Cooperativa Agrícola de Moura e Barrancos lança Azeite Virgem Extra Premium

Cooperativa Agrícola de Moura e Barrancos lança Azeite Virgem Extra Premium

A Cooperativa Agrícola de Moura e Barrancos acabou de lançar o Azeite Virgem Extra Premium CAMB – um produto de alta qualidade que foi premiado com medalha de ouro, na categoria frutado maduro, no concurso Mário Solinas – o principal concurso internacional na área dos azeites virgens extra, organizado pela International Olive Council.

O Azeite Virgem Extra Premium CAMB foi elaborado a partir das variedades regionais da cooperativa, com predominância da Galega – rainha das azeitonas portuguesas, através da extração a frio e utilizando processos exclusivamente mecânicos, com o objetivo de garantir a máxima qualidade do produto final.

A embalagem do Azeite Virgem Extra Premium CAMB foi especialmente desenhada e produzida, apostando-se numa garrafa escura e garantindo-se, assim, que o ambiente e as condições atmosféricas não interferem no tom e nos aromas originais do produto.

Pensado especialmente para consumidores exigentes e apreciadores de uma alimentação saudável e de alta qualidade, o Azeite Virgem Extra Premium CAMB está já disponível nos principais super e hipermercados do país, pelo preço de venda ao público recomendado de 12,49 € (embalagem de 500 ml).

Saiba mais sobre o processo de produção do Azeite Virgem Extra Premium CAMB

O processo de colheita do Azeite Virgem Extra Premium CAMB foi de extremo rigor e cuidado, tendo as azeitonas sido colhidas sobre panos e transportadas rapidamente para o lagar, garantindo a total preservação dos frutos.

A extração do Azeite Virgem Extra Premium CAMB foi iniciada com a trituração dos frutos inteiros, seguida de um revolvimento, em movimentos lentos, da pasta obtida, durante o tempo suficiente para que as partículas aguçadas do caroço triturado sulquem nas paredes da polpa do fruto em pasta, os canais para libertação do azeite retido nas células. Sob a ação centrífuga, o azeite foi recolhido e isolado dos restantes constituintes do fruto.

Depois de extraído, o azeite manteve-se em depósito no armazém durante alguns dias, em ambiente escuro e fresco para que todas as partículas finas da polpa, ainda dissolvidas no azeite, pudessem tranquilamente depositar-se no fundo.

Separado o azeite das partículas decantadas, foi embalado em ambiente fresco e em garrafa escura para que, até à hora de consumir, a luz exterior e/ou o calor não interfiram na cor verde brilhante natural nem nos aromas originais. Tudo isto para que seja preservada a sua única e verdadeira tarefa de transportador da cor e dos aromas do fruto, até à nossa mesa.

Para mais informações, por favor, contacte:

Alda Benamor | PLUG More | 969 102 155 | alda.benamor@plugmore.pt

Comente este artigo
Anterior Conferência Visões para uma Floresta de Futuro – 14 de Dezembro – Porto
Próximo Junker diz não à revisão da diretiva das aves e habitats

Artigos relacionados

Sugeridas

Interdição do consumo de carne de vaca nas Cantinas da Universidade de Coimbra é uma posição demagógica e errada.

Foi com estranheza crítica, que se recebeu a notícia de que o Reitor da Universidade de Coimbra pretende interditar o consumo de Carne de Vaca nas Cantinas Universitárias, já no início do próximo ano de 2020 […]

Comunicados

Incêndios florestais,mudar a sério as políticas públicas para a floresta!

Depois da tragédia com os Incêndios Florestais em Pedrógão Grande e Região Centro, a solidariedade do Povo Português é total na ajuda às Famílias e às Populações mais atingidas. […]

Comunicados

Associação Portuguesa de Produtores de Tomate, APPT, e Produtores de Tomate para a Indústria preocupados com a campanha deste ano de 2019, no Ribatejo.

A Associação Portuguesa de Produtores de Tomate, APPT, filiada na CNA, considera que este é um ano/campanha (até final deste mês de Setembro) com muitas adversidades para os Produtores de Tomate para a Indústria do Ribatejo. […]