Como é que a escassez vai influenciar a nossa vida?

Como é que a escassez vai influenciar a nossa vida?

Alimentos mais caros no futuro próximo será a consequência das perturbações na cadeia de abastecimento

A pandemia, os fenómenos naturais cada vez mais graves e as greves prolongadas de trabalhadores levaram a que muitas matérias-primas se encontrem à beira da escassez, o que pode conduzir a um aumento do preço de alguns alimentos nos próximos meses. À conversa com o Expresso, o presidente da Federação das Indústrias Portuguesas Agro-Alimentares (FIPA), Jorge Tomás Henriques, afirmou que “não temos sinal de que vá haver nenhuma rutura no abastecimento e estamos confiantes no que estamos a dizer, mas não conhecemos a direção que pode haver relativamente a preços”. Acrescenta ainda que esta crise de escassez de matérias-primas “vai continuar e irá prolongar-se ao longo do ano de 2022”.

Trigo, milho e soja são os principais produtos. Segundo os dados fornecido pela FIPA, desde o ano passado o trigo já aumentou mais de 40%. O milho, entre janeiro de 2020 e janeiro de 2021, apresentou um aumento de 20% e a soja, no mesmo espaço de tempo, aumentou 48%. Mas que implicações têm na nossa vida?

A crise de escassez de matérias-primas vai continuar e irá prolongar-se ao longo do ano de 2022

Greves afetam soja

O trigo mole é a matéria-prima base das farinhas. Na nossa alimentação, a farinha é utilizada em diversos alimentos, como pão, bolos, tortas, empadas ou biscoitos. O trigo também é utilizado para produzir massas e algumas substâncias são retiradas para alimentos de animais, como bovinos e aves domésticas.

No que toca ao milho, está na base do fabrico de vários produtos, como óleos, bolachas, massas, pão, bolos, caldos, saladas. Pode também ser consumido cru ou enlatado. E é muito utilizado para rações de animais. Na Argentina, os trabalhadores da soja fizeram uma greve prolongada, o que diminuiu gravemente a produção. A soja pode ser utilizada em diversos produtos, como molhos, leite, tofu, queijo de soja, sobremesa de soja, grãos de soja, iogurte de soja, brotos de soja e óleo de soja. Tal como o milho e o trigo, é bastante utilizada nas rações de animais.

As operações logísticas aumentaram bastante, em consequência de uma maior procura no consumo, o que levou à subida do custo dos transportes, tanto no mercado nacional como internacional. O presidente da FIPA admitiu ao Expresso que ocorreu um “aumento recente do preço de contentores de transporte. […] Um contentor que custava cerca de €1200, hoje custa cerca de €7 mil”.

Resta aos consumidores esperar e estar atentos às mudanças de preços, em especial destas matérias-primas. Ainda assim, questionado pelo Expresso, o grupo Sonae MC afirmou que “até agora não sentimos constrangimentos ou atrasos de maior no fornecimento de produtos e o mercado altamente concorrencial no retalho também não permite grandes flutuações de preços ao consumidor”.

Sector diz que não se deve passar a mensagem da falta de alimentos, devido ao pânico que […]

Continue a ler este artigo na edição Expresso de 23 de outubro.

Comente este artigo
Anterior Proibição das corridas de cães chumbada
Próximo Agricultores reforçam produção de olhos postos lá fora

Artigos relacionados

Dossiers

Resineiros colaboram na vigilância da floresta

O programa “Resineiros Vigilantes 2021”, protocolado entre o Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) e a Associação de Destiladores e […]

Últimas

Nigeria needs biotechnology to weather climate change impacts on farming, say West African scientists

Agricultural biotechnology will help Nigeria respond to climate change issues and support food security, asserts a new study by West African researchers. […]

Nacional

Incêndios: Ministro nega “falta de transparência” na aplicação de fundo europeu

Nelson de Souza foi chamado à Comissão dos Assuntos Europeus pelo PSD, que queria saber como e onde têm sido utilizados os 50,6 milhões de euros (ME) atribuídos através do Fundo de Solidariedade da União Europeia (FSUC) para ajudar na reconstrução pelos incêndios de junho e de outubro de 2017, […]