Dias de Campo TERRAPRO demonstram vantagens da Agricultura de Precisão

Dias de Campo TERRAPRO demonstram vantagens da Agricultura de Precisão

[Fonte: TerraPro] A Agricultura de Precisão está a ajudar os agricultores portugueses a produzir alimentos mais seguros e com menor impacto no meio ambiente, através do uso mais eficiente dos recursos: água, adubos e pesticidas.

Os Dias de Campo da TERRAPRO, realizados no Monte de Santo Isidro (Porto Alto), a 12 de Setembro, e na Herdade da Mingorra (Beja), a 19 Setembro, demonstraram que a tecnologia é acessível e fácil de aplicar em qualquer exploração agrícola.

Pedro Hipolito (Herd Mingorra)_António Grave (Herd Cegonha) e Sónia Garcia (TerraPro)

No evento “Precisamente” foram apresentados casos práticos de agricultura de precisão em culturas anuais (milho, arroz e tomate) e permanentes (amendoal, vinha, olival), com testemunhos dos utilizadores sobre os resultados alcançados nas suas explorações agrícolas.

Para a Herdade da Mingorra a agricultura de precisão é uma forma de aumentar o grau de conhecimento sobre a equação clima-solo-planta, permitindo gerir melhor os recursos. «Usamos mapas de condutividade elétrica do solo, que nos ajudam muito na instalação das culturas, sondas de humidade de solo para interpretar e gerir as regas e mapas NDVI para detetar variações de vigor vegetativo. O cruzamento destes dados é fundamental para que possamos tomar as decisões certas na hora certa», afirmou Pedro Hipólito, diretor-geral da Mingorra, que produz 550 hectares de vinha, olival e amendoal na região de Beja.

«O NDVI e as sondas trazem-nos muita informação para uma maior eficiência de rega e da produção da azeitona», garantiu António Grave Jesus, responsável agronómico no Monte da Cegonha. Com a informação recolhida, a sua equipa consegue sinalizar e corrigir falhas no sistema de rega; diferenciar a estratégia de rega consoante os solos, o tamanho das plantas e o seu consumo real de água, obtendo uma homogeneização gradual do vigor do olival e da produção de azeitona. Nas novas plantações, os mapas de condutividade elétrica são usados para definir setores e turnos de rega do olival, ajustados à variabilidade das características dos solos. Este grupo empresarial produz 1.000 hectares de olival no Alentejo

O Agrupamento de Produtores de Arroz OryPortugal aderiu à Agricultura de Precisão há dois anos, recorrendo às tecnologias da TERRAPRO. «É um programa a 4 anos e o objetivo é conseguir uma produção mais eficiente, utilizar os adubos de uma forma mais amiga do ambiente e no fundo aumentar a rentabilidade das nossas explorações», explica Vasco Borba, presidente do agrupamento. O primeiro passo foi o mapeamento da condutividade elétrica dos solos em 1600 hectares de arrozais no Ribatejo, dados que usaram para definir um plano de análises de terras e posteriores recomendações de adubação. Ao longo do ciclo de desenvolvimento do arroz monitorizam o vigor vegetativo das plantas, através de imagens aéreas NDVI. Este indicador ajuda a localizar com precisão ataques de fungos e carências em nutrientes e, deste modo, permite realizar uma aplicação localizada dos fungicidas e dos fertilizantes. No final da campanha, os mapas de produtividade, georreferenciados, são cruzados com os mapas de NDVI e de condutividade elétrica, gerando um histórico de informação que permitirá atuar de forma mais precisa no ano seguinte.

A empresa Barão e Barão aderiu recentemente à agricultura de precisão, nomeadamente, às sondas de medição da humidade do solo desenvolvidas pela TERRAPRO.António Barão, sócio-gerenteda empresa, garante que «a Agricultura de Precisão será uma prioridade na nossa lavoura a partir do próximo ano, porque estamos convictos de que contribuirá para baixar custos de produção e para o uso mais racional da água». A Barão e Barão produz 160 hectares de milho e tem um efetivo de 1500 bovinos (leite e carne) e 2000 cabras de leite.

A TERRAPRO convidou outras empresas para apresentar tecnologias de agricultura precisão nos dias de campo “Precisamente”. A Lusosem demonstrou os efeitos dos adjuvantes STICMAN e Li700, auxiliares altamente espe­cializados da pulverização, que equilibram o pH das caldas e atuam sobre o tamanho da gota, limitando a deriva e aumentando a aderência dos produtos ao alvo. A New Holland apresentou sistemas de auto-guiamento de tratores e alfaias de aplicação de doses variáveis de adubos e pesticidas, com tecnologia Isobus.

Mais informações: https://www.terra-pro.net/

Vasco Borba (OryPortugal), João Noéme (TerraPro), José Palha (Monte Sto isidro) e Sónia Gracia (TerraPro) no dia campo no Porto Alto
Comente este artigo
Anterior Cotações – Bovinos – Informação Semanal – 16 a 22 Setembro 2019
Próximo Medeiros Vieira no Conselho de Ministros da Agricultura da UE sobre PAC e papel da agricultura no sequestro de carbono

Artigos relacionados

Sugeridas

Avisos Agrícolas: 09 (2019) Vinha, Pomóideas, Mirtilo, Citrinos, Batateira, Melão – Entre Douro e Minho

[Fonte: SNAA] O Serviço de Avisos Agrícolas é um serviço nacional do Ministério da Agricultura e do Mar (MAM) que tem por finalidade emitir avisos agrícolas. […]

Dossiers

7.º Relatório Provisório de Incêndios Rurais: 1 de janeiro a 30 setembro

A base de dados nacional de incêndios rurais regista, no período compreendido […]

Sugeridas

Impact assessment on agri-food supply chain ‘in early 2018’, says Commission

The European Commission will carry out an impact assessment to gather an “exhaustive picture of imbalances in the food supply chain”, […]