DGAV actualiza zona demarcada da Trioza erytreae

DGAV actualiza zona demarcada da Trioza erytreae

[Fonte: Revista Frutas Legumes e Flores]

A 15 de Abril, a Direcção Geral de Alimentação e Veterinária (DGAV) procedeu à actualização da zona demarcada relativa à praga de quarentena Trioza erytreae. Esta actualização inclui novas freguesias – que integram total ou parcialmente a zona demarcada referente à Trioza erytreae –, nos concelhos de Oliveira de Azeméis (Ossela), Ponte de Lima (Arca; Ponte de Lima), São João da Madeira (São João da Madeira), Alcobaça (Cela), Lourinhã (Miragaia e Marteleira; Santa Bárbara; Vimeiro).

O insecto Trioza erytreae, também designada como psila africana dos citrinos, é vector da bactéria Candidatus Liberibacter africanus, que causa a doença Huanglongbing (conhecida igualmente como Citrus greening). A Trioza erytreae também pode causar estragos directos graves em citrinos e em outros hospedeiros.

O mapa actualizado pode ser consultado aqui. As listas das freguesias podem ser consultadas aqui (totalmente dentro da zona demarcada) e aqui (parcialmente dentro da zona demarcada).

Notícias relacionadas




Comente este artigo

O artigo DGAV actualiza zona demarcada da Trioza erytreae foi publicado originalmente em Revista Frutas Legumes e Flores.

Anterior ISA: Dia Aberto 2019 - 8 de maio - Lisboa
Próximo Barragem do Fridão não avança

Artigos relacionados

Últimas

GNR pára corte ilegal de árvores em espaço florestal em pleno risco máximo de incêndio

[Fonte: Agricultura e Mar]
Há proprietários florestais que insistem em não cumprir as regras durante os períodos de risco máximo de incêndio. Em pleno Estado de Alerta Especial, […]

Nacional

Grupo Os Mosqueteiros sensibiliza 2.000 escolas para a poupança de água

[Fonte: Gazeta Rural]

Na data em que se comemora o Dia Mundial da Água, […]

Últimas

Pedrógão Grande. Plano de prevenção de fogos foi chumbado quatro vezes

[Fonte: Expresso]

Entre 2015 e 2019, o Plano Municipal de Defesa da Floresta contra Incêndios de Pedrógão Grande foi chumbado quatro vezes pelo Instituto da Conservação da Natureza e Floresta (ICNF). […]