Élio Ventura, Diretor Regional da Agricultura dos Açores

Élio Ventura, Diretor Regional da Agricultura dos Açores

[Fonte: Voz do Campo]

Uma população agrícola das mais jovens do país. 16% dos agricultores açorianos têm menos de 40 anos

Institucionalmente como se caracteriza a Direção Regional da Agricultura dos Açores? Qual a sua missão?
A Direção Regional da Agricultura (DRAg) é o departamento da Secretaria Regional da Agricultura e Florestas a quem compete contribuir para a definição de políticas públicas na área agrícola e pecuária. Além de realizar, anualmente, ações de formação, sensibilização e estudos científicos, a DRAg zela pela fiscalização, promoção e melhoria da qualidade da produção agrícola açoriana, pelo fomento da diversificação agrícola, agricultura biológica, sanidade animal e vegetal, bem como pela higiene pública veterinária. Esta entidade é ainda responsável pelo Laboratório Regional de Veterinária, Laboratório Regional de Sanidade Vegetal e Laboratório Regional de Enologia.

Como estão organizados os serviços, dada a dispersão das Ilhas?
A DRAg está sedeada na ilha Terceira. No entanto em todas as ilhas existem Serviços de Desenvolvimento Agrário, o que permite operacionalizar as políticas públicas em matéria de agricultura. Relativamente aos três laboratórios regionais, o de Veterinária está sediado na ilha Terceira, o de Enologia na ilha do Pico e o de Sanidade Vegetal na ilha de São Miguel.

Como se caracteriza o setor agrícola do Arquipélago dos Açores (em termos de culturas, áreas e dos próprios produtores)?
A atividade agrícola é o setor mais relevante da economia açoriana, o qual assume um papel determinante para o rendimento da população e continua a ser o principal pilar da economia regional, alcançando particular importância ao nível do emprego, coesão social, salvaguarda ambiental, criação de riqueza e melhoria das condições de vida.
As suas atividades primárias, representam cerca de 9% do PIB da Região e integram 13% da população ativa.
A produção agrícola está fortemente alicerçada na produção pecuária, particularmente na produção de leite.
Os Açores produzem 33% do leite nacional e cerca de 50% do queijo. Os produtos lácteos produzidos na Região representam mais de 300 milhões de euros anuais.
Ao nível da produção de carne, os Açores suplantam o seu grau de autoaprovisionamento em carne de bovino, expedindo uma parte significativa das carcaças abatidas e aprovadas para consumo.
A exportação de carne de bovino cresceu 10% nos últimos 2 anos.
De destacar, ainda, que a área da diversificação agrícola, dedicadas à produção de hortícolas, fruta e flores, cresceu mais 25%, pretendendo-se produzir essencialmente para o mercado local em condições de sustentabilidade. Relativamente à área de produção de próteas exporta-se, anualmente, para o mercado mundial mais de 2 milhões de hastes, que rendem cerca de 1 milhão de euros.
Entretanto prosseguem os investimentos na modernização das explorações agrícolas e da agroindústria, tendo sido aprovados 314 projetos num investimento de 36,9 milhões de euros. Alguns destes investimentos permitiram que mais 88 jovens agricultores iniciassem a sua atividade.

Face às preocupações dos consumidores com a saúde e segurança alimentar, tem havido preocupação dos produtores alterarem os modos de produção? Por exemplo a Agricultura Biológica, tem alguma expressão?
A produção biológica é assumida na Região como uma oportunidade estratégica para a agricultura, que acrescenta valor ao produto, regista um contínuo aumento da sua procura e faz uso de práticas respeitadoras do ambiente e da saúde.
Pretende-se promover a divulgação, o desenvolvimento e a consolidação do modo de produção biológica, estreitando a cooperação entre a ciência e a atividade agrícola e fomentando a inovação nesta área, ao mesmo tempo que se preenche o défice na oferta destes produtos.
Com este objetivo, o ano passado foi apresentado o Plano Estratégico para o Desenvolvimento da Agricultura Biológica.
Devo dizer ainda que já existem nas ilhas Terceira e de São Miguel projetos na área da produção de leite biológico, cujo preço pago ao produtor será melhor do que o praticado em modo de produção convencional.

Qual ou quais os setores com maior peso?
O setor com mais peso na economia regional é claramente o do leite, seguindo-se o da carne de bovino.
Na área da diversificação incluímos as produções de menor dimensão, como a horticultura, a fruticultura, a floricultura, a viticultura e a apicultura. As primeiras duas destinam-se essencialmente ao abastecimento do mercado local, enquanto as restantes três já têm uma forte componente de exportação.

Para ler na íntegra na Voz do Campo n.º 225 (abril 2019)

Comente este artigo

O artigo Élio Ventura, Diretor Regional da Agricultura dos Açores foi publicado originalmente em Voz do Campo.

Anterior 24H Agricultura Syngenta: estudantes de agronomia voltam a competir
Próximo FENAPECUÁRIA defende que os Agricultores devem ser apoiados pelo seu contributo ambiental

Artigos relacionados

Nacional

Maior parte das verbas para prevenção de fogos foram para os bombeiros

Cerca de 70% das verbas alocadas à “redução de incêndios florestais” foi canalizada para a compra de veículos de combate e para obras nos quartéis de bombeiros. […]

Últimas

Continente investe 800 M€ na produção nacional

[Fonte: Vida Rural]

O Continente anunciou esta semana um reforço da sua aposta na produção nacional ao incluir 60 produtores locais no 3º […]

Dossiers

Capoulas promete apoio a agricultores para acesso a água

[Fonte: Jornal de Negócios]
O ministro da Agricultura afasta a existência de uma situação dramática em consequência da seca, […]