Doenças | UE altera estratégia contra Xylella fastidiosa

Doenças | UE altera estratégia contra Xylella fastidiosa

A Comissão Europeia abriu uma consulta pública sobre novas medidas para impedir a introdução e a propagação de Xylella fastidiosa. O novo documento, que substituirá a Decisão da UE 2015/789, reduz a área de erradicação e isso, inevitavelmente, reduz a área em que é obrigatório o arranque das árvores.

De acordo com o novo documento, cujo rascunho esteve disponível para consulta pública até ao dia 7 de julho, em cada área demarcada apenas será obrigatório arrancar as árvores infetadas por Xylella fastidiosa (Xf), havendo a possibilidade de replantar variedades sensíveis à Xf multiplex que não obtiveram resultados positivos em pelo menos dois anos, como por exemplo oliveiras e cerejeiras (exceto em territórios com planos de contenção).

As alterações à legislação em vigor permitem também o uso da madeira desenraizada e a remoção de uma área demarcada após quatro anos sem sinais da presença de Xf (atualmente são cinco anos) e proíbem a saída de espécies hospedeiras da bactéria.

Estas medidas deverão entrar em vigor até ao final agosto.

Mais informação na revista Phytoma.

O artigo foi publicado originalmente em CiB - Centro de Informação de Biotecnologia.

Comente este artigo
Anterior Poderão os incentivos de base territorial ajudar a ultrapassar a crise da Covid-19? Sim, claro! – Vânia Rosa
Próximo Cotações – Azeite – Informação Semanal – 29 Junho a 5 Julho 2020

Artigos relacionados

Nacional

Cidadãos prometem lutar pela defesa do Centro de Experimentação Agrária de Tavira

O movimento de cidadãos, que conta com cerca de 30 membros de vários pontos do país, pretende alertar a opinião pública para uma estrutura de […]

Sugeridas

Em 2018, 65% da superfície do Continente era ocupada por área florestal e agrícola

Em 2018, quase dois terços (65%) da superfície do Continente era ocupada por área florestal e agrícola, registando as regiões Centro e Norte as […]

Nacional

Javalis à porta de Lisboa? “Eram porcos vietnamitas”

O presidente do Instituto da Conservação da Natureza e Florestas (ICNF), Nuno Banza, esclarece que os animais avistados às portas de Lisboa não eram javalis. […]