Combate no distrito da Guarda tem pela primeira vez equipas exclusivamente nocturnas

Combate no distrito da Guarda tem pela primeira vez equipas exclusivamente nocturnas

O Dispositivo Especial de Combate a Incêndios Rurais (DECIR) no distrito da Guarda foi reforçado e inclui, pela primeira vez, seis equipas exclusivamente nocturnas de bombeiros voluntários, disse à agência Lusa o Comandante Operacional Distrital, António Fonseca. Este ano, o dispositivo no distrito da Guarda conta com 642 operacionais (em 2018 eram 598) e 161 veículos operacionais (eram 140).

A ampliação do dispositivo deve-se à criação de uma brigada de sapadores florestais (constituída por 15 elementos) pela Comunidade Intermunicipal das Beiras e Serra da Estrela (CIM-BSE) e de nove Equipas de Intervenção Permanente (EIP) em corpos de bombeiros. No distrito da Guarda existem actualmente 37 equipas de sapadores florestais e 19 EIP.

“Temos vindo a aumentar, quase sistematicamente, os meios. Do ano passado para cá já se nota esse aumento”, dando resposta “ao aumento da severidade meteorológica”, admitiu o CODIS.

Ao nível dos meios aéreos disponíveis, o DECIR 2019 inclui três helicópteros estacionados nos Centros de Meios Aéreos (CMA) de Mêda, Seia e Guarda. No CMA de Seia, na Serra da Estrela, ficam ainda instalados dois meios aéreos pesados, mas fazem parte do dispositivo nacional e operam em todo o território.

António Fonseca referiu hoje à Lusa que o dispositivo para este ano tem como novidade a criação de seis equipas exclusivamente nocturnas de bombeiros voluntários, que vão operar no período considerado mais crítico.

“Como aumentámos o número de EIP nos corpos de bombeiros, parte dos voluntários que estavam disponíveis nesses corpos de bombeiros para os dispositivos sazonais ingressaram nessas equipas e tivemos uma ligeira diminuição, por causa disso, das equipas que são activadas agora neste período mais crítico. Face a isto, foi aceite a nossa proposta no Comando Nacional de constituirmos também equipas exclusivamente nocturnas”, explicou o CODIS.

Assim, segundo o responsável, “no empenhamento máximo” de meios, o distrito da Guarda irá ter seis equipas nocturnas, que vão operar “entre as 20h e as 08h”.

“Porque é durante a noite que temos mais disponibilidade de voluntários, como é evidente, fora das horas de trabalho, mas isto também veio ao encontro de uma necessidade operacional nossa: o ciclo dos incêndios, que podemos chamar mais complexos, inicia-se a meio da tarde e, se correr bem, termina a meio da madrugada”, justificou.

Segundo o CODIS, “há uma necessidade operacional acrescida” no final da tarde e durante a noite, dado existirem condições meteorológicas mais favoráveis para dominar os incêndios.

“Daí a ideia de termos este ano, pela primeira vez, criado também equipas exclusivamente nocturnas”, rematou.

António Fonseca referiu ainda que, pela primeira vez, o dispositivo da Guarda será auxiliado por câmaras de vídeo, instaladas pela CIM-BSE, que vão permitir visualizar os incêndios e ajudar no apoio à decisão operacional.

O DECIR da Guarda foi dado a conhecer numa reunião da Comissão Distrital de Protecção Civil, realizada no dia 10 de Maio, nas instalações do Comando Distrital de Operações de Socorro, mas não foi apresentado publicamente.

Comente este artigo

O artigo foi publicado originalmente em Público.

Anterior A Agricultura Portuguesa e a Reforma da PAC: desafios para o período após 2020 - Francisco Avillez
Próximo Festa do Vinho Verde e dos Produtos Regionais volta a Ponte de Lima

Artigos relacionados

Últimas

Faial recebe Encontro Regional de Apicultura

O Encontro Regional de Apicultura está marcado para dia 6 de abril na Casa do Povo da Praia do Norte (Ilha do Faial – […]

Nacional

Água reciclada ganha mais volume na agricultura

[Fonte: O Jornal Económico]

As alterações ambientais são cada vez menos um conceito abstrato, com os principais agentes nacionais e internacionais a procurarem desenvolver respostas concretas de combate e minimização dos efeitos nefastos. […]

Nacional

Acréscimo: Governo quer instalar extensas áreas de monoculturas intensivas para produção de electricidade

A direcção da Acréscimo – Associação de Promoção ao Investimento Florestal diz que “o Governo pretende instalar extensas áreas de monoculturas intensivas e super-intensivas para a produção de electricidade”. […]