Covid-19. Plataforma permite às empresas partilharem equipas temporariamente

Covid-19. Plataforma permite às empresas partilharem equipas temporariamente

TeamLoan destina-se a todos os sectores de atividade afetados pelo coronavírus, como o retalho alimentar e não alimentar, alojamento e restauração, transporte de passageiros e de mercadorias, entretenimento, serviços de saúde e sociais, indústria alimentar, entre outros

Foi lançada oficialmente a TeamLoan, uma plataforma que permite às empresas afetadas pela pandemia do novo coronavírus registarem-se para partilharem equipas temporariamente. A informação foi divulgada esta segunda-feira pelo tech4COVID19, movimento que já junta mais de 4.700 pessoas de empresas de diversos sectores que estão a trabalhar em soluções tecnológicas para ultrapassar os desafios da Covid-19.

Com base na sua localização e sector de atividade, as empresas podem encontrar neste marketplace equipas na mesma região. A plataforma ainda não está totalmente operacional (só estará a partir de 14 de abril), mas já permite a realização de um pré-registo.

O objetivo da plataforma é não só ajudar negócios em dificuldade, constituindo “uma bolsa de oxigénio até ao regresso à normalidade” e uma “alternativa ao fecho definitivo e despedimentos”, mas também negócios com falta de capacidade – apoiando as “empresas e trabalhadores em dificuldades” e dando “resposta à falta de capacidade temporária”, lê-se no documento explicativo do projeto.

Para as equipas, é uma oportunidade de continuarem a trabalhar, assegurando o seu rendimento, e de depois regressarem ao seu emprego original.

O projeto destina-se a todos os sectores de atividade afetados pela Covid-19, como o retalho alimentar e não alimentar, alojamento e restauração, transporte de passageiros e de mercadorias, entretenimento, serviços de saúde e sociais, indústria alimentar, entre outros.

Várias entidades e associações já demonstraram o seu interesse em participar na TeamLoan. Entre elas estão o Centro de Inovação do Turismo, a Câmara Municipal de Lisboa, a Confederação dos Agricultores de Portugal, a Federação das Indústrias Portuguesas Agro-Alimentares, a Associação Nacional de Transportes Públicos Rodoviários de Mercadorias e a Associação Comercial de Braga

Continue a ler este artigo no Expresso.

Comente este artigo
Anterior Campanha "Agricultura, do Campo à Mesa" apoia agricultores de Terras de Bouro
Próximo Pioneer desmente ADACO e garante que não faltam sementes de milho ou girassol

Artigos relacionados

Nacional

Docente da UTAD nomeado vice-presidente da Fundação do Côa

Domingos Lopes, docente da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD) e diretor do departamento de Ciências Florestais e Arquitetura Paisagista, […]

Nacional

LiveSeed avança com ensaios de selecção e de avaliação de variedades tradicionais de milho em Terras do Sousa

A equipa da Escola Superior Agrária do Politécnico de Coimbra (ESAC-IPC), cujo investigador responsável é o Professor Pedro Mendes-Moreira, a Ader- […]

Nacional

Empresa francesa procura novos fornecedores de madeira de faia e pinho

Uma empresa francesa, especializada na concepção e fabrico de madeiras interiores procura novos fornecedores de madeira que possam fornecer madeira de faia e madeira de pinho. […]