na Exploração Agrícola, foi aprovado em dezembro de 2016, com um custo de cerca de 400 000 €, acrescidos de IVA. A primeira colheita está prevista para o próximo ano, sendo o escoamento assegurado por uma Organização de Produtores de cobertura nacional, na qual a Casa Agrícola Noutel se encontra inscrita.

Façamos votos para que o projeto atinja os objetivos previstos e que seja modelo na mudança da paisagem da região. Afinal não só as amendoeiras são árvores menos exigentes em água, como a floração voltará a pintar de neve os campos algarvios. Mas, por enquanto só mesmo em S. B. de Messines, graças às mãos dos jovens engenheiros Maria João e João, «num regresso às origens, não só para si, mas também para os seus filhos e todas as gerações vindouras», como os próprios fazem questão de frisar e acrescentamos nós, que constitua também um exemplo no Algarve no retorno à paisagem algarvia.

Fonte: www.terraruiva.pt

O artigo foi publicado originalmente em Gazeta Rural.

Comente este artigo
Anterior Avança ligação entre albufeiras do Roxo e do Monte da Rocha
Próximo Linha Capitalizar - Covid-19

Artigos relacionados

Comunicados

Regantes alertam para as consequências da seca na economia rural

A FENAREG alerta que este ano haverá fortes restrições em quase todas as obras de rega, a maioria não terá água. […]

Nacional

Das doenças das plantas à Covid-19. Universidade de Évora adapta laboratório para fazer testes ao novo coronavírus

Este especialista em Química e Ciências do Património, também diretor do Laboratório HERCULES, revela que, “dentro de duas semanas”, vai chegar “um extrator automático, […]

Últimas

Os amigos do ambiente gostam de passear no campo ou nas redes sociais? – José Maria Vieira Martins

Não devemos tomar decisões com base em fundamentalismos vindos das redes sociais e na desinformação acerca do mundo rural, pois há alternativas, […]