Elisa Ferreira vai vender ações da Sonae ainda hoje

Elisa Ferreira vai vender ações da Sonae ainda hoje

A comissária europeia indigitada Elisa Ferreira decidiu “dar ordem de venda” às ações que detém no grupo Sonae, após as questões levantadas pela comissão de Assuntos Jurídicos do Parlamento Europeu quanto a um eventual conflito de interesses. Em causa deverão esta 15 mil ações da retalhista, avaliadas em 12.750 euros, segundo cálculos do ECO.

“Perante questões levantadas sobre a detenção de ações da Sonae SGPS, a comissária indigitada decidiu hoje [quinta-feira] dar ordem de venda, o que deverá ser concretizado durante o dia”, indicou a equipa de Elisa Ferreira, em comunicado enviado à agência Lusa.

A comissão de Assuntos Jurídicos do Parlamento Europeu levantou questões sobre Elisa Ferreira, por a anterior vice-governadora do Banco de Portugal deter ações no grupo Sonae, pedindo esclarecimentos adicionais à comissária indigitada por Portugal.

A comissão parlamentar não encontrou, contudo, um conflito de interesses entre a pasta que a comissária designada por Portugal irá tutelar — a da Coesão e Reformas — e o cargo ocupado pelo marido, Fernando Freire de Sousa, que é presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte (CCDR-N), uma entidade responsável pela aplicação de fundos comunitários.

Na nota enviada à Lusa, a equipa da política portuense indica que Elisa Ferreira, “consciente da existência de uma proximidade operacional entre o pelouro para o qual foi indicada pela presidente eleita da Comissão e o cargo exercido em Portugal pelo seu marido, funcionário público”, solicitou “aconselhamento aos serviços da Comissão Europeia sobre a matéria e sobre possíveis medidas adequadas”, uma informação que já tinha sido avançada hoje pela porta-voz do executivo comunitário, Mina Andreeva.

“A comissária indigitada está totalmente consciente das regras estritas sobre conflitos de interesses existentes para os membros do Colégio de Comissários e do Regulamento Financeiro da União Europeia, as quais encara com a maior seriedade”, sublinha.

O comunicado recorda que, em todos os cargos públicos desempenhados ao longo da sua carreira”, Elisa Ferreira pautou “sempre a sua ação pelo respeito dos mais elevados padrões éticos e deontológicos e tenciona aplicar os mesmos princípios no desempenho do cargo para o qual foi indigitada na Comissão Europeia”.

O artigo foi publicado originalmente em ECO - fundos comunitários.

Comente este artigo
Anterior 12.750 euros em ações da Sonae separam Elisa Ferreira da Comissão. Futura comissária vai vender os títulos
Próximo Carne de vaca em Coimbra: Carta ao Ministro da Agricultura - Henrique Silvestre

Artigos relacionados

Nacional

Previsão da temporada de mirtilo em 2020

A Argentina iniciou sua campanha de exportação de mirtilo em 2020. Este ano, o país sul-americano continuará focado em preservar a qualidade e garantir a doçura que faz com que suas […]

Últimas

O papel do Portugal 2020 na promoção da competitividade nacional

Portugal 2020 tem vindo a demarcar-se dos anteriores quadros comunitários ao privilegiar a concretização efectiva de resultados ao nível da criação de emprego, […]

Últimas

Associação das vítimas de Pedrógão critica programa do Governo para o interior: “Atrai-se as pessoas e depois elas vivem de quê?”

A presidente da Associação de Vítimas do Incêndio de Pedrógão Grande (AVIPG) está muito cética em relação à linha de financiamento que o Governo vai criar para apoiar quem quiser ir viver para o interior do País. […]