Conferência sobre o Setor Olívicola – 16 de julho

Conferência sobre o Setor Olívicola – 16 de julho

A quarta conferência de Engenharia Agronómica, Alimentar e Zootécnica, o Colégio de Engenharia Agronómica – Norte recebe António Monteiro, da Direção Regional de Agricultura e Pescas do Norte

O setor olivícola português é considerado um exemplo para a agricultura e tem uma grande importância na economia nacional sobretudo porque contribui diretamente para o aumento das exportações, para além de poder permitir a Portugal ser autossuficiente na produção de azeite.

O olival tem atualmente uma elevada posição estratégica no panorama de desenvolvimento rural no país. Qual a importância deste setor na economia portuguesa? Quais as potencialidades de crescimento?

O Colégio de Engenharia Agronómica da Ordem dos Engenheiros da Região Norte (OERN) organiza durante o mês de Julho um ciclo de conferências totalmente dedicado à Engenharia Agronómica,  Alimentar e Zootécnica. Estas conferências incidem sobretudo sobre o papel da agricultura e pecuária no contexto actual do país e da União Europeia e também sobre as cadeias de abastecimento.

→ Inscrição ←

Programa

17h30 Enquadramento e Moderação: 

Divanildo Outor Monteiro, coordenador do Colégio de Engenharia Agronómica – Norte

17h50 Intervenção

António Monteiro, Direção Regional de Agricultura e Pescas do Norte

18h15 Perguntas do público

Sobre o convidado: 

António Monteiro, engenheiro Agrónomo pelo Instituto Superior de Agronomia da Universidade Técnica de Lisboa, atualmente é Técnico superior na Direção Regional de Agricultura e Pescas do Norte.

Olivicultor nos tempos livres, azeitólogo de vez em quando e azeitófilo quase todos os dias, curioso da história e das estórias da alimentação, cronista em jornais e revistas, enófilo e gastrónomo por desejo.

É autor de alguns livros  [A Oliveira – Recuperar o passado; Crónicas comestíveis – contando histórias de comeres; Estórias do azeite; O Azeite e as Azeitonas – Receitas da Rota do Azeite de Trás-os-Montes; Palavras do Olival; Comidas Conversadas – Memórias de Herança Transmontana; Identidades que se comem – da Rusticidade alheireira à intimista Lhéngua mirandesa; Amêndoa coberta de Moncorvo – na rota da doçaria barroca; Alheiras, e Alheira de Mirandela – do imaginário à materialidade da memória] e co-autor de outros [Etnobotânica – plantas bravias, comestíveis, condimentares e medicinais; A Amendoeira – Com especial referência a Trás-os-Montes e Alto Douro; Saber (a) Vinhais – contributo para uma Carta Gastronómica].

Distinguido com o Prémio Nacional de Literatura Gastronómica pela Academia Portuguesa de Gastronomia, Grão-Mestre da Confraria dos Enófilos e Gastrónomos de Trás-os-Montes e Alto Douro é também Membro da Academia de Letras de Trás-os-Montes.

Comente este artigo
Anterior COVID-19: Ação de informação e sensibilização destinada aos produtores agrícolas - 16 de julho
Próximo Oferta de emprego - Técnico Comercial - Engenheiro Zootécnico ou Veterinário - Centro

Artigos relacionados

Últimas

NEYA Lisboa Hotel é o único hotel carbono zero em Portugal

O NEYA Lisboa Hotel renovou a sua Certificação Carbono Zero e tornou-se no único hotel do país neutro em emissões de carbono, […]

Sugeridas

Comissão da Agricultura aprova Casa do Douro como associação pública

[Fonte: DN]

A Comissão de Agricultura e Mar da Assembleia da República aprovou, por maioria, um projeto lei conjunto do PS, […]

Últimas

Associações questionam porque se mantêm suspensas eleições para a Casa do Douro

Três associações do Douro querem saber porque o processo eleitoral da Casa do Douro continua suspenso e pediram audiências com os grupos parlamentares do PS, BE e PCP para exporem preocupações pela morosidade na […]