Conselho Regional do Norte quer 50% dos fundos do Portugal 2030 e mais autonomia

Conselho Regional do Norte quer 50% dos fundos do Portugal 2030 e mais autonomia

O Conselho Regional do Norte quer que 50% da dotação global do Portugal 2030 seja afetada à região e que o Governo garanta um reforço “substancial” do Programa Regional do Norte 2021-27 e da autonomia regional, foi hoje divulgado.

Numa deliberação aprovada, esta tarde, com 62 votos a favor e duas abstenções, aquele órgão consultivo da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte (CCDR-N) elenca um conjunto de quatro prioridades, apelando à intervenção do Governo.

No documento, a que a Lusa teve acesso, aquele órgão refere que a dotação financeira “é fundamental para resolver os atrasos estruturais de desenvolvimento do Norte e concretizar os desafios fixados na estratégia “Norte 2030”.

Isto, “quer através da realização de investimentos em programas de desenvolvimento económico e de capacitação do capital humano, como de dotação de infraestruturas de suporte à qualidade de vida, coesão e competitividade”.

O Conselho Regional quer ver garantida “uma afetação orçamental robusta do Acordo de Parceria ‘Portugal 2030’ à Região Norte, equivalente a pelo menos 50% da sua dotação global, respeitando os critérios que presidiram à atribuição dos apoios da Política de Coesão europeia ao País no horizonte 2021-27”.

Aquela entidade pretende ainda ver “substancialmente” reforçada a dotação orçamental do Programa Operacional Regional do Norte 2021-27, segundo um modelo ‘multifundos’.

É também ambicionada a autonomia de decisão e de gestão regional, convergente com a opção nacional de reforço do papel e competências das CCDR.

Para o Conselho Regional do Norte, “apenas através da combinação de um programa operacional regional financeiramente robusto e de uma autonomia de decisão e gestão à escala regional se poderá garantir um contributo consequente da Região na execução da sua estratégia de especialização inteligente e de abordagens territoriais de desenvolvimento diferenciadoras, assegurando os objetivos de crescimento e coesão territorial”.

“Falhar um modelo de governação regionalizado e multinível, partilhado com as entidades intermunicipais, significará comprometer a eficácia da aplicação dos FEEI [Fundos Europeus Estruturais e de Investimento] em Portugal e dos seus efeitos estruturais, assim como o seu contributo anticíclico na atual conjuntura de crise”, defende aquele órgão.

No Plano Estratégico e na programação dos fundos da Política Agrícola Comum (PAC), o Conselho Regional defende a revisão dos critérios de atribuição de apoios à atividade e ao rendimento agrícola e pede que seja consagrado no futuro Programa Operacional Regional do Norte uma articulação programática com os instrumentos do Desenvolvimento Rural.

“Considerando os atuais critérios e efeitos profundamente assimétricos da PAC em Portugal, deve constituir prioridade nacional a sua reforma, sob o princípio de mais apoio à atividade e biodiversidade e menos apoio à propriedade”, pode ler no documento.

Para os autarcas, só com uma reforma da PAC se poderá introduzir justiça na distribuição do financiamento ao setor, promover, entre outros, a gestão ativa do território e a valorização do potencial agro-florestal e combater, “verdadeiramente, o abandono da atividade, o êxodo rural e a desertificação das zonas de baixa densidade”.

O Conselho Regional insta ainda o Governo a promover a adoção de modelos de integração e contratualização dos diversos instrumentos de financiamento – como o Portugal 2030, o PRR [Plano de Recuperação e Resiliência] ou o PEPAC [Programa de Estágios Profissionais na Administração Pública Central] – ao serviço de estratégias e programas territoriais robustos.

Aquele órgão considera ainda que a desconcentração da Unidade de Missão “Recuperar Portugal” e da sede e base executiva do Banco de Fomento a partir do Norte será, política e operacionalmente, um contributo relevante no sentido da “desejável” territorialização das políticas e dos instrumentos de financiamento.

O Conselho Regional do Norte integra na sua composição os 86 presidentes de Câmara Municipal da região e cerca de duas dezenas de organizações sociais, económicas, ambientais e científicas representativas do tecido institucional da Região.

Participam, ainda, duas personalidades de reconhecido mérito da Região, designadas sob proposta da CCDR-N.

Comente este artigo
Anterior Alterações na lei da caça irão prevenir abates semelhantes aos da Torre Bela, diz Governo
Próximo PDR2020: Renovação do Parque de Tratores Agrícolas - Pequenos Investimentos na Exploração Agrícola

Artigos relacionados

Últimas

“Diversificação agroprodutiva nos Açores assume um papel importante para conhecer e elaborar estratégias de ação”, defende António Ventura

O Secretário Regional da Agricultura e Desenvolvimento Rural defendeu esta segunda-feira, em Angra do Heroísmo, que a “diversificação agroprodutiva assume nos Açores uma vertente da agroruralidade que importa conhecer e elaborar […]

Nacional

COMISSÃO JUSTIÇA E PAZ DA ARQUIDIOCESE DE ÉVORA PREOCUPADA COM O DESPOVOAMENTO E A MIGRAÇÃO NO ALENTEJO

A nomeação desta comissão tem como objetivo principal assessorar e aconselhar o Arcebispo de Évora, sobre assuntos relacionados com a justiça e a paz que ocorram fundamentalmente dentro da área geográfica correspondente à […]

Nacional

CAP rejeita “desmembramento” do Ministério da Agricultura

O presidente da Confederação dos Agricultores de Portugal (CAP) disse hoje no Palácio de Belém que a instituição “não aceita de maneira nenhuma” o […]