Costa regozija-se com “morte diplomática” da proposta finlandesa de orçamento

Costa regozija-se com “morte diplomática” da proposta finlandesa de orçamento

O primeiro-ministro, António Costa, congratulou-se hoje, em Bruxelas, com o que classificou como a “morte diplomática” da proposta da presidência finlandesa sobre o próximo orçamento plurianual da União Europeia e fez votos para que se siga uma negociação rápida.

“Desta cimeira, a primeira boa notícia é que diplomaticamente foi morta a proposta finlandesa. A discussão foi concluída em cinco minutos”, regozijou-se Costa, em declarações à saída do Conselho Europeu, no final do primeiro dia de trabalhos, concluídos já de madrugada.

O primeiro-ministro indicou que “ficou decidido que a partir de agora o presidente do Conselho, Charles Michel, irá ter reuniões bilaterais com todos os Estados-membros”, para se passar “à negociação final do Quadro Financeiro Plurianual” para 2021-2027.

Espero que seja uma negociação rápida, porque é preciso evitar a todo o custo que haja um grande atraso na aprovação do novo quadro, de forma a assegurar uma transição suave entre o atual e o próximo, para não criar prejuízo à dinâmica de crescimento económico e de criação de emprego na Europa e, designadamente, em Portugal”, disse.

Dada a forte contestação de um grupo alargado de países, entre os quais Portugal, à mais recente proposta de orçamento da UE colocada sobre a mesa pela presidência finlandesa, esta foi, sem surpresa, rejeitada na cimeira de hoje de chefes de Estado e de Governo da União, a primeira do novo ciclo institucional da UE e a primeira presidida pelo belga Charles Michel, que passará então a conduzir o processo (e não a presidência croata, no primeiro semestre de 2020).

As diferenças são ainda de vulto entre as posições dos contribuintes líquidos – que pretendem evitar um aumento das respetivas contribuições à luz da saída do Reino Unido, que integrava esse grupo – e dos países que mais dependem dos fundos, designadamente os “amigos da coesão”, como Portugal, que rejeitavam em absoluto a última proposta finlandesa.

A mais recente proposta de Helsínquia, que assegurou a presidência rotativa do Conselho da UE no segundo semestre deste ano, defendia contribuições dos Estados-membros equivalentes a 1,07% do Rendimento Nacional Bruto (RNB) conjunto da UE a 27 (sem o Reino Unido), valor abaixo da proposta original da Comissão Europeia (1,11%) e liminarmente rejeitado por um grupo alargado de países, como Portugal (que defende pelo menos 1,16%), assim como pelo Parlamento Europeu (cuja ambição chega aos 1,3%).

Comente este artigo

O artigo foi publicado originalmente em ECO - fundos comunitários.

Anterior Ministério da Agricultura admite acumulação de apoio às Raças autóctones com outro compromisso agroambiental em 2020
Próximo STET apresenta campo de variedades instaladas em julho - 17 de dezembro - Palmela

Artigos relacionados

Nacional

Azeite. Apurados os dados, quebra foi de 30%

A Divisão de Estatística do Gabinete de Planeamento, Políticas e Administração Geral acaba de divulgar os resultados dos inquéritos aos lagares de azeite e aos industriais de azeitona de mesa, […]

Dossiers

Curso breve on-line dedicado à Poda de Pessegueiros promovido pela Escola Superior Agrária de Castelo Branco

O Instituto Politécnico de Castelo Branco vai promover um curso breve on-line dedicado à Poda de Pessegueiros, o curso é gratuito e é […]

Nacional

Grupo Accor aposta em hortas hurbanas em hotéis

Grupo Accor aposta em hortas urbanas nos seus hotéis em todo o mundo, a ambição do Grupo é oferecer uma experiência gastronómica de qualidade, […]