Ébola das Oliveiras –  Rafael Martins Morais

Ébola das Oliveiras – Rafael Martins Morais

“Ébola das Oliveiras” chega a Espanha, e deixa agricultores e as autoridades alarmadas. Esta bactéria propaga-se rapidamente e destrói culturas inteiras. As notícias que nos chegam do país vizinho, estão a deixar os produtores de azeite em “estado de alerta”, pois essa mesma bactéria é de rápida propagação, que dízima as oliveiras e outras árvores de fruto.Essa bactéria xylella fastidiosa, foi detectada em 2013 no sul de Itália em apenas 4 anos dizimou culturas inteiras, essa mesma ganhou a alcunha de “Ébola das oliveiras “ .

Os agricultores italianos dizem não saber o que fazer.

No ano passado, em Outubro chegou a ilha espanhola de Maiorca. Embora as autoridades, espanholas tenham garantido aos agricultores, que estava tudo controlado, e que as árvores infectadas estavam isoladas, foram surgindo novos focos da doença em várias cidades e ilhas espanholas.

Segundo o “ El Confidencial”, a xylella fastidiosa “ataca” com grande propagação nefasta o café e as árvores como a oliveira, a amendoeira, a videira, a ameixoeira, o pessegueiro, a laranjeira e o limoeiro. Quando uma árvore é infectada, a bactéria impede a circulação da seiva :as folhas murcham; os galhos secam e a planta acaba por morrer asfixiada.

Como produtores devemos, estar atentos a estes fenómenos, embora ainda não exista cura para essa doença, devemos prevenir com podas sanitárias, e desinfecção dos galhos intervencionado, o ideal seria fazer uma aplicação de oxicloreto de cobre 3 vezes, já testado em Nogueiras, que apresentaram este sintoma.

 

Rafael Martins Morais

Jovem Agricultor/ Gestor Quinta do Val Mon Paz

 

 

Comente este artigo
Anterior Mais de 128.000 hectares ardidos, maior área da última década em período homólogo
Próximo Marché foncier Tous les prix 2016 des terres agricoles dans les Pays de la Loire

Artigos relacionados

Opinião

Os desafios das Perdas Pós-Colheita (PPC), o seu impacto na economia, no ambiente e na saúde e possíveis soluções para a sua mitigação – Willy Gabriel Mbouken II

O desperdício de alimentos em cada ano devido a Perdas Pós-Colheita (PPC) é suficiente para alimentar o total de pessoas desnutridas a nível global. Cerca de 870 milhões de pessoas sofrem de desnutrição crónica, sendo que 27% destas estão em África. Este problema é agravado pelo aumento da população mundial, […]

Opinião

Com a Seca prolongada e os Incêndios, o ano de 2017 trouxe-nos do pior que nos poderia ter acontecido na agricultura, na floresta e no mundo rural. Na vida! – João Dinis

A nível Governamental e do Ministério da Agricultura em especial, mas também na maioria das Autarquias dos Municípios afectados, a tragédia e o desastre sofridos, sobretudo com os Incêndios Florestais/Rurais do ano passado, não foram nem ainda estão a ser considerados ao nível da violência sem precedentes que atingiram e das consequências brutais e prolongadas que desencadearam ! […]

Opinião

O Valor económico da Marca – Pedro Pimentel

A volatilidade e a competitividade dos mercados hoje exige, mais do que nunca, um reforço na discussão pública sobre o contributo das Marcas na economia nacional e sobre a forma como estas trazem valor acrescentado às nossas empresas e ao nosso país.
As marcas representam selos de qualidade e reputação e Portugal tem tido exemplos vários de setores cujas marcas ou produtos se traduzem em valor acrescentado para a economia e para a sociedade. […]