CNA 42 Anos – Sempre com os Agricultores!

CNA 42 Anos – Sempre com os Agricultores!

A 26 de Fevereiro de 1978, “por livre e espontânea vontade dos Agricultores” e correspondendo às suas necessidades de organização, acção e representação, a CNA foi fundada no grande “Encontro das Organizações da Lavoura e dos Agricultores do Minho, Douro, Trás-os-Montes, Beiras e Delegações de outras Províncias” realizado em Coimbra.

Daí para cá, são 42 Anos cheios de vida, em actividade constante, na defesa da Lavoura, dos pequenos e médios Agricultores, da Produção Nacional, do Mundo Rural e da Soberania Alimentar do nosso País.

E no mesmo Encontro fundador da CNA, foi aprovada a “Carta da Lavoura Portuguesa” documento programático e de princípios que, hoje, mantém válidas várias das suas avaliações e plasma a matriz “genética” da Confederação. Saliente-se, a propósito, o seu Ponto I, que refere:

“No final de cada campanha, na colheita, na vindima ou na venda do gado, põe-se o problema a cada agricultor de como vai vender o seu produto, por quanto o vai vender e a quem o vai vender. A qualquer agricultor interessa vender rápido, receber a pronto e vender por preço que compense os gastos, o trabalho e que dê para viver.”

Sendo verdade que tem havido mudanças estruturantes – a maior das quais com a entrada (em 1986) e a permanência da Agricultura Portuguesa na PAC, Política Agrícola Comum (faz 34 anos), também é verdade que, nesses contextos prejudiciais à Agricultura Familiar e ao Mundo Rural, pelo meio das tormentas que temos vivido, a CNA manteve-se independente, e actuante, em relação aos poderes públicos dominantes, em relação aos interesses da grande Agro-Indústria e do grande Agro-Negócio.

Eis, assim, algumas das grandes vitórias que a CNA constrói em cada dia, e que têm mantido a Confederação de cabeça erguida e a poder olhar os Agricultores bem de frente, sem corar ou pestanejar, o que também já faz história !

Mais tarde, nos seus Estatutos, a CNA veio a consagrar (Artigo 2º, ponto 4):

“A CNA reflecte as preocupações e enseios sobre a construção de uma agricultura que promova a melhoria dos rendimentos e da qualidade de vida dos agricultores portugueses; que responda às exigências de qualidade dos produtos, a defesa do meio ambiente e da biodiversidade, das populações, das actividades e do património do mundo rural, da saúde, do trabalho; que assegure o abastecimento de mercados de proximidade e uma alimentação de qualidade aos consumidores e que tenha como objectivo a soberania alimentar de Portugal” – o que prova uma boa e sã capacidade de “antecipação” a posicionamentos que, noutros, surgiram muito depois e mais como “modas” do que como convicções de facto.

A luta continua !

Ainda assim, ao longo destes 42 anos, assistimos a uma discriminação oficial da Agricultura Familiar e das suas Organizações mais genuínas e representativas, como a CNA e Filiadas, por parte de sucessivos Governos – ao mesmo tempo que são atribuídos privilégios públicos aos grandes proprietários, à grande agro-indústria, ao grande agro-negócio – o queconstitui uma nódoa na Democracia Nacional, nódoa que ainda hoje não está a ser eficazmente apagada…

E se a discriminação institucional não é maior, isso deve-se à persistência e à luta dos muitos milhares de Agricultoras e Agricultores que se reconhecem na CNA e que têm correspondido aos apelos da Confederação e suas Filiadas também para reclamar mais respeito pela Democracia, mais respeito pela CNA e pela Agricultura Familiar.

Neste processo, a CNA tem travado a batalha (difícil) da prestação de Serviços Técnico-Profissionais e de Formação Profissional aos Agricultores, com o objectivo de melhor os apetrechar para fazerem frente, nomeadamente, às exigências, muitas vezes desadequadas, da PAC. E mantém aberta em Bruxelas uma “Representação Permanente” junto das Instâncias Comunitárias, sabendo-se que muitas das decisões que nos afectam diariamente provêm da União Europeia…

Fazendo jus àquilo que nos define, em defesa da Agricultura Familiar e do Mundo Rural Português, hoje, ao assinalar 42 anos de existência, a CNA continua actuante na luta e de entre outros objectivos:

  • Por melhores rendimentos para a Agricultura Familiar, através do escoamento a melhores preços à produção nacional, agrícola e florestal;
  • Por outra PAC com ajudas públicas atribuídas a quem produz e com maior justiça social. Por outra PAC respeitadora dos Recursos Naturais e da Soberania Alimentar dos Povos e Regiões;
  • Pela concretização do Estatuto da Agricultura Familiar por forma a, também assim, melhorar os rendimentos da Lavoura e dos nossos Agricultores;
  • Em defesa dos Baldios como propriedade comunitária dos seus Compartes;
  • Por serviços públicos acessíveis e de qualidade no Mundo Rural.

A luta continua !
Podem contar com a CNA e Filiadas !
Viva a CNA !
Viva a Agricultura Familiar !

Comente este artigo
Anterior Primeiro-Ministro e Ministra da Agricultura visitam Aproveitamento Hidroagrícola da Camba
Próximo Plano de Fogo Controlado está a ser implementando no Concelho de Boticas

Artigos relacionados

Últimas

Los pollos suben pero se mantienen por debajo del año pasado


Julio se inicia con un cambio de tendencia en el mercado de los pollos, al registrarse importantes subidas en los precios después de meses sin anotar cambios. […]

Últimas

Primeira edição do Douro Wine City decorre no Peso da Régua

O Peso da Régua abre portas já esta sexta-feira ao maior evento de vinho da região, com mais de 80 expositores e um programa muito diversificado que inclui provas livres, […]

Nacional

​Três helicópteros Kamov autorizados a operar no combate aos fogos

A Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) autorizou esta segunda-feira que três dos helicópteros pesados Kamov possam voltar a operar no combate aos incêndios, […]