Costa regozija-se com “morte diplomática” da proposta finlandesa de orçamento

Costa regozija-se com “morte diplomática” da proposta finlandesa de orçamento

O primeiro-ministro, António Costa, congratulou-se hoje, em Bruxelas, com o que classificou como a “morte diplomática” da proposta da presidência finlandesa sobre o próximo orçamento plurianual da União Europeia e fez votos para que se siga uma negociação rápida.

“Desta cimeira, a primeira boa notícia é que diplomaticamente foi morta a proposta finlandesa. A discussão foi concluída em cinco minutos”, regozijou-se Costa, em declarações à saída do Conselho Europeu, no final do primeiro dia de trabalhos, concluídos já de madrugada.

O primeiro-ministro indicou que “ficou decidido que a partir de agora o presidente do Conselho, Charles Michel, irá ter reuniões bilaterais com todos os Estados-membros”, para se passar “à negociação final do Quadro Financeiro Plurianual” para 2021-2027.

Espero que seja uma negociação rápida, porque é preciso evitar a todo o custo que haja um grande atraso na aprovação do novo quadro, de forma a assegurar uma transição suave entre o atual e o próximo, para não criar prejuízo à dinâmica de crescimento económico e de criação de emprego na Europa e, designadamente, em Portugal”, disse.

Dada a forte contestação de um grupo alargado de países, entre os quais Portugal, à mais recente proposta de orçamento da UE colocada sobre a mesa pela presidência finlandesa, esta foi, sem surpresa, rejeitada na cimeira de hoje de chefes de Estado e de Governo da União, a primeira do novo ciclo institucional da UE e a primeira presidida pelo belga Charles Michel, que passará então a conduzir o processo (e não a presidência croata, no primeiro semestre de 2020).

As diferenças são ainda de vulto entre as posições dos contribuintes líquidos – que pretendem evitar um aumento das respetivas contribuições à luz da saída do Reino Unido, que integrava esse grupo – e dos países que mais dependem dos fundos, designadamente os “amigos da coesão”, como Portugal, que rejeitavam em absoluto a última proposta finlandesa.

A mais recente proposta de Helsínquia, que assegurou a presidência rotativa do Conselho da UE no segundo semestre deste ano, defendia contribuições dos Estados-membros equivalentes a 1,07% do Rendimento Nacional Bruto (RNB) conjunto da UE a 27 (sem o Reino Unido), valor abaixo da proposta original da Comissão Europeia (1,11%) e liminarmente rejeitado por um grupo alargado de países, como Portugal (que defende pelo menos 1,16%), assim como pelo Parlamento Europeu (cuja ambição chega aos 1,3%).

O artigo foi publicado originalmente em ECO - fundos comunitários.

Comente este artigo
Anterior Ministério da Agricultura admite acumulação de apoio às Raças autóctones com outro compromisso agroambiental em 2020
Próximo STET apresenta campo de variedades instaladas em julho - 17 de dezembro - Palmela

Artigos relacionados

Eventos

Webinar: “How to modulate the wine aromatic evolution by closure oxygen ingress” – 2 de novembro

The aromatic profile of a bottled wine evolves mainly under the influence of oxygen to which it is exposed at bottling and during bottle aging […]

Últimas

Mel de Castelo Branco conquista medalha de ouro em Londres

Um mel de rosmaninho produzido no concelho de Castelo Branco conquistou a medalha de ouro no concurso “London Honey Awards 2021”, distinção que a apicultora responsável vê […]

Comunicados

Anpromis: Conclusões do XI Congresso Nacional do Milho 2017

O XI Congresso Nacional do Milho, realizado a 7 e 8 de Fevereiro, em Lisboa, reuniu mais de 500 participantes e cerca de 30 oradores nacionais e estrangeiros num debate sobre temas de grande actualidade, […]