Covid-19. Plataforma permite às empresas partilharem equipas temporariamente

Covid-19. Plataforma permite às empresas partilharem equipas temporariamente

TeamLoan destina-se a todos os sectores de atividade afetados pelo coronavírus, como o retalho alimentar e não alimentar, alojamento e restauração, transporte de passageiros e de mercadorias, entretenimento, serviços de saúde e sociais, indústria alimentar, entre outros

Foi lançada oficialmente a TeamLoan, uma plataforma que permite às empresas afetadas pela pandemia do novo coronavírus registarem-se para partilharem equipas temporariamente. A informação foi divulgada esta segunda-feira pelo tech4COVID19, movimento que já junta mais de 4.700 pessoas de empresas de diversos sectores que estão a trabalhar em soluções tecnológicas para ultrapassar os desafios da Covid-19.

Com base na sua localização e sector de atividade, as empresas podem encontrar neste marketplace equipas na mesma região. A plataforma ainda não está totalmente operacional (só estará a partir de 14 de abril), mas já permite a realização de um pré-registo.

O objetivo da plataforma é não só ajudar negócios em dificuldade, constituindo “uma bolsa de oxigénio até ao regresso à normalidade” e uma “alternativa ao fecho definitivo e despedimentos”, mas também negócios com falta de capacidade – apoiando as “empresas e trabalhadores em dificuldades” e dando “resposta à falta de capacidade temporária”, lê-se no documento explicativo do projeto.

Para as equipas, é uma oportunidade de continuarem a trabalhar, assegurando o seu rendimento, e de depois regressarem ao seu emprego original.

O projeto destina-se a todos os sectores de atividade afetados pela Covid-19, como o retalho alimentar e não alimentar, alojamento e restauração, transporte de passageiros e de mercadorias, entretenimento, serviços de saúde e sociais, indústria alimentar, entre outros.

Várias entidades e associações já demonstraram o seu interesse em participar na TeamLoan. Entre elas estão o Centro de Inovação do Turismo, a Câmara Municipal de Lisboa, a Confederação dos Agricultores de Portugal, a Federação das Indústrias Portuguesas Agro-Alimentares, a Associação Nacional de Transportes Públicos Rodoviários de Mercadorias e a Associação Comercial de Braga

Continue a ler este artigo no Expresso.

Comente este artigo
Anterior Campanha "Agricultura, do Campo à Mesa" apoia agricultores de Terras de Bouro
Próximo Pioneer desmente ADACO e garante que não faltam sementes de milho ou girassol

Artigos relacionados

Últimas

Agri-Fish Council – Focus on the Discussion on Post 2020 CAP reform package

In a nutshell: —> The Finnish Presidency‘s intention is to pursue the technical discussion & the two forthcoming ‘Agriculture and Fisheries Council’ meetings in November and December to discuss the higher environmental ambition of the CAP and the New Delivery Model.  […]

Últimas

Deputado do PS diz que vota contra o Orçamento do Estado se a taxa sobre celuloses avançar

Depois de o Ministro do Ambiente ter assumido que a taxa sobre as celuloses foi um tema que lhe “escapou” no Orçamento do Estado […]

Comunicados

Agricultores portugueses regozijam-se com a reposição da medida Electricidade Verde

Os custos relacionados com a energia representam para os agricultores portugueses e paras as suas Organizações de Produtores um significativo encargo que coloca em causa a sua competitividade […]