Desastres Naturais são tema de Pós-graduação na UTAD

Desastres Naturais são tema de Pós-graduação na UTAD

O estudo dos desastres naturais e da redução de riscos encontra-se, atualmente, no topo das agendas locais, nacionais e internacionais, uma realidade que desafiou um grupo de docentes e investigadores da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD) a avançarem com um curso de pós-graduação nesse domínio.

Trata-se da 2ª Edição do curso de pós-graduação em “Desastres Naturais e Redução de Riscos”, cujas inscrições se encontram abertas, devendo as aulas ter início em 17 de fevereiro próximo. O curso apresenta-se como oferta educativa inovadora da UTAD, dando resposta à necessidade crescente de formar especialistas treinados no desenvolvimento de soluções de mitigação de riscos relacionados com os desastres naturais, no presente e no decurso de alterações climáticas que se antecipem para o futuro.

“Sujeita como está, cada vez mais a eventos extremos, face às alterações climáticas e a outros fatores que se vão sucedendo nos tempos atuais, a sociedade precisa de se adaptar e prevenir”, justificou o diretor do curso, Fernando Pacheco, docente do departamento de Geologia da UTAD, assinalando que os temas abordados e as metodologias a adotar se afirmam “pela atualização de conteúdos e ferramentas, apresentando visões contemporâneas sobre a gestão dos riscos e a resposta da sociedade aos desastres naturais”.

A pós-graduação é considerada muito vantajosa para profissionais a trabalhar nas instituições que compõem os Centros de Coordenação Operacional Nacional ou Distrital do Sistema de Proteção Civil, como sejam Instituto da Conservação da Natureza e das Floresta, Instituto Português do Mar e da Atmosfera, Autoridade Nacional de Proteção Civil, bem  como para profissionais de gabinetes técnicos das Câmaras Municipais, e também licenciados e mestres em Geologia, Engenharia Civil, Engenharia Florestal, Arquitetura Paisagista, Economia e Sociologia, Geografia, e áreas afins.

Mais informações aqui.

O artigo foi publicado originalmente em Voz do Campo.

Comente este artigo
Anterior TRADE WARS AND SUPPORT TO FARMERS – TWO DIFFERENT TALES ACCROS THE ATLANTIC
Próximo Restrição dos apoios às medidas agroambientais coloca em risco agricultura sustentável e combate às alterações climáticas

Artigos relacionados

Nacional

Agrocluster lança iniciativa para premiar as melhores estratégias digitais das empresas do setor agroalimentar

O Agrocluster, no âmbito do projeto E-Agro Innovation, encontra-se a promover uma iniciativa que irá premiar e distinguir o que de melhor se faz em Portugal no que respeita à […]

Sugeridas

‘Startup’ de Coimbra desenvolve plataforma para melhorar prevenção de incêndios

A ‘startup’ de Coimbra Bold Robotics recebeu um apoio da Agência Espacial Europeia para desenvolver uma plataforma que usa dados de observação da Terra para otimizar a prevenção de incêndios e a gestão de terrenos florestais. […]

Dossiers

Indemnizações de colheitas superaram prémio das seguradoras em 2018

As indemnizações pagas aos agricultores, em 2018, no âmbito do seguro de colheitas, superaram três vezes as de 2016, ultrapassando “claramente” o volume de prémios recebidos pelas seguradoras e gerando uma “exploração deficitária”, […]