Conversa Capital com Eduardo Oliveira e Sousa

Conversa Capital com Eduardo Oliveira e Sousa

[Fonte: RTP notícias]

Estratégia
O novo presidente da CAP pede que a agricultura seja considerada como um setor estratégico para o pais.
Na primeira entrevista desde que assumiu o cargo no dia 19 de Abril, Eduardo de Oliveira e Sousa, refere que “o setor precisa de sentir que há uma estratégia para o pais definida de cima a abaixo que transmite confiança e orientação”.

Florestas
Dá como exemplo de áreas prioritárias o regadio e a reforma das florestas. Para o novo presidente da CAP não faz sentido que a gestão da floresta seja dividida pelos 278 concelhos! Adianta que o Conselho Económico e Social “está preocupado” e “vai emitir um parecer”.

Fundos
Eduardo de Oliveira e Sousa denuncia ainda a situação de paralisia que se vive na atribuição dos fundos comunitários ao sector. Revela que há projetos com 2 anos de atraso e pede ao ministro da Agricultura, com quem ainda não reuniu, que o assunto seja “objeto de uma medida rápida”.

“A seca veio para ficar.
Daqui a um mês, os animais vão começar a passar mal nas zonas de pastoreio.
A campanha de cereais de inverno está comprometida.”

Seca
Relativamente à situação de seca que se vive em Portugal, o presidente da CAP traça um cenário mais grave do que aquele que é divulgado pelo Instituto do Mar e da Atmosfera.
Eduardo de Oliveira e Sousa considera que “a seca veio para ficar” e que no que toca à agricultura, “Portugal está a viver um período de seca permanente”. Por isso defende que para ter interesse económico a agricultura tem de ter regadio e maior capacidade de armazenamento de água quando chove.

Pastoreio
Quanto aos efeitos da seca que se registou em Abril, a pior dos últimos anos, Eduardo de Oliveira e Sousa denuncia que as reservas de forragem para os animais estão a acabar, “daqui a um mês os animais estão a passar mal nas áreas de pastoreio”.

Sequeiro
As culturas de sequeiro, dos cereais de inverno também estão comprometidas e Portugal vai registar os piores valores de produção dos últimos 30 anos.

Medidas
Dai que a Associação Nacional de Produtores de Cereais já tenha pedido ajuda ao ministro para introduzir algumas medidas que possam reduzir o problema.

→Oiça aqui a conversa completa

Comente este artigo
Anterior Distribuição alimentar. No futuro será mais digital e personalizada
Próximo El precio de la fresa, un 30 % más alto esta campaña

Artigos relacionados

Nacional

Ação de capacitação em proteção das culturas

[Fonte: Voz do Campo]

Inserido no âmbito da operação CCHortoFruti9 vai ser realizada uma ação de capacitação em proteção das culturas, com uma carga horária total de 52 horas, tendo como objetivo dotar os participantes de conhecimentos sobre a área da monitorização, […]

Sugeridas

Agricultores cortaram rio Sorraia para salvar culturas e a polémica instalou-se na Lezíria

[Fonte: Público]

Agricultores e Agência Portuguesa do Ambiente alegam que salinidade do rio Tejo não deixava outra opção, mas há quem fale de ameaça ambiental e de aparecimento de peixe morto.

O curso do rio Sorraia foi interrompido no passado dia 24 pela Associação de Beneficiários da Lezíria Grande de Vila Franca de Xira (ABLGVFX), […]

Nacional

2ª conferência: Gestão Florestal, Território e Riscos Naturais

[Fonte: Voz do Campo]

«Montados, Sobreirais e Azinhais» são os protagonistas da 2ª conferência do ciclo sobre Gestão Florestal, Território e Riscos Naturais que a CAP, Confederação dos Agricultores de Portugal, tem vindo organizar, iniciativa esta a que o Presidente da República se associa com a sua presença em Grândola. […]