Cinco comissões vitivinícolas investem na criação de ‘Fileira de Vinhos da Região Centro’

Cinco comissões vitivinícolas investem na criação de ‘Fileira de Vinhos da Região Centro’

[Fonte: Dinheiro Digital]

As cinco Comissões Vitivinícolas da Região Centro – Lisboa, Dão, Bairrada, Beira Interior e Tejo – uniram-se pela primeira vez na história para anunciar um plano estratégico comum, que passa pelo investimento de 3,5 milhões de euros (M€) na criação da Fileira de Vinhos da Região Centro, foi anunciado nesta terça-feira.

No âmbito do Programa Operacional Centro 2020, este investimento, do qual três milhões são financiados pelo Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER), cabendo aos privados um encargo de 500 mil euros, pretende aumentar a produtividade, sustentada em mais investigação e inovação, mais promoção e mais valorização dos seus territórios vinhateiros.

“Pretendemos que a Região Centro seja uma única região, mais dinâmica, potencialmente mais atrativa e ganhe notoriedade e reconhecimento nacional e internacional, quer pela qualidade dos vinhos produzidos, quer pelas paisagens naturais e pela oferta turística associadas ao vinho”, salienta Vasco d’Avillez, representante da Fileira de Vinhos da Região Centro, citado num comunicado.

O programa conta com o apoio do Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária (INIAV), do Instituto Politécnico de Castelo Branco (IPCB) e Instituto Politécnico de Viseu (IPV).

Comente este artigo
Anterior Apresentação do azeite Premium CAMB – 6 de Dezembro – Lisboa
Próximo Brexit and the CAP

Artigos relacionados

Últimas

Política de promoção dos produtos agrícolas da UE em consulta pública

Encontra-se em consulta pública até ao próximo dia 11 de setembro de 2020 a política de promoção da União Europeia para produtos agrícolas e […]

Últimas

Agricultores alentejanos reclamam medidas de apoio para fazer frente à seca

A Federação das Associações de Agricultores do Baixo Alentejo (FAABA) emitiu um comunicado em que lembra que as situações de seca extrema no Alentejo “são recorrentes” […]