Avança ligação entre albufeiras do Roxo e do Monte da Rocha

Avança ligação entre albufeiras do Roxo e do Monte da Rocha

No quadro do Empreendimento de Fins Múltiplos de Alqueva, vai avançar a ligação entre as albufeiras do Roxo (Aljustrel) e do Monte da Rocha (Ourique). A Associação de Regantes e Beneficiários de Campilhas e Alto Sado espera que no final de 2020 o projeto de execução e o estudo de impacto ambiental esteja concluído, podendo em 2021 iniciar-se a tramitação de candidatura no âmbito do Plano Nacional de Regadios e de contratação pública para lançar a obra.

Texto: Carlos Lopes Pereira
Foto: José Ferrolho


A ligação entre a albufeira do Roxo, no concelho de Aljustrel, e a do Monte da Rocha, no concelho de Ourique, vai avançar, no quadro do Empreendimento de Fins Múltiplos de Alqueva (EFMA). Mas a conclusão da obra não é imediata: “Apesar de algum atraso resultante da revisão do Plano Diretor Municipal (PDM) do município de Ourique, que levou a alguns ajustes no projeto inicialmente delineado, temos a esperança de que no final do presente ano o projeto de execução e o estudo de impacto ambiental esteja concluído, podendo em 2021 iniciar- se a tramitação de candidatura no âmbito do Plano Nacional de Regadios e de contratação pública para lançar a obra”, disse ao “Diário do Alentejo” Ilídio Martins, diretor adjunto da Associação de Regantes e Beneficiários de Campilhas e Alto Sado (Arbcas), com sede em Alvalade do Sado, no concelho de Santiago do Cacém. E salientou que a Arbcas tem acompanhado e colaborado com a Empresa de Desenvolvimento e Infra-estruturas do Alqueva (EDIA) nas definições gerais deste projeto.


A notícia surgiu na semana passada, através de um comunicado do deputado Pedro do Carmo, eleito do Partido Socialista pelo distrito de Beja e presidente da Comissão Parlamentar de Agricultura e Mar, considerando que “a ligação da barragem do Roxo à barragem do Monte da Rocha é um impulso decisivo de subsistência e de desenvolvimento para os territórios do sul do Baixo Alentejo, por gerar novas oportunidades agroalimentares, por assegurar renovadas condições de armazenamento de água para abastecimento e por induzir um conjunto de dinâmicas positivas no território”. Sobre a ligação entre o Roxo e o Monte da Rocha, Pedro do Carmo não dá pormenores de calendarização ou custos, apenas diz que “vai ser uma realidade” e que “há vontade política, não há obstáculos processuais, existem recursos financeiros para alargar o perímetro de rega do Alqueva, faça-se a obra”. Para a Arbcas, esta ligação, “mais do que importante, é vital para a sobrevivência humana e a sustentabilidade territorial do Baixo Alentejo”. Mais do que agricultura de regadio, que garante a fixação de pessoas e riqueza numa região com poucas alternativas, “a água no Monte da Rocha assegura a disponibilização de um recurso cada vez mais escasso para todos os que aqui querem residir e a esperança no futuro”.


“GANHA OURIQUE, GANHA A REGIÃO”


O presidente da Câmara Municipal de Ourique, Marcelo Guerreiro, também se regozijou com a notícia do avanço da obra. “A ligação da barragem do Roxo à barragem do Monte da Rocha em Ourique é uma infraestrutura decisiva para o nosso futuro comunitário porque assegura um adequado nível de armazenamento de água para abastecimento humanos e para as atividades económicas; garante as condições para a sustentação das atividades agroalimentares e económicas tradicionais no nosso mundo rural; e potencia as condições para o desenvolvimento de novos projetos agroalimentares e turísticos”, afirma o autarca. Lembrando que “há muito” se tem batido pela obra e que o município de Ourique tem defendido este investimento estruturante para o concelho e para o sul do Baixo Alentejo, revela: “Superados alguns obstáculos que estavam colocados no caminho da concretização do alargamento do perímetro de rega de Alqueva a Ourique, por via da ligação do Roxo ao Monte da Rocha, em função dos dados e dos contactos que temos mantido com a EDIA, estamos em condições de concretizar o projeto. Importa agora encetar o processo de concretização do projeto, com a configuração adotada, a bem de Ourique e dos ouriquenses. Será uma obra estruturante que garantirá sustentabilidade no abastecimento de água e poderá gerar novas oportunidades de valorização do potencial agrícola do nosso mundo rural. Ganha Ourique, ganha a região”. Segundo o autarca, “com financiamento comunitário assegurado e com a necessidade que existe de reforçar a execução dos fundos europeus, a expetativa é que se acelere a concretização do projeto. Em tempos apontava-se a sua concretização para 2021; superados os obstáculos, com o senso que coloca um equilíbrio entre as necessidades das pessoas e os valores ambientais, é avançar”. “Ano após ano, sentimos crescentes dificuldades de armazenamento de água, para consumo humano, animal e agrícola. Havendo condições para concretizar uma solução é fazer a obra. Bem sabemos que o período que atravessamos é de emergência de saúde pública, mas importa prosseguir com respostas para outros pressupostos do bem- -estar e da qualidade de vida, como a água”, concluiu.


MONTE DA ROCHA ABASTECE HOJE CONCELHOS DE OURIQUE, CASTRO VERDE, ALMODÔVAR E ODEMIRA


A barragem do Monte da Rocha, inaugurada em 1972, inicialmente apenas tinha como função o regadio e o controlo das cheias. Com uma capacidade máxima de 102.500.000 metros cúbicos (m3), serve uma área beneficiada (equipada para rega) de 3700 hectares (ha), sendo a rede de rega composta por 270 quilómetros de canais e condutas. Hoje, para regar cerca de 1600 ha de olival, 1500 ha de milho, 200 ha de arroz, 220 ha de tomate e 100 ha de outras culturas, são necessários cerca de 22.000.000 m3/ano, que nem sempre têm estado disponíveis. Segundo o diretor executivo da Arbcas, Ilídio Martins, “felizmente, em 2016 foi inaugurada a ligação a Alqueva de Roxo-Alto Sado que permite abastecer cerca de 2500 ha de área antes apenas servida pela albufeira do Monte da Rocha, o que tem permitido minimizar a seca nesta parte dos aproveitamentos hidroagrícolas por nós geridos”. Em 1992 foi inaugurado o abastecimento público ao concelho de Castro Verde. Nessa altura apenas foram utilizados 86.300 m3, o que representa apenas 0,09 por cento da sua capacidade máxima. Hoje o abastecimento público estende-se aos concelhos de Ourique, Castro Verde, Almodôvar e Odemira.

O artigo foi publicado originalmente em Diário do Alentejo.

Comente este artigo
Anterior Foi suspenso processo eleitoral na Casa do Douro
Próximo Em Messines foi plantado um dos maiores amendoais do Algarve

Artigos relacionados

Comunicados

Ministério da Agricultura reuniu com autarcas dos concelhos afetados pelas intempéries de 31 de maio

A Ministra da Agricultura, Maria do Céu Albuquerque, e o Secretário de Estado da Agricultura e do Desenvolvimento Rural, Nuno Russo, reuniram […]

Nacional

Adubação foliar incrementa produtividade das pastagens brasileiras

Como já é sabido, a maior parte da carne bovina consumida no Brasil tem origem em animais criados em sistema de pastejo, […]