Distribuição: Esperar o melhor, preparar-se para o pior – José Rousseau

Distribuição: Esperar o melhor, preparar-se para o pior – José Rousseau

Mais um “cisne negro” abriu as suas asas sobre a humanidade, afetando e infetando, tudo e todos. Mais um acontecimento, súbito e inesperado, a gerar brutais consequências negativas nas pessoas, nas empresas, na economia e na sociedade em geral. Embora, com o seu epicentro numa região da China, o certo é que esta pandemia designada por Covid-19, alastra por todo o mundo como fogo em palha seca, não distinguindo género, raça, idade, nacionalidade ou posição social.

Em pouco mais de três meses, e quanto ao seu impacto na economia e no consumo, os seus efeitos já se consideram devastadores. Pelo lado da oferta assistimos, em quase todos os países, ao encerramento e/ou quebra de produção nas fábricas, à redução da oferta e paralisação de muitas cadeias de abastecimento, à quebra nas exportações e importações e, muito provavelmente, a um aumento generalizado dos preços. Por sua vez, pelo lado da procura, assistimos a uma perceção de medo, ou mesmo pânico, por parte dos consumidores, a reduções nos rendimentos das famílias, a fortes quebras em áreas de atividade importantes como o turismo, a cortes no investimento e mesmo possíveis falências de muitas micro e pequenas empresas, às quedas das bolsas e, naturalmente, a fortes contrações no consumo com exceção dos produtos de primeira necessidade, nos quais e por força das circunstâncias e da falta de confiança das populações, se assiste a situações de procura excessiva e até açambarcamento.

Na verdade, um dos efeitos perversos desta crise de saúde pública, verifica-se no aumento das vendas das empresas retalhistas de produtos alimentares, quer quer e das empresas retalhistas farmacêuticas e de produtos de saúde, por naturais e óbvias razões.

As incríveis situações a que temos assistido, de corrida aos supermercados, de roturas nos lineares e açambarcamento de certos produtos, são totalmente despropositadas, absurdas e desnecessárias, pois não está em causa a falta de abastecimento de quaisquer produtos alimentares ou não alimentares.

As empresas de distribuição trabalham hoje com cadeias de reaprovisionamento inteligentes que reportam automática e diariamente os produtos em falta pelo que, se e quando existam ruturas de estas serão apenas momentâneas e circunscritas a alguns produtos. Infelizmente, o problema é outro e de maior gravidade, uma vez que esta luta, que hoje travamos não é pelo nosso consumo, mas sim pela nossa vida e contra a nossa morte.

No nosso país e como forma de prevenção, por determinação do Ministério da Economia e da Transição Digital e do Ministério da Agricultura, foi criado um Grupo de acompanhamento e avaliação da evolução da cadeia de abastecimento nos sectores agroalimentar e do retalho, que terá como objetivo antecipar situações de perturbação no abastecimento regular ou comportamentos individuais desproporcionados, face às necessidades efetivas dos cidadãos, e delinear, em caso de necessidade, medidas preventivas ou corretivas para manter as normais condições de abastecimento.

Aliás, as empresas retalhistas e os centros comerciais já estão a condicionar o acesso dos clientes aos seus espaços e algumas, até estão já, a anunciar o encerramento de algumas das suas lojas por tempo indeterminado. Esperemos que as pessoas sejam responsáveis, individual e coletivamente, durante todo o tempo que durar esta crise, de modo a podermos superá-la, com as menores baixas e danos económicos possíveis, para cidadãos e países.

E, como em tudo na vida, também nas atuais circunstâncias, deveremos todos nós esperar o melhor, mas… estarmos preparados para o pior. E, que assim seja.

José António Rousseau é consultor e investigador da UNIDCOM/IADE/IPAM

O artigo foi publicado originalmente em Dinheiro Vivo.

Comente este artigo
Anterior Planas celebra la decisión de la Comisión Europea de ampliar hasta el 15 de junio el plazo de presentación de la PAC
Próximo Arcadia International adere ao Agroportal com nova página dossier "Segurança e qualidade"

Artigos relacionados

Nacional

Governo lança linha de crédito superior a 300 milhões de euros para investimentos agrícolas

A ministra da Agricultura apresentou esta terça-feira, em Lisboa, uma linha de crédito superior a 300 milhões de euros, lançada em parceria com o Banco Europeu de Investimento (BEI), […]

Nacional

Tribunal dá luz verde a mais 15 helicópteros nos fogos por “defesa da vida”

Concurso de aluguer de 15 helicópteros para combate a incêndios foi impugnado pela empresa Babcock

Está quase completa a frota de meios aéreos previstos para o combate a incêndios florestais neste Verão. […]

Nacional

Tratar o Pedrado da Macieira só quando o risco aumentar

Na circular n.º2 de 2019 a Estação de Avisos de Entre Douro e Minho alerta que ainda não é altura de fazer tratamentos em relação ao Pedrado da Macieira (Venturia inaequalis), […]