Conversa Capital com Eduardo Oliveira e Sousa

Conversa Capital com Eduardo Oliveira e Sousa

[Fonte: RTP notícias]

Estratégia
O novo presidente da CAP pede que a agricultura seja considerada como um setor estratégico para o pais.
Na primeira entrevista desde que assumiu o cargo no dia 19 de Abril, Eduardo de Oliveira e Sousa, refere que “o setor precisa de sentir que há uma estratégia para o pais definida de cima a abaixo que transmite confiança e orientação”.

Florestas
Dá como exemplo de áreas prioritárias o regadio e a reforma das florestas. Para o novo presidente da CAP não faz sentido que a gestão da floresta seja dividida pelos 278 concelhos! Adianta que o Conselho Económico e Social “está preocupado” e “vai emitir um parecer”.

Fundos
Eduardo de Oliveira e Sousa denuncia ainda a situação de paralisia que se vive na atribuição dos fundos comunitários ao sector. Revela que há projetos com 2 anos de atraso e pede ao ministro da Agricultura, com quem ainda não reuniu, que o assunto seja “objeto de uma medida rápida”.

“A seca veio para ficar.
Daqui a um mês, os animais vão começar a passar mal nas zonas de pastoreio.
A campanha de cereais de inverno está comprometida.”

Seca
Relativamente à situação de seca que se vive em Portugal, o presidente da CAP traça um cenário mais grave do que aquele que é divulgado pelo Instituto do Mar e da Atmosfera.
Eduardo de Oliveira e Sousa considera que “a seca veio para ficar” e que no que toca à agricultura, “Portugal está a viver um período de seca permanente”. Por isso defende que para ter interesse económico a agricultura tem de ter regadio e maior capacidade de armazenamento de água quando chove.

Pastoreio
Quanto aos efeitos da seca que se registou em Abril, a pior dos últimos anos, Eduardo de Oliveira e Sousa denuncia que as reservas de forragem para os animais estão a acabar, “daqui a um mês os animais estão a passar mal nas áreas de pastoreio”.

Sequeiro
As culturas de sequeiro, dos cereais de inverno também estão comprometidas e Portugal vai registar os piores valores de produção dos últimos 30 anos.

Medidas
Dai que a Associação Nacional de Produtores de Cereais já tenha pedido ajuda ao ministro para introduzir algumas medidas que possam reduzir o problema.

→Oiça aqui a conversa completa

Comente este artigo
Anterior Distribuição alimentar. No futuro será mais digital e personalizada
Próximo El precio de la fresa, un 30 % más alto esta campaña

Artigos relacionados

Notícias PAC pós 2020

Conclusiones de la Conferencia “Construyendo la PAC del futuro post 2020”

El secretario general de Agricultura y Alimentación, Carlos Cabanas, presentó ayer las principales conclusiones de la Conferencia “Construyendo la PAC del futuro post 2020”, organizada por el Ministerio para escuchar las opiniones de todos los implicados en este proceso. A partir de ellas se empezará a trabajar en una propuesta de posición común que deberá ser aprobada en la Conferencia Sectorial de Agricultura y Desarrollo Rural. […]

Últimas

Incêndios. Quatro bombeiros feridos em Castelo Branco

[Fonte: SAPO 24]

“Existem quatro bombeiros feridos. São situações de três feridos leves e de um ferido mais grave. Foram transportados à unidade hospitalar, estão em acompanhamento”, explicou o adjunto de operações nacional Alexandre Penha, na sede da ANEPC, em Carnaxide, […]

Nacional

2020 vai ser o Ano Internacional da Fitossanidade

[Fonte: Revista Frutas Legumes e Flores]

Por iniciativa conjunta da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO) e do Secretariado do International Plant Protection Convention (IPPC), 2020 foi proclamado pela Assembleia Geral das Nações Unidas como Ano Internacional da Fitossanidade. […]