Desativado Plano de Emergência para cheias na bacia do Tejo

Desativado Plano de Emergência para cheias na bacia do Tejo

A decisão foi tomada após se prever a manutenção da descida dos caudais debitados pelas barragens, o que “potencialmente contribuirá para uma descida dos níveis registados no rio Tejo”.

Simultaneamente, o caudal do rio Tejo mantém a tendência de descida, para as próximas horas, com uma “razoável/aceitável estabilização”, adianta a Proteção Civil.

As barragens de Fratel, Pracana e Castelo de Bode têm debitado nas últimas 10 horas valores de caudal médio, “inferior a de 1000 metros cúbicos/segundo no conjunto das barragens e a descer”.

Na última quinta-feira, a Comissão Distrital de Proteção Civil de Santarém acionou o Plano Especial de Emergência para Cheias na Bacia do Tejo no seu nível Amarelo, devido ao “aumento considerável dos níveis hidrométricos e caudais do rio Tejo”, causado pela passagem da tempestade Elsa e pela previsão de uma nova depressão, denominada Fabien.

O Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS), com o apoio de outras entidades e organismos, refere contudo que vai “continuar a monitorizar a situação hidrológica na bacia do Tejo” e emitirá comunicados caso a situação justifique.

A Proteção Civil aponta como efeitos das cheias alguns campos agrícolas inundados junto ao rio Nabão (Município de Tomar), 50% do parque de estacionamento do rio Zêzere (rua do Tejo), no Município de Constância, e submersão de várias estradas e caminhos nos Municípios de Santarém, Golegã, Coruche, Cartaxo, Salvaterra e Vila Nova da Barquinha.

Os efeitos do mau tempo, que se fazem sentir desde quarta-feira, já provocaram dois mortos e um desaparecido e deixaram 144 pessoas desalojadas e outras 352 deslocadas por precaução, registando-se mais de 11.600 ocorrências, na maioria inundações e quedas de árvores.

O mau tempo, provocado pela depressão Elsa, entre quarta e sexta-feira, a que se juntou no sábado a depressão Fabien, provocou também condicionamentos na circulação rodoviária e ferroviária, bem como danos na rede elétrica, afetando a distribuição de energia a milhares de pessoas, em especial na região Centro.

A Autoridade Nacional de Proteção Civil, num balanço feito hoje às 10:00, disse que o distrito de Coimbra é aquele que ainda causa maior preocupação, apesar de o número de ocorrências ter “baixado significativamente”, esperando-se a redução do caudal do rio Mondego nos próximos dias.

O artigo foi publicado originalmente em SAPO 24.

Comente este artigo
Anterior Cotações – Cereais – Informação Semanal – 16 a 22 Dezembro 2019
Próximo "Gravidade" de crimes ambientais "tem de ser punida" pelos tribunais, diz ministro

Artigos relacionados

Últimas

Congresso INOVACTION apresentou projetos na área agroalimentar

O Congresso INOVACTION realizou-se nos dias 27 e 28 de novembro de 2019, em Castelo Branco.
O evento foi promovido em parceria pela InovCluster – […]

Nacional

Tutela identificou municípios em incumprimento no plano de defesa da floresta

O Ministério da Administração Interna já identificou os municípios sem Plano Municipal de Defesa da Floresta Contra Incêndios (PMDFCI) em vigor, […]

Nacional

CDS questiona Governo sobre plano de contenção relativo à Xylella fastidiosa

Os deputados do CDS-PP Patrícia Fonseca, Ilda Araújo Novo e Hélder Amaral enviaram esta semana uma carta ao Ministro da Agricultura na sequência da identificação de plantas de lavanda portadoras de Xylella fastidiosa em Vila Nova de Gaia. […]