Comunicação da Comissão sobre o futuro da PAC: mais do mesmo

Comunicação da Comissão sobre o futuro da PAC: mais do mesmo

Proposta da Comissão não responde às necessidades e anseios dos agricultores e das zonas rurais

 O processo de reforma da PAC pós 2020, que a CNA juntamente com a Coordenadora Europeia Via Campesina (CEVC) têm vindo a acompanhar, junto com outras organizações e movimentos civis, alcançou uma etapa importante esta quarta-feira, 29 de Novembro, com a comunicação da Comissão Europeia sobre o futuro da PAC.

Nas suas 26 páginas, o documento divulgado pela Comissão faz referência a uma série de dificuldades e questões que o mundo rural enfrenta. No entanto, apesar do discurso que à primeira vista parece escutar os produtores europeus e as suas comunidades rurais, as soluções apresentadas continuam a estar direccionadas para os sintomas do problema e esquivam-se, na sua maioria, a ir até à raiz da crise.

De seguida realçamos um conjunto de temas que merecem especial atenção pelo impacto que têm sobre a agricultura familiar, a qualidade de vida no meio rural e o sistema alimentar dos cidadãos europeus.

Gestão de riscos derivados do mercado – volatilidade de preços. A Comissão continua a promover os seguros ao rendimento como solução para as crises dos mercados que continuam a atingir os agricultores. Para a CNA e CEVC, esta não é a solução. A volatilidade não é inevitável. A volatilidade é resultado da destruição dos instrumentos de regulação do mercado e da produção. É aí que reside o problema e a solução.

 Ajudas directas da PAC e sua distribuição. A Comissão insiste na distribuição de ajudas de acordo com a área. As ajudas desligadas da produção e em função dos hectares não permitem responder aos objectivos da PAC e acentuam os problemas de controlo e concentração da terra, agravando a inaceitável e injusta distribuição dos recursos públicos. Saudamos a intenção de fazer uma distribuição mais justa das ajudas da PAC, mas lembramos que há um longo caminho a percorrer entre a intenção e a tomada de decisões concretas, como se pode verificar pela última reforma da PAC, onde as elevadas expectativas acabaram num sentimento de frustração.

 Planos estratégicos. Por outro lado, a Comunicação propõe um novo sistema para a distribuição das ajudas da PAC, baseado no cumprimento de objectivos gerais – definidos a nível europeu – e planos estratégicos definidos pelos Estados-membros. A CNA e CEVC consideram que em princípio pode ser interessante adaptar a implementação da PAC às realidades locais e regionais, mas é imprescindível definir claramente os objectivos que se pretendem alcançar, garantir a participação das organizações de agricultores na elaboração dos planos estratégicos, bem como no acompanhamento do processo de adaptação e cumprimento.

Rejeitamos qualquer tentativa que possa haver através desta proposta para renacionalizar a PAC.

 Promover a prosperidade rural. A Comissão Europeia apresenta a bio-economia como uma componente essencial para dinamizar o desenvolvimento rural. Contudo, não é a bio-economia que vai dinamizar as zonas rurais, mas sim a produção de um modelo agrícola com numerosas e diversificadas explorações agrícolas no território, através da implementação de mecanismos colectivos de transformação, venda, etc. É graças a uma actividade agrícola diversificada, destinada à alimentação, de proximidade e presente no território, que o objectivo de desenvolvimento rural poderá ser alcançado.

 Atrair novos/as agricultores/as. Valorizamos o facto de o rejuvenescimento geracional estar entre as prioridades da nova reforma, mas na realidade é difícil para a CEVC imaginar novos jovens a serem atraídos para a agricultura, quando constantemente as crises atingem os sectores produtivos e quando o seu futuro é determinado pelos mercados internacionais que submetem os agricultores à volatilidade dos preços, à insegurança dos rendimentos e à especulação.

 Saúde, Nutrição, Sustentabilidade. A Comunicação da Comissão continua a falar muito de saúde, nutrição e sustentabilidade, mas continua a não definir os modelos agrícolas alimentares e comerciais capazes de garantir a produção de alimentos saudáveis, nutritivos, saborosos, ambientalmente sustentáveis, que assegurem o bem-estar animal, contribuam para a luta contra as alterações climáticas e gerem emprego e vida no mundo rural. Para a CNA e CEVC, este modelo é o modelo de agricultura campesina/familiar e sustentável, cuja base são as camponesas e os camponeses.

 

 

Comente este artigo
Anterior Centro PINUS entregou hoje prémio de jornalismo florestal
Próximo Fogos de outubro contam para a candidatura ao Fundo de Solidariedade

Artigos relacionados

Nacional

Agrupalto e Aligrupo foram os destaques do evento que distingue a produtividade dos suinicultores nacionais

[Fonte: Voz do Campo]

Agrupalto e Aligrupo foram os destaques do evento que anualmente distingue a produtividade dos produtores suinícolas nacionais*. Explorações do Agrupamento Agrupalto vencem 18 dos prémios da noite. As explorações Valpor e Porval, ocupam o segundo e terceiro lugar do pódio com, […]

Comunicados

Investigadores avaliam os efeitos de pesticidas agrícolas nos organismos marinhos

Um estudo realizado entre 2011 e 2016 revelou que a aplicação do fungicida agrícola mais utilizado no mundo – azoxistrobina – apresenta risco para os organismos aquáticos.
Financiada pela Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT), a investigação foi liderada por Elsa Teresa Rodrigues, do Centro de Ecologia Funcional da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra (FCTUC), […]

Comunicados

A promising step forward in the debate on the Renewable Energy Directive

[Fonte: Farm Europe]
Farm Europe’s Green Energy Platfrom welcomes the opinion approved yesterday by the agricultural committee of the European Parliament on the Renewable Energy Directive. This opinion, going beyond ideology and traditional political barriers is a clear recognition of the capacity of the European Agricultural sector to act as a sustainable energy provider. […]