Cooperativa de lavradores iniciou processo de certificação da amêndoa transmontana

Cooperativa de lavradores iniciou processo de certificação da amêndoa transmontana

A Cooperativa dos Lavradores do Centro e Norte (CLCN), instalada em Mogadouro, no distrito de Bragança, iniciou junto das entidades competentes o processo de registo de Indicação Geográfica Protegida (IGP) da amêndoa transmontana, anunciou hoje a organização.

“Iniciámos o processo de registo e certificação IGP da amêndoa produzida em todos os 12 concelhos do distrito de Bragança e em cinco concelhos do distrito de Vila Real. O primeiro passo foi dado com a entrega do processo à Direção Regional de Agricultura e Pescas do Norte (DAPN)”, disse à Lusa Armando Pacheco, um dos responsáveis pela CLCN.

O responsável explicou que a iniciativa de certificação da amêndoa transmontana com a chancela IGP pretende ser uma mais-valia para a comercialização deste fruto de casca rija produzido neste território.

“Achámos que devíamos certificar a amêndoa produzida nesta região do país, para depois os produtores retirarem mais-valias deste produto agrícola por ser IGP. Consideramos que após a obtenção desta cancela a comercialização será superior. É importante realçar a importância de território de Trás-os-Montes neste tipo de produção”, destacou o técnico.

De acordo com Armando Pacheco, já há uma Denominação de Origem Protegida (DOP) da amêndoa do Douro. Contudo, o dirigente referiu que a certificação IGP a que se propõe a CLCN pretende ser mais abrangente.

“Queremos ter a marca Trás-os-Montes, e a amêndoa tem de ser produzida nesta região, onde se verifica um aumento das variedades deste fruto de casca rija, porque já existem outras, sem ser a antiga tradicional, mas de pouco rendimento comercial”, disse Armando Pacheco.

Para já, a CLCN está a liderar o processo de certificação da amêndoa produzida em Trás-os-Montes, mas espera-se que outras organizações de produtores se juntem e possam vir a comercializar com este selo IGP a amêndoa, cuja produção que tem vindo a crescer neste território.

“Tudo indica que a produção de amêndoa vai continuar a crescer neste território. Nos últimos anos, a plantação subiu mais de 60% na nossa região, mas terá que aumentar ainda muito mais para ser rentável”, observou o dirigente agrícola.

O processo de certificação como IGP, depois de analisado pelos serviços de Agricultura a nível nacional, seguirá para Bruxelas, “sendo esperado que se prolongue por vários meses, sendo necessária alguma calma”.

A CLCN tem atualmente meio milhar de produtores de amêndoa e outros frutos de casca rija e castanha.

“Ao sermos reconhecidos como uma organização de produtores, os nossos associados beneficiam de mais valias em termos de candidaturas a apoios de fundos comunitários, havendo mesmo algumas majorações, como são as medidas agroambientais”, exemplificou o representante desta cooperativa agrícola.

Segundo Armando Pacheco, a CLCP comercializa atualmente um milhão de quilos de amêndoa e outros frutos de casca rija produzidos em Trás–os-Montes, traduzindo-se num volume de negócio rondar um milhão de euros.

Comente este artigo
Anterior Webinar: ONU promove Cimeira dos Sistemas Alimentares - 23 de setembro
Próximo Beira Interior prevê ano normal na produção de vinho

Artigos relacionados

Blogs

ADACB e Município do Fundão assinam protocolo para melhoria do aconselhamento agrícola e florestal na região

A Associação Distrital dos Agricultores de Castelo Branco (ADACB) concretizou, no dia 18 de Junho, um protocolo de colaboração com o Município […]

Dossiers

Setor da cortiça tinha mais de oito mil trabalhadores em 2018

O setor português da cortiça tinha 8.164 trabalhadores em 2018, mais 7% face a 2014, segundo um estudo da Associação Portuguesa de Cortiça (APCOR) que será apresentado na segunda-feira e que […]

Últimas

Oiçam a Ciência: a energia nuclear e os OGM fazem parte da solução contra as alterações climáticas – Luís Ribeiro

É uma das frases mais citadas de Greta Thunberg: “Não me oiçam a mim, oiçam os cientistas.” A ativista sueca quer, e bem, que as pessoas, as empresas e os governos levem a Ciência a sério […]