Director Geral do FSC Internacional abordou os desafios dos tempos que vivemos

Director Geral do FSC Internacional abordou os desafios dos tempos que vivemos

Como muitas organizações em todo o mundo, o FSC Internacional realizou a sua primeira reunião virtual há alguns dias (…) Somos gratos pelos avanços tecnológicos que possibilitam este tipo de reunião, e embora tenhamos o privilégio de poder continuar o nosso trabalho de forma remota, compartilhamos os sentimentos de cepticismo com a perda de normalidade, de conexão e perda de certeza.

(…) Quando sairmos das nossas casas novamente, o mundo será diferente em alguns aspectos. Mas entraremos juntos nesse novo futuro e precisaremos que Cidadãos, Empresas, Sociedade Civil e Governos, trabalhem juntos para enfrentar a tempestade. Só através de uma resposta global e colaborativa encontraremos as soluções para derrotar esta pandemia”.

Foi desta forma que Kim Carstensen, Director Geral do FSC Internacional, se dirigiu recentemente em comunicado a todos os Membros e Titulares de Certificado, sobre os desafios dos tempos que vivemos.

No FSC Portugal, partilhamos destas incertezas, das dúvidas que estes tempos conturbados trouxeram, mas reconhecemos que muitos destes desafios já nos estavam a ser colocados antes da pandemia.

A floresta presta os chamados serviços de ecossistemas, contribuindo para a conservação da biodiversidade e o sequestro de carbono, mas carece de uma gestão florestal responsável. O sector produz bens essenciais, como produtos de protecção hospitalar, papel higiénico, paletes de transporte e embalagens, mas é necessário ter a garantia de que a exploração desses produtos não compromete valores ambientais e sociais.

Esta pandemia aumentou a consciencialização sobre os perigos da desflorestação e do comércio ilegal de animais selvagens. Quando as florestas são destruídas, há um aumento no risco de disseminação de vírus zoonóticos, vírus transmitidos de animais para pessoas.

A génese do FSC® teve por base desafios semelhantes. Há 25 anos, preocupações associadas à desflorestação e à exclusão social, e a necessidade de encontrar um equilíbrio entre sociedade, economia e ambiente, levaram à criação do Forest Stewardship Council®. Desde então, a nossa missão é promover uma gestão florestal ambientalmente adequada, economicamente viável e socialmente benéfica.

Acreditamos que Organizações que já assumem um compromisso com a sustentabilidade e que contribuem para um consumo mais consciente e responsável, estão mais preparadas para enfrentar desafios como os que vivemos actualmente. Acreditamos na nossa rede de Associados e Parceiros, e que juntos, poderemos encontrar soluções para problemas globais.

Este é o tipo de abordagem e união que o mundo precisa neste momento, e por isso o FSC Portugal lança agora uma nova campanha de comunicação intitulada “Construindo vida com o FSC®”, onde queremos dar a conhecer quem já partilha da nossa visão e de quem, no seu dia-a-dia, contribui para “satisfazer as necessidades da presente geração, sem comprometer as gerações futuras”.

Porque em tempo de isolamento, estarmos juntos faz ainda mais sentido!

O conteúdo Director Geral do FSC Internacional abordou os desafios dos tempos que vivemos aparece primeiro em GazetaRural.

O artigo foi publicado originalmente em Gazeta Rural.

Comente este artigo
Anterior Produção de Cereja do Fundão reduzida a menos de metade devido ao mau tempo
Próximo Trabalhadores da apanha da Cereja do Fundão com máscaras reutilizáveis e solidárias

Artigos relacionados

Nacional

Condução do amendoal. INIAV e Torre das Figueiras promovem ensaios conjuntos

Na Sociedade Agrícola da Torre das Figueiras, no concelho de Monforte, impera a diversificação cultural, fruto de um forte investimento realizado nos últimos anos nas mais modernas técnicas de produção. […]

Nacional

Produtores podem receber até 7 mil euros em 3 anos com novo apoio à agricultura familiar

A aquisição de equipamentos de apoio à atividade comercial poderá também receber uma ajuda entre 50% e 80%.

Os produtores agrícolas que operam em circuitos de venda curtos podem receber até 7.488 euros, […]

Últimas

Agricultores do litoral alentejano temem “ano de calamidade” devido à seca

Os agricultores do litoral alentejano dizem que a seca deste ano é uma ”calamidade” por não haver água nas albufeiras de Campilhas e Alto Sado. […]