Durão Barroso considera “difícil” cumprir o Pacto ecológico europeu

Durão Barroso considera “difícil” cumprir o Pacto ecológico europeu

Durão Barroso deixou esta sexta-feira, em declarações à Renascença, um alerta para Bruxelas sobre o Pacto ecológico europeu. O ex-presidente da Comissão Europeia e primeiro-ministro português considera que a União Europeia (UE) vai estar na vanguarda deste movimento e mostrou-se favorável ao pacto apresentado para o combate às alterações climáticas no novo modelo de crescimento económico do continente. Porém, avisa que é preciso ter em conta a competitividade das empresas, porque se tiverem “de aplicar estas políticas e os outros países não o fazem, então há um problema de competição”.

Numa entrevista realizada em Cascais, à margem do Encontro Anual do Conselho da Diáspora Portuguesa, Durão Barroso reconhece que o pacto tem metas muito ambiciosas e é preciso chamar os grandes poluidores a seguirem os mesmos passos. “Os Estados Unidos e a China são nesta altura os maiores poluidores. Mesmo que a Europa, por hipótese, tivesse hoje emissões zero, isso não resolvia o problema das alterações climáticas”, ressalva.

Há cinco anos, quando era presidente da Comissão Europeia, Durão Barroso conseguiu ver aprovado o pacote energético e climático da UE até 2030, que contemplava metas vinculativas a nível de redução das emissões de gases com efeitos de estufa e a incorporação de energias renováveis. No entanto, os objetivos eram apenas indicativos quanto ao aumento da eficiência energética.

Agora que a comissão estabeleceu este pacto ecológico, Durão Barroso avisa que as ideias têm de ser muito bem explicadas e acompanhadas de medidas adicionais, caso contrário os “setores tradicionais”, como os trabalhadores do sector da indústria ou mesmo da agricultura, “podem revoltar-se”.

“Foi isso que aconteceu em França com o movimento dos coletes amarelos”, exemplificou. Barroso diz que o Governo de Paris decidiu aumentar o preço dos combustíveis por uma boa razão, para desenvolver alternativas, mas que as pessoas, “sobretudo da província, não aceitaram porque se sentiram discriminadas”.

O artigo foi publicado originalmente em Rádio Renascença.

Comente este artigo
Anterior Mau tempo: Subida do rio Douro inunda zona histórica de Peso da Régua. Comerciantes retiram bens das lojas
Próximo Aberto mercado para exportação de Batata-doce portuguesa para o Egito

Artigos relacionados

Sugeridas

Agricultura perdeu cem mil mulheres desde chegada da troika

[Fonte: Diário de Notícias]
Mecanização de trabalhos agrícolas é a razão do abandono. Em seis anos desapareceu metade da força de trabalho feminina
A crise deu à agricultura um estatuto de boa alternativa de vida para os desempregados. […]

Nacional

Incêndios. Já foram “instaladas” mais de um milhão de árvores no Pinhal de Leiria

Foram reflorestados 1.093 hectares do Pinhal do Rei com mais de 20 espécies florestais,” sendo das mais utilizadas o pinheiro bravo, […]

Sugeridas

Grupo Vila Galé investe 3,5 milhões de euros em lagar no Alentejo para produzir os seus azeites

A empresa Casa Santa Vitória, do grupo Vila Galé, inaugurou hoje um lagar para produzir os seus próprios azeites, no concelho de Beja, […]