Covid-19: China intensifica inspeção sobre produtos importados

Covid-19: China intensifica inspeção sobre produtos importados

A Comissão Nacional de Saúde da China publicou hoje novos regulamentos para intensificar o controlo sobre produtos importados, após ter detetado o novo coronavírus em embalagens de congelados, incluindo asas de frango oriundas do Brasil.

As novas regras estabelecem a desinfeção minuciosa das embalagens de produtos congelados e a proteção adequada do pessoal em contacto com estes produtos, além do aumento das inspeções sanitárias em toda a cadeia, da chegada às alfândegas até ao ponto de venda.

“Se o resultado de um teste [a um produto congelado importado] der positivo, este deve ser devolvido ou destruído, conforme estipulam as regras”, determina-se.

As autoridades chinesas enfatizam ainda a necessidade de registar o trajeto feito por cada um destes produtos, para facilitar o rastreamento de possíveis infeções.

O anúncio surge um dia depois de um estivador no porto da cidade de Tianjin, norte do país, ter sido diagnosticado com covid-19.

O homem foi infetado após ter tido contacto com uma embalagem na qual foram encontrados vestígios do vírus, segundo a imprensa local.

No sábado, as autoridades da cidade de Dezhou, na província de Shandong, alegaram terem encontrado vestígios do vírus durante uma inspeção aleatória de embalagens de carne de porco congelada oriunda da Alemanha, e que desembarcaram no porto de Tianjin, em 19 de outubro passado, o que pressupõe que o vírus sobreviveu na embalagem por pelo menos 19 dias.

Em 24 de setembro, dois estivadores no porto oriental de Qingdao contraíram também o vírus ao entrarem em contacto com embalagens que continham vestígios de covid-19.

A infeção resultou, semanas depois, num surto na cidade, segundo as autoridades chinesas.

Nos últimos meses, vários produtos congelados oriundos de países como o Equador ou o Brasil colocaram em alerta as autoridades chinesas.

Em agosto passado, a província central de Shanxi anunciou a proibição da compra, venda e uso de camarão branco do Equador, após detetar vários casos do coronavírus em embalagens.

A cidade de Shenzhen, no sudeste, detetou vestígios do vírus em pacotes de asas de frango congeladas do Brasil e, um mês antes, em frutos do mar do Equador.

O número total de infetados ativos na China continental é de 424, entre os quais oito estão em estado grave.

A China registou, no total, 4.634 mortos devido à doença, e 86.245 infetados, desde o início da pandemia, na cidade de Wuhan, no centro do país.

Comente este artigo
Anterior A Bayer Crop Science Portugal chega às redes sociais
Próximo Investimento de 22 M€ muda agricultura na ilha cabo-verdiana de Santo Antão

Artigos relacionados

Últimas

Acréscimo: Governo quer instalar extensas áreas de monoculturas intensivas para produção de electricidade

A direcção da Acréscimo – Associação de Promoção ao Investimento Florestal diz que “o Governo pretende instalar extensas áreas de monoculturas intensivas e super-intensivas para a produção de electricidade”. […]

Comunicados

Na celebração dos 264 anos da região demarcada do Douro, IVDP distingue projetos inovadores

A excelência dos vinhos do Porto e Douro foi celebrada na 7.ª edição do Port Wine day, evento promovido pelo Instituto dos Vinhos do Douro e do Porto, I.P. (IVDP), que contou com a presença […]

Últimas

Agricultores de Pombal querem apoios para combater prejuízos causados por javalis

Os agricultores de Pombal exigiram esta semana ao Governo apoios especiais para combater os prejuízos decorrentes do aumento descontrolado da população de javalis no país. […]