Contraste leiteiro é ferramenta indispensável para gestão das explorações agrícolas com sucesso nos Açores

Contraste leiteiro é ferramenta indispensável para gestão das explorações agrícolas com sucesso nos Açores

Regional AÇORES » 2 de Fevereiro de 2017

vaca-leiteiraO contraste leiteiro é “uma ferramenta indispensável para a gestão das explorações agrícolas com sucesso”, que por via deste instrumento registou nos últimos anos “uma evolução muito interessante no setor nos Açores, em termos de quantidade e de qualidade de leite produzido”, contudo o sucesso das explorações agrícolas deve-se não só ao contraste leiteiro, mas, sobretudo, “aos produtores e à capacidade que tiveram de acompanhar a evolução tecnológica, de melhorarem as suas explorações e de fazerem investimentos”.

A convicção é do Secretário Regional da Agricultura e Florestas que falava quarta-feira na cerimónia de entrega dos Livros do Contraste Leiteiro 2015, promovida pela Associação Agrícola da Ilha Terceira, onde considerou que “o Governo dos Açores também fez a sua parte, mas aquilo que o setor é hoje deve-se essencialmente aos agricultores, que deram o melhor de si no sentido de tornarem as suas explorações cada vez mais competitivas e com melhores condições para produzir um produto de excelência, que é o nosso leite”, afirmou. 

João Ponte salientou que “cabe agora à indústria transformar aquilo que é um bem de grande qualidade numa oportunidade de negócio e que seja capaz de valorizar aquilo que produzimos e que isso seja refletido em termos de preço de leite aos produtores”. A ilha Terceira produz cerca de 150 milhões de litros de leite e tem um peso na produção global da Região de cerca de 25%.

O contraste leiteiro consiste na avaliação da quantidade e qualidade do leite produzido por cada um dos animais de uma exploração durante as sucessivas lactações, recorrendo a métodos e meios aprovados a nível nacional e internacional, constituindo uma ferramenta essencial na gestão económica das explorações.   

Um dado positivo nesta ilha tem a ver com a exportação de carne de gado bovino abatida, que cresceu acima da média regional.

No ano passado, a Região exportou mais 22% do que em 2015, mas na ilha Terceira o crescimento foi de 34%, o que, segundo João Ponte, “é um bom indicador e que dá uma perspetiva de futuro”.

“Esta é uma área que, não sendo a base do setor agrícola, está a crescer e que, com os investimentos que o Governo dos Açores está a fazer na Rede Regional de Abate, potencia essa fileira em termos de rendimento à produção do leite”, salientou.

O titular da pasta da Agricultura referiu ainda na sua intervenção que, “em termos de candidaturas ao PRORURAL, sente-se na ilha Terceira uma grande vontade de fazer investimento, o que significa um sinal de otimismo e de confiança”.

Este é “um sinal de que este setor tem futuro, não só na ilha Terceira, mas em toda a Região Autónoma dos Açores”, sublinhou João Ponte.

Açores 24Horas /Gacs

talholagoa1

Comente este artigo
Anterior The European Commission launches public consultation on the future of the Common Agricultural Policy
Próximo Commission launches public CAP consultation

Artigos relacionados

Sugeridas

Proibição de carne de vaca divide Governo: Ministro da Agricultura fala em “populismo e demagogia”, ministro do Ambiente aplaude medida

[Fonte: O Jornal Económico]

Capoulas Santos defende a “liberdade de escolha informada” para os cidadãos tomarem as suas decisões. Já João Matos Fernandes defendeu que devem haver mais medidas como estas nas universidades portuguesas.

A Universidade de Coimbra decidiu proibir carne de vaca nas suas cantinas a partir de janeiro de 2020, […]

Nacional

Governo aprova Roteiro para a Neutralidade Carbónica 2050, que propõe abate de 50% dos bovinos

[Fonte: Agricultura e Mar]

O Conselho de Ministros aprovou hoje, 6 de Junho, assinalando o Dia Mundial do Ambiente, o Roteiro para a Neutralidade Carbónica 2050, através do qual é adoptado o compromisso de alcançar a neutralidade carbónica em Portugal até […]

Nacional

Défice comercial alimentar agravou-se em 2018

[Fonte: Expresso]
Durante o ano passado Portugal teve de comprar mais bens alimentares aos outros países para se alimentar
O défice da balança comercial dos produtos agrícolas e agroalimentares agravou-se e atingiu os 3.705,8 milhões de euros.
De acordo os dados divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) relativos ao ano agrícola de 2018, […]