Costa apela ao fim da greve dos motoristas e ao “diálogo total”

Costa apela ao fim da greve dos motoristas e ao “diálogo total”

O primeiro-ministro, António Costa, apela ao cancelamento da greve dos camionistas de matérias perigosas para que seja possível um “diálogo total”.

“Quero manifestar a satisfação por, ao longo da semana, ter sido assinado acordo com o principal sindicato do setor, a Fectrans. E ontem, o Sindicato Independente dos Motoristas de Mercadorias ter desconvocado a greve”, declarou António Costa no final de uma reunião com o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, no Palácio de Belém.

O primeiro-ministro deixou uma palavra de “gratidão às forças armadas e de segurança pela forma exemplar como têm desempenhado as suas funções” durante a greve e elogiou o “civismo dos portugueses”.

Apesar dos vários dias de greve dos motoristas de matérias perigosas “o país não parou”, sublinhou António Costa, que defendeu o nível de serviços mínimos decretados, entre 50% a 100%, e a requisição civil. “Tivemos uma intervenção minimalista para evitar perturbações e tornar possível o diálogo e o funcionamento do país”, resumiu.

O governante espera que haja um reatar das conversações entre o Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP) e a Antram, que permite a desconvocação total da greve, nesta “segunda quinzena de agosto” .

“Ainda não foi concluído este trabalho, mas a esperança é a última coisa a morrer e vamos fazer aquilo que nos compete fazer. Mais de uma vez disponibilizamo-nos para sermos mediador no conflito, isso foi recusado, mas vamos fazer tudo o que for adequado para respeitar o direito à greve e evitar que o país seja paralisado. Esperamos estar na ponta final desta greve”, declarou.

Críticas à ausência de Rui Rio

Por três vezes, António Costa referiu-se à ausência do líder da oposição, Rui Rio, que falou esta sexta-feira à comunicação social, acusando o Governo de ter montado um “circo mediático” para tirar proveitos eleitorais. Na quarta-feira, tinha sido o vice-presidente David Justino a reagir por parte do PSD, assumindo então que o presidente Rui Rio estava de férias.

“As pessoas ausentes não perceberam o dramatismo da situação. Tivemos um aumento de mais de 100% no consumo em relação ao período normal. Todos estávamos preocupados em saber como iríamos suprir as necessidades de combustível. Os agricultores estavam preocupados se seriam capazes de fazer as colheitas e escoar a produção. A preocupação real das pessoas era saber se os supermercados iriam ter as prateleiras vazias. É fácil, depois de tudo correr no melhor do possível, dizer que não necessário fazer o que fizemos. Mas se não tivéssemos adotado estas medidas, o país tinha mesmo parado”, sublinhou.

Costa destacou ainda que os contribuintes têm “suportado um custo muito significativo”:” Isto tem sido difícil neste período de férias, mas na segunda quinzena de agosto há empresas que estavam a meio gás e que irão retomar a laboração em pleno. As pessoas em férias vão regressar, as famílias vão começar a olhar para a preparação do ano letivo e é altura de rapidamente terminar o conflito e de as partes entrarem em negociações quando possível”.

O artigo foi publicado originalmente em Rádio Renascença.

Comente este artigo
Anterior Padaria lituana procura tecnologia de automatização de fabricação de biscoitos
Próximo Morreu Alexandre Soares dos Santos, o senhor Jerónimo Martins (1934 – 2019)

Artigos relacionados

Nacional

Praxe solidária da Católica: 300 caloiros preparam-se para apanhar 4 toneladas de restolho

A Agromais – Entreposto Comercial Agrícola e a Agrotejo — União Agrícola do Norte do Vale do Tejo, no próximo dia 4 de Setembro, […]

Últimas

Floresta amazônica, uma commodity?

Há quase duas décadas, Henry Walter Bates e Alfred Russel Wallace visitaram a região do Lago do Maicá, no município de Santarém, […]

Nacional

Tudo a postos para as 24H Agricultura Syngenta

A Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade do Algarve e a Direção Regional de Agricultura e Pescas do Algarve recebem este fim-de-semana a 4ª edição das 24H Agricultura Syngenta. […]