Anpromis: Conclusões do XI Congresso Nacional do Milho 2017

Anpromis: Conclusões do XI Congresso Nacional do Milho 2017

O XI Congresso Nacional do Milho, realizado a 7 e 8 de Fevereiro, em Lisboa, reuniu mais de 500 participantes e cerca de 30 oradores nacionais e estrangeiros num debate sobre temas de grande actualidade, onde a agricultura foi apresentada como pilar fundamental da economia mundial e a cultura do milho como estratégica para a manutenção da soberania alimentar da União Europeia.

Na sequência dos trabalhos levados a cabo, os produtores nacionais de milho concluíram:

  1. A agricultura é uma actividade económica extremamente relevante, sendo responsável por parte da nova reorientação da geopolítica mundial.
  2. O milho é uma cultura fundamental para a sustentabilidade do mundo rural europeu, tanto do ponto de vista económico, como no ordenamento do seu território.
  3. Face à situação financeira extremamente difícil que os produtores de cereais do Centro e do Sul da Europa atravessam, a Comissão Europeia tem de ponderar convenientemente a sua Política Agrícola Comum pós 2020, de forma a garantir que todos os agricultores exerçam a sua actividade de uma forma digna e rentável.
  4. Os produtores europeus de milho têm de ter acesso aos mesmos meios de produção (substâncias-activas e outros) dos seus congéneres mundiais, sob pena da sua competitividade técnica e económica ficar irremediavelmente colocada em causa.
  5. Face à actual conjuntura mundial, o nosso país tem de investir na sua soberania alimentar, de forma a ter um grau de auto-abastecimento em cereais que lhe permita enfrentar qualquer imponderável que venha a surgir.
  6. A relevância que o preço da água e da energia tem na competitividade da agricultura portuguesa de regadio, torna fundamental que o nosso país acautele o valor a pagar pelo sector agrícola.
  7. Numa altura em que a cotação do milho atravessa um período de preços bastante baixos, é imperioso os agricultores nacionais serem mais  eficientes e recorrerem às ferramentas de inovação tecnológica que se encontram à sua disposição.
  8. A fileira nacional do milho mobiliza, como nenhuma outra, pessoas e dinamiza iniciativas.
  9. O Ministério da Agricultura tem de assegurar que a competitividade técnica e económica dos produtores nacionais de milho e das suas Organizações seja mantida, sob pena de uma vasta área do nosso território ficar votada ao abandono.

Comente este artigo
Anterior Los precios de los alimentos subieron el 0,7 % en enero por las hortalizas y el pescado
Próximo SEIPASA y Estimul-Agro se unen para liderar la bioestimulación y nutrición agrícola

Artigos relacionados

Nacional

II Simpósio Internacional Azeites do Sul, na Ovibeja a 29 de Abril

[Fonte: Agricultura e Mar]
O II Simpósio Internacional Azeites do Sul realiza-se no próximo dia 29 de Abril, no Auditório do Nerbe – Associação Empresarial do Baixo Alentejo e Litoral, inserido na 34ª Ovibeja, que se realiza de 27 de Abril a 1 de Maio. […]

Comunicados

FENAREG alerta para os baixos níveis das barragens – 30.000 ha em risco no Alentejo –

Pelo terceiro ano consecutivo a precipitação foi inferior ao normal. No Alentejo, o valor médio acumulado, neste ano hidrológico, não ultrapassou 400mm.
A bacia hidrográfica do Sado apresenta registos críticos de volumes armazenados úteis nas albufeiras: 6% em Odivelas e 10% no Roxo.
Os Perímetros de Rega do Vale do Sado, […]

Nacional

Quercus diz que poluição no Rio Vizela não tem fim à vista

[Fonte: Agricultura e Mar]
A Quercus – Associação Nacional de Conservação da Natureza denuncia mais um caso de “poluição continuada do meio hídrico”, que tem acontecido recorrentemente no Rio Vizela, em Fafe. Através de uma denúncia chegada à Associação, “foi possível confirmar o local exacto da descarga ilegal de efluentes domésticos e industriais, […]