Contraste leiteiro é ferramenta indispensável para gestão das explorações agrícolas com sucesso nos Açores

Contraste leiteiro é ferramenta indispensável para gestão das explorações agrícolas com sucesso nos Açores

Regional AÇORES » 2 de Fevereiro de 2017

vaca-leiteiraO contraste leiteiro é “uma ferramenta indispensável para a gestão das explorações agrícolas com sucesso”, que por via deste instrumento registou nos últimos anos “uma evolução muito interessante no setor nos Açores, em termos de quantidade e de qualidade de leite produzido”, contudo o sucesso das explorações agrícolas deve-se não só ao contraste leiteiro, mas, sobretudo, “aos produtores e à capacidade que tiveram de acompanhar a evolução tecnológica, de melhorarem as suas explorações e de fazerem investimentos”.

A convicção é do Secretário Regional da Agricultura e Florestas que falava quarta-feira na cerimónia de entrega dos Livros do Contraste Leiteiro 2015, promovida pela Associação Agrícola da Ilha Terceira, onde considerou que “o Governo dos Açores também fez a sua parte, mas aquilo que o setor é hoje deve-se essencialmente aos agricultores, que deram o melhor de si no sentido de tornarem as suas explorações cada vez mais competitivas e com melhores condições para produzir um produto de excelência, que é o nosso leite”, afirmou. 

João Ponte salientou que “cabe agora à indústria transformar aquilo que é um bem de grande qualidade numa oportunidade de negócio e que seja capaz de valorizar aquilo que produzimos e que isso seja refletido em termos de preço de leite aos produtores”. A ilha Terceira produz cerca de 150 milhões de litros de leite e tem um peso na produção global da Região de cerca de 25%.

O contraste leiteiro consiste na avaliação da quantidade e qualidade do leite produzido por cada um dos animais de uma exploração durante as sucessivas lactações, recorrendo a métodos e meios aprovados a nível nacional e internacional, constituindo uma ferramenta essencial na gestão económica das explorações.   

Um dado positivo nesta ilha tem a ver com a exportação de carne de gado bovino abatida, que cresceu acima da média regional.

No ano passado, a Região exportou mais 22% do que em 2015, mas na ilha Terceira o crescimento foi de 34%, o que, segundo João Ponte, “é um bom indicador e que dá uma perspetiva de futuro”.

“Esta é uma área que, não sendo a base do setor agrícola, está a crescer e que, com os investimentos que o Governo dos Açores está a fazer na Rede Regional de Abate, potencia essa fileira em termos de rendimento à produção do leite”, salientou.

O titular da pasta da Agricultura referiu ainda na sua intervenção que, “em termos de candidaturas ao PRORURAL, sente-se na ilha Terceira uma grande vontade de fazer investimento, o que significa um sinal de otimismo e de confiança”.

Este é “um sinal de que este setor tem futuro, não só na ilha Terceira, mas em toda a Região Autónoma dos Açores”, sublinhou João Ponte.

Açores 24Horas /Gacs

talholagoa1

Comente este artigo
Anterior The European Commission launches public consultation on the future of the Common Agricultural Policy
Próximo Questionário sobre o futuro da PAC 2020 termina a 2 de Maio -participe aqui!

Artigos relacionados

Dossiers

Cotações – Suínos – Informação Semanal – 3 a 9 Fevereiro 2020

Análise SIMA – Sistema de Informação de Mercados Agrícolas
As cotações médias nacionais do porco classe E e do porco classe S mantiveram-se estáveis em relação à […]

Notícias inovação

“Tomate Vision” novo centro de I&D Syngenta para acelerar a inovação na cultura do tomate

Syngenta inaugura de forma virtual as suas novas instalações para investigação, desenvolvimento e demonstração de novas variedades de […]

Blogs

UMA ESTÓRIA POR TRÁS DA HISTÓRIA – O DIA EM QUE O FACEBOOK DEITOU ABAIXO A BATERIA DO MEU TRATOR…

UMA ESTÓRIA POR TRÁS DA HISTÓRIA – O DIA EM QUE O FACEBOOK DEITOU ABAIXO A BATERIA DO MEU TRATOR 

Entre avarias e sementeiras, […]