“É melhor que agrião”. Estudante quer trazer as azedas de volta à gastronomia

“É melhor que agrião”. Estudante quer trazer as azedas de volta à gastronomia

Em tempos idos de fome, foi alimento. Hoje, mais não é do que uma recordação dos habitantes de Ramela, concelho da Guarda, que comiam azedas em sopas e saladas. Mas há uma estudante do Instituto Politécnico da Guarda (IPG) que quer reintroduzir o produto vegetal na dieta alimentar.

As azedas são uma planta selvagem autóctone comummente encontrada na Península Ibérica. Em Portugal há 701 registos desta planta, que nasce espontaneamente em muros e fissuras de rocha, como explica à Renascença Armanda Tiago, 69 anos, habitante da freguesia de Ramela, na Guarda.

“É uma erva, gostávamos delas, apanhávamos e comíamos. Tem folhas pequenina, amargas um bocadinho, mas não muito, tenrinhas e boas”, conta, admitindo que não come azedas há já muito tempo. “Só comia antigamente, quando havia muita fome, éramos muitos irmãos… Agora não.”

Eram muitos os irmãos de Armanda e era um deles, Lídia Costa, hoje com 75 anos, quem cozinhava a sopa de azedas para a família. “Partia-se bem partidinho, como se fosse uma couve. Dantes comíamos tudo, fazíamos a sopa assim, é melhor que agrião”, garante.

Da sopa de azedas de Lídia chegamos agora ao projeto académico de Joana Sá Rodrigues, que aos 23 anos quer cultivar e comercializar as azedas.

“Pretendo cultivar numa zona reservada, protegida, para potenciar e valorizar as azedas em duas vertentes”, explica à Renascença.

Uma das vertentes é a tradicional, gastronómica, usando a planta em saladas e sopas. A segunda surgiu a Joana já durante a sua investigação. “Recentemente percebi o seu potencial ao nível da saúde, ou seja, como pode ser usada para desenvolver nutracêuticos que ajudem a combater doenças crónicas, visto que tem um elevado potencial antioxidante”, explica.

Joana já está a desenvolver parcerias com colegas de outras áreas, como a biologia, de modo a ter um projeto mais abrangente. E apesar de ainda estar em curso, o “Rumex Induratus: the discovery for new village” já foi selecionado como finalista no concurso Born From Knowledge (BfK), que premeia as melhores ideias de negócio nascidas em instituições de Ensino Superior portuguesas.

“Dia 10 de outubro é a fase final, quando vamos apresentar o nosso projeto a um júri estrangeiro”, adianta Joana Sá Rodrigues, que sonha ver as azedas servidas na cantina do IPG e que, até lá, vai provando as que encontra à mão de semear em Ramela.

O projeto está a ser orientado por Rute Abreu, docente do Politécnico da Guarda há 32 anos, que à Renascença diz depositar total confiança na ideia da sua aluna.

“Este projeto comporta um recurso pouco explorado mas com grande potencial ‘gourmet’, em que este produto natural tem propriedades antioxidantes fora do vulgar e que se está a perder, pelas práticas modernas de abandono de agricultura”, ressalta a professora. “Além disso, a Joana pode desenvolver este projeto dentro da sua própria região.”

O artigo foi publicado originalmente em Rádio Renascença.

Comente este artigo
Anterior O vinho português que provocou lágrimas no The Wine Show
Próximo Queimada florestal para preparação de terras de cultivo provoca incêndio de grandes proporções

Artigos relacionados

Últimas

Nem só de uva se faz vinho. Agricultor da Guarda cria néctares a partir de amoras e framboesas

Segundo Pedro Pinheiro, a “aventura” começou em 2017, após verificar que algumas das amoras que produz em estufas, que tinha deixado esquecidas num balde, […]

Últimas

Barragens alentejanas voltam a recuperar níveis de armazenamento em Janeiro. Lucefecit já superou os 50% de armazenamento

No final do mês de janeiro, as bacias hidrográficas do Alentejo registaram um aumento no volume armazenado, segundo dados do SNIRH- Sistema […]

Últimas

Oferta de emprego – Operador de Máquinas Agrícolas – Azambuja

Operador de máquinas agrícolas relacionadas com a cultura do tomate de indústria […]