Condições adversas. Precipitação prejudica campanha da cereja. Redução de 30% na produtividade

Condições adversas. Precipitação prejudica campanha da cereja. Redução de 30% na produtividade

O mês de Abril alterou por completo o cenário da cultura da cereja que, até ao último dia de Março, perspectivava uma boa campanha. O Instituto Nacional de Estatística (INE), no seu Boletim Mensal da Agricultura e Pescas – Maio de 2020, estima uma redução de 30% na produtividade, face a 2019.

“Efectivamente, as condições meteorológicas foram muito adversas para a maturação das variedades precoces e para o desenvolvimento dos frutos das variedades tardias: no dia 31 de Março, a queda de neve numa das principais zonas de produção de cereja (Cova da Beira), seguida de uma primeira quinzena de Abril com dias com temperaturas anormalmente baixas e intensa precipitação, provocou a queda de frutos, o surgimento dum elevado número de frutos fendilhados, com pouco interesse comercial, e a diminuição significativa do poder de conservação dos restantes”, realça o Boletim Mensal da Agricultura e Pescas – Maio de 2020.

Produtividade com quebra de 30%

Assim, os técnicos do INE estimam uma redução de 30% na produtividade, face a 2019. E frisa que “existem junto dos produtores preocupações acrescidas quanto às quebras de produtividade do trabalho, pelo menos numa fase inicial de adaptação, resultantes da implementação de boas práticas indicadas para a realização de trabalhos de colheita de produtos hortofrutícolas em tempo de pandemia Covid-19, como sejam o uso de EPI ou a salvaguarda da distância de segurança entre trabalhadores (o que implicará, muitas vezes, a presença de apenas um trabalhador por árvore)”.

Entretanto, num projecto de resolução apresentado pelo Partido Socialista na Assembleia da República, que tem como primeiros subscritores os deputados eleitos pelo círculo de Castelo Branco (Hortense Martins, Joana Bento e Nuno Fazenda), é apontada a situação da produção de cereja do Fundão, com quebras acima dos 70% (por cento) e um prejuízo superior a oito milhões de euros.

Agricultura e Mar Actual

O artigo foi publicado originalmente em Agricultura e Mar.

Comente este artigo
Anterior Duas boas razões para felicitar a Comissão Europeia - Helena Freitas
Próximo “Tomate Vision” novo centro de I&D Syngenta para acelerar a inovação na cultura do tomate

Artigos relacionados

Nacional

Valor da produção do setor agrícola aumentou

Eurostat confirma que o valor da produção do setor agrícola para 2018 aumentou (+0,7%) para um novo máximo […]

Sugeridas

Sésamo: uma nova opção cultural?

Está a crescer o cultivo do sésamo no Brasil, especialmente como alternativa para a “segunda colheita”, popularmente chamada de “safrinha”. Neste país tropical, […]

Comunicados

COPA-COGECA avalia impacto da Covid-19 nos setores agricultura, floresta e pescas

O Comité das Organizações Profissionais Agrícolas – Comité Geral de Cooperação Agrícola na União Europeia (COPA-COGECA) produziu um […]