Covid-19. Plataforma permite às empresas partilharem equipas temporariamente

Covid-19. Plataforma permite às empresas partilharem equipas temporariamente

TeamLoan destina-se a todos os sectores de atividade afetados pelo coronavírus, como o retalho alimentar e não alimentar, alojamento e restauração, transporte de passageiros e de mercadorias, entretenimento, serviços de saúde e sociais, indústria alimentar, entre outros

Foi lançada oficialmente a TeamLoan, uma plataforma que permite às empresas afetadas pela pandemia do novo coronavírus registarem-se para partilharem equipas temporariamente. A informação foi divulgada esta segunda-feira pelo tech4COVID19, movimento que já junta mais de 4.700 pessoas de empresas de diversos sectores que estão a trabalhar em soluções tecnológicas para ultrapassar os desafios da Covid-19.

Com base na sua localização e sector de atividade, as empresas podem encontrar neste marketplace equipas na mesma região. A plataforma ainda não está totalmente operacional (só estará a partir de 14 de abril), mas já permite a realização de um pré-registo.

O objetivo da plataforma é não só ajudar negócios em dificuldade, constituindo “uma bolsa de oxigénio até ao regresso à normalidade” e uma “alternativa ao fecho definitivo e despedimentos”, mas também negócios com falta de capacidade – apoiando as “empresas e trabalhadores em dificuldades” e dando “resposta à falta de capacidade temporária”, lê-se no documento explicativo do projeto.

Para as equipas, é uma oportunidade de continuarem a trabalhar, assegurando o seu rendimento, e de depois regressarem ao seu emprego original.

O projeto destina-se a todos os sectores de atividade afetados pela Covid-19, como o retalho alimentar e não alimentar, alojamento e restauração, transporte de passageiros e de mercadorias, entretenimento, serviços de saúde e sociais, indústria alimentar, entre outros.

Várias entidades e associações já demonstraram o seu interesse em participar na TeamLoan. Entre elas estão o Centro de Inovação do Turismo, a Câmara Municipal de Lisboa, a Confederação dos Agricultores de Portugal, a Federação das Indústrias Portuguesas Agro-Alimentares, a Associação Nacional de Transportes Públicos Rodoviários de Mercadorias e a Associação Comercial de Braga

Continue a ler este artigo no Expresso.

Comente este artigo
Anterior Campanha "Agricultura, do Campo à Mesa" apoia agricultores de Terras de Bouro
Próximo Pioneer desmente ADACO e garante que não faltam sementes de milho ou girassol

Artigos relacionados

Últimas

Pedrógão Grande: Autarca de freguesia diz que novo incêndio “será pior” do que em 2017

O presidente da junta de freguesia de Vila Facaia, em Pedrógão Grande, avisou hoje que se houver um novo incêndio naquele território do interior Centro “será pior” do que em 2017, devido ao […]

Últimas

Fábrica de canábis medicinal cria 200 postos de trabalho em Cantanhede

A primeira fábrica em território nacional de produção de canábis medicinal vai assegurar 200 postos de trabalho até ao final do ano, […]