Dia Mundial do Solo: O solo, esse grande desconhecido

Dia Mundial do Solo: O solo, esse grande desconhecido

O solo é um dos recursos mais importantes do nosso planeta e, seguramente, um dos mais desconhecidos da opinião pública. O que sabemos sobre o solo? Que serve de suporte à vida das plantas, sejam florestas, selvas, prados ou campos agrícolas? Acreditem que é muito pouco o que sabemos.

Por exemplo, numa colherada de solo saudável há mais organismos vivos do que pessoas no planeta terra. Sabia isto? Certamente que não. Ou que no solo vive a quarta parte de toda a biodiversidade do planeta. Incrível! Ou que a que a cada ano perdem-se 50.000 km2 de solo, ou seja, a superfície de um país como a Costa Rica. Ou que 95% dos nossos alimentos provêm do solo. Podíamos enumerar muitos outros dados sobre o solo que são desconhecidos da grande maioria de nós.

De todos, o dado que mais me surpreendeu e me alarmou, é que são precisos 1.000 anos para gerar apenas um centímetro de solo. Mil anos, para um mísero centímetro! Quer isto dizer que o solo é um recurso não renovável, já que quando se degrada ou se perde não é recuperável à escala humana. Dito de outra forma, num ano podemos perder 16 toneladas de solo fértil e apenas seriamos capazes de gerar uma tonelada. Já imaginaram se por cada pessoa que nascesse morressem 16? Um pequeno desastre.

O Dia Mundial do Solo realça a importância de cuidarmos deste recurso não renovável.

Por tudo isto, a Organização das Nações Unidas decidiu dedicar o dia 5 de Dezembro de cada ano à celebração do Dia Mundial do Solo, para divulgar a importância de manter a qualidade dos solos do nosso planeta e o seu impacto positivo na segurança alimentar, no bom estado dos ecossistemas e no bem-estar da humanidade. Desde 2013 que se celebra o Dia Mundial do Solo, pondo em destaque os principais problemas que afetam os solos férteis, como a erosão, a perda de nutrientes, a contaminação ou perda de solos devido ao amento das áreas urbanas, etc.

A agricultura é uma das atividades humanas que interfere com a saúde dos solos. Alimentar o mundo de forma sustentável é um dos objetivos chave do setor e existem técnicas conhecidas como Boas Práticas Agrícolas que contribuem para que os solos se mantenham sãos e férteis. Algumas das técnicas que ajudam a produzir alimentos cuidando dos nossos solos são:

  • A sementeira direta
  • A mobilização mínima
  • As coberturas vegetais ou enrelvamento
  • As margens multifuncionais
  • A rotação de culturas

Espanha é um dos países líderes nestas técnicas e já contamos com mais de 8% da superfície de culturas extensivas gerida com técnicas de Agricultura de Conservação e mais de 25% das  culturas lenhosas protegidas com enrelvamento na entrelinha. Além disso, a instalação de margens multifuncionais nas parcelas agrícolas cresce a cada ano que passa. Com a celebração do Dia Mundial do Solo, a consciencialização dos agricultores e a ajuda da Política Agrária Comum (PAC), que cada vez centra mais as suas ajudas nestes temas de sustentabilidade, podemos ganhar a batalha para proteger os nossos solos.

O artigo foi publicado originalmente em Alimentar com inovação.

Comente este artigo
Anterior Inquérito sobre populações de veado e javali
Próximo [GPPQ | H2020]: Bioeconomia, Biotecnologia e BBI (Dezembro 2018)

Artigos relacionados

Nacional

Chamas consomem zona florestal em Loures

Um incêndio deflagrou esta quinta-feira num povoamento florestal em Fanhões, Loures.
De acordo com fonte oficial do CDOS de Lisboa, as chamas lavram numa zona de “difícies acessos”, […]

Sugeridas

No Algarve, as alfarrobeiras dão fruto em Dezembro como se fosse Verão

Nos centros de experimentação agrária algarvios, as plantas já reagem ao clima em mudança. Nesta direcção regional de Agricultura está a maior […]

Sugeridas

Agenda de Inovação não vai ter orçamento definido

A agenda de Inovação para a Agricultura 20/30, apresentada publicamente pela ministra da Agricultura na passada semana (11 de setembro), não terá um orçamento definido nem se sabe ao […]