Como serão os sistemas alimentares do futuro?

Como serão os sistemas alimentares do futuro?

É preciso “trabalhar em conjunto para criar uma sociedade mais saudável e sustentável”. Esta é a principal conclusão da 4ª edição da Conferência Portugal Saudável, uma iniciativa da Missão Continente que na passada semana juntou personalidades da academia, da política, da saúde, do retalho e da comunicação para debater sistemas de alimentação sustentáveis, capazes de conciliar saúde, ambiente e economia.

Corinna Hawkes, Diretora do Centre for Food Policy da Universidade de Londres, destacou a possibilidade de co-benefícios para todos os atores envolvidos nos sistemas alimentares. No entender da académica britânica, estas metas podem ser atingidas não só através da colaboração entre governos e setores, bem como mediante a adoção de uma moldura legislativa incentivadora.

Ao apresentar os resultados do relatório encomendado pelo Conselho da União Europeia, Corinna Hawkes mencionou a importância da contratação pública, da Política Agrícola Comum, de sistemas de distribuição de frutas e legumes nas escolas, em redes de distribuição de pequena dimensão e no desenvolvimento de capacidades dos vários intervenientes do sistema alimentar.

Já Ruth Osborne, fundadora da consultora Retired Hen e mentora do restaurante desperdício zero ReTaste, em Estocolmo, explicou como é que contraria a tendência da restauração para o desperdício alimentar, ao criar ementas com excedentes alimentares recolhidos de supermercados.

O encerramento da conferência esteve a cargo do Secretário de Estado da Defesa do Consumidor. João Torres defendeu que “a promoção da alimentação saudável contribui para um crescimento económico mais inteligente, mais sustentável e mais inclusivo”, sendo que esse crescimento pode ser estimulado “através da disponibilização de ferramentas digitais aos agricultores, da utilização de métodos e processos que visem a sustentabilidade ambiental, a preservação da biodiversidade e a redução do desperdício, alavancando o potencial da economia circular e da bioeconomia.”

O artigo foi publicado originalmente em Vida Rural.

Comente este artigo
Anterior Las cotizaciones del ibérico se hunden alcanzando su mínimo histórico
Próximo Agrária de Coimbra comemora 132º Aniversário

Artigos relacionados

Notícias PAC pós 2020

Reforma de la PAC: Buscan el consenso para no perder los objetivos fundadores de la PAC ni haya recortes transitorios

La Unión de Uniones de Agricultores y Ganaderos ha viajado hasta Bruselas donde ha sondeado en el nuevo Europarlamento el estado de la reforma de la PAC y ha trasladado sus preocupaciones y propuestas a eurodiputados españoles con el objetivo de buscar un consenso que permita que no se pierdan los objetivos fundadores de la PAC. […]

Últimas

Portugal Insect celebra Dia Mundial do Insecto Comestível com Conferência – 26 de outubro – Cascais

A Portugal Insect vai assinalar o Dia Mundial do Insecto Comestível através da realização de uma Conferência que terá lugar no próximo dia 26 de Outubro, […]

Últimas

Ordem dos Engenheiros debate falta de água no Tejo

[Fonte: O Jornal Económico]

A Ordem dos Engenheiros vai promover esta quinta-feira, dia 11 de julho, […]